sábado, 17 de junho de 2017

Fernão de Magalhães e a viagem ao fim do mundo

Jorge Finatto
 
Estreito de Magalhães. photo: jfinatto
 
Descobrimos, no dia 21 de outubro [de 1520], aos 52º de latitude meridional, um estreito (...). Como pudemos constatar em seguida, tem quatrocentas e quarenta milhas de comprimento (...) e desemboca em outro mar, a que chamamos de Pacífico. O estreito é rodeado de montanhas muito altas e cobertas de neve. É tão profundo que, mesmo estando bastante próximo da terra, não se encontrava fundo para a âncora, nas vinte e cinco ou trinta braças. *
                                                                      Antônio Pigafetta

 
OLHANDO AQUI DE CIMA, desde as entranhas do grande pássaro de metal da Aerolineas Argentinas, que agora sobrevoa a Cordilheira dos Andes rumo ao extremo sul, custa acreditar que o português Fernão de Magalhães (1480 - 1521) andou por estes mares gelados e revoltos em 1520. Foi ele quem navegou pela primeira vez através do estreito que faz a ligação entre Atlântico e Pacífico ao longo de cerca de 600 km. A passagem mais tarde foi batizada com seu nome, Estreito de Magalhães.
 
O navegante lusitano comandava então a primeira expedição de circum-navegação da Terra, a serviço da Coroa Espanhola. Em agosto de 1519 partiu do porto de Sevilha com cinco navios e 237 marinheiros. Foi o primeiro a chegar à Terra do Fogo.

Não consigo deixar de comparar a ousadia daqueles marinheiros com o arrojo dos astronautas em suas viagens espaciais. Penso que era mais difícil andar pelos mares do fim do mundo naquelas frágeis embarcações do que ir a Marte nos dias de hoje.

mapa do Estreito de Magalhães. fonte: Wikipédia. clicar
 
O escritor italiano Antônio Pigafetta (1491 - 1534) juntou-se a Magalhães com intenção de relatar a viagem, tendo para isso que comprar seu lugar no navio já que não era membro da tripulação.

A expedição iniciou a travessia do estreito em 1º de novembro daquele ano, vinda do Atlântico. Nominaram-no Canal de Todos os Santos em razão do dia. Ao desembocar do outro lado, no desconhecido oceano, Magalhães deu-lhe  o nome de Pacífico em oposição à turbulência e temeridade das águas no interior do grande canal.

Não bastasse isso, foi no Pacífico que o grande navegador avistou e descreveu as galáxias Grande Nuvem de Magalhães e Pequena Nuvem de Magalhães, que são vizinhas da nossa Via Láctea. Mais tarde deram seu nome às duas em homenagem.

Infelizmente, Fernão de Magalhães não conseguiu retornar com vida à Espanha, tendo sido morto numa batalha com nativos nas Filipinas aos 41 anos. A expedição regressou ao porto espanhol em 1522, com apenas um navio, o Victoria, e 18 homens, Pigafetta entre eles, sob o comando de Juan Sebastián Elcano.

photo: jfinatto
 
Das observações e anotações do escritor resultou a obra A primeira viagem ao redor do mundo, publicada em Veneza em 1536, dois anos após a morte do autor. Gabriel García Márquez considerava este um dos livros mais importantes de sua vida.

Recordo essa história voando em direção ao sul profundo, e quase não acredito no que aquela gente fez embarcada numa casca de noz sobre a superfície tenebrosa do abismo do mar. Parece ficção científica. E, no fundo, foi até mais.

__________ 
*A primeira viagem ao redor do mundo. Antônio Pigafetta.  pp. 65-66. Editora L&PM. Tradução de Jurandir Soares dos Santos. Porto Alegre, 2005.
http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=610619&ID=642907