sábado, 30 de dezembro de 2017

Vida boa pra todos em 2018

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
 
esse Amor que move o Sol e as mais estrelas
Dante Alighieri*

A VIDA ensina que a esperança brota dos escombros. Quando parece que tudo está perdido, que nada mais há a resgatar, ouve-se a voz de alguém, um sopro de luz irrompe da ruína, ilumina a densa sombra, a vida teima em vingar.
 
Acredito no futuro do meu país porque acredito que as pessoas de bem (que querem uma vida melhor não apenas para si mas para todos) serão capazes de escolher o bom caminho, retirando-nos do poço fundo onde a corrupção de agentes políticos, empresários e seus acólitos nos levou.
 
Creio no poder transformador do coração de cada pessoa. Penso que a faxina começa dentro de cada um, depurando a própria consciência, alterando comportamentos antissociais, renovando o pacto com a vida geral. De pouco adiantam bibliotecas de leis, se não se humanizam os valores.
 
Para transformar a realidade é necessária uma profunda mudança do padrão moral e ético do brasileiro. Vale dizer: precisamos repensar a maneira como nos relacionamos com o próximo, deixando de vê-lo como inimigo. Temos que nos colocar no lugar do outro, sentir a sua dor.
 
Nas pequenas coisas começa a reinvenção de uma sociedade mais justa. 

Não há mais espaço para ilusões. Não podemos esperar soluções de políticos inescrupulosos, esses mesmos que nos conduziram ao caos. É hora de renovar, renascer, votar em pessoas honestas, comprometer-se com o bem comum acima do individual.

Precisamos urgentemente de amor social.
 
Temos um ano todo para tentar acertar, fazer da vida algo diferente e bom. Façamos por merecer o Novo Ano. 
 
_________
*A Divina Comédia. Dante Alighieri. Tradução, prefácio e notas de Hernâni Donato. Ilustrações de Gustave Doré. Abril Cultural, São Paulo, 1981.
 

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Cálido

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 

Preciso escrever
o poema
que vai salvar
esse dia

o poema cálido
para atravessar
o tempo difícil
que ainda tenho
pela frente

o poema que vai
expulsar
a vontade
de morrer
que chega
aos poucos
como um felino
_____________ 

Do livro Memorial da vida breve, Jorge Finatto, Editora Nova Prova, Porto Alegre, 2007.
 

domingo, 24 de dezembro de 2017

Uma criança nasce

Jorge Finatto
 
Nascimento de Cristo. Konrad von Soest (1370 - 1422)
 
 
UMA CRIANÇA NASCE. Enche a casa esquecida e triste de alegria e esperança. Se esta criança é JESUS, é o próprio coração das pessoas que renasce em todas as casas.
 
Feliz Natal com Cristo!
 

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

O eremita viajante

Jorge Finatto

Monte Fuji. pintura de Katsushika Hokusai (1760 - 1849)

                   
                   imóvel contemplo a lua
                   e os outros pensam
                   que sou cego
                                        Matsuo Bashô ¹


NA TARDE-NOITE de chuva fina (o silêncio monta guarda em volta da casa), leio poemas de Matsuo Bashô (1644 -1694). Já nos primeiros haikais me vejo diante do Monte Fuji coberto de neve. Atravesso um riacho de pés descalços. Ouço o pássaro no ramo da cerejeira. Converso com uma borboleta. Encontro o amigo em meio à viagem por caminhos de chão batido.

Bashô adorava botar o pé na estrada, viajava em busca de lugares e encontros, hospedava-se na casa de quem o acolhesse. Vivia com simplicidade perto da natureza (seus discípulos construíram para ele uma cabana rústica onde morar, nas margens do Rio Sumida, e plantaram uma bananeira no pátio). Ele então adotou o nome da bananeira (bashô) como seu nome literário. Gostava de sentar-se sob suas folhas e sentir o vento e a chuva passando por elas.

Bashô era só e era muitos.

Por ocasião da partida de Sôha, que vivia na casa ao lado.

a casa do lado
ficará em silêncio
como um velho ninho ²

O grande poeta e viajante japonês nos leva ao umbral do mistério. Uma vez lá, deixa por nossa conta penetrá-lo ou abandoná-lo. A experiência para quem nele se aventura é tocante e plena de revelações.

Os versos de Bashô exercem fascínio pela aguda e original percepção do universo. As coisas são vistas como da primeira vez. Tudo é novo aos sentidos e ao pensamento. O mundo se revela ante o olhar inocente.

Este olhar inaugural volta-se para as coisas do dia a dia. Abre-nos a mente diante daquilo que por vezes parece corriqueiro e desinteressante. Isto é possível graças a uma linguagem que foge ao habitual e ao ruído, repleta de silêncios.

A poesia que Bashô nos legou é cativante e bela como um amanhecer. Simples nos seus motivos, tem alcance transcendente no coração do leitor. É um golpe de ar puro e fresco na alma ressequida. Uma excelente apresentação de sua obra encontramos no livro O eremita viajante.

Como era sua vontade, o poeta foi sepultado no mosteiro de Gichu-Ji, nas margens do Lago Biwa. Em sua sepultura foi plantada uma bananeira.

a minha pele
perderá o calor
e ficará fria ³
 
_________

1, 2, 3 - O eremita viajante (haikus - obra completa). Matsuo Bashô. Editora Assírio & Alvim. Organização e versão portuguesa por Joaquim M. Palma. Porto, Portugal, 2017.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Canção da bruma

Jorge Finatto

photo: jfinatto
 

SENHOR
quando chegar
a minha vez
de cruzar a ponte
deixa eu levar comigo
no alforje de nuvem
os dias de sol

as tardes
de outono

os pinheiros
da serra onde
nasci

deixa eu levar
o som do riacho

as antigas
conversas
da Rua São João

me concede
a memória
dos amigos
de infância

na bruma
que serei
me alcança
um bosque
e pássaros
para tecer
a minha casa

___________

Poema do livro O habitante da bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998.

sábado, 9 de dezembro de 2017

Escutai os pássaros

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto, 6/12/2017. o beija-flor e as flores de lavanda
 

NA CIDADE grande o convívio com os pássaros é difícil. Quase tudo trabalha contra eles. Excesso de edifícios, de barulho,  de luz artificial, escassez de áreas verdes, de alimento, de ar para voar, respirar, cantar. Mais a indiferença das pessoas. Uma danação.
 
Em Passo dos Ausentes é diferente. Existem pássaros em abundância e eles podem viver a sua vidinha em paz e liberdade. Que o digam os delicados beija-flores nos canteiros de lavanda!
 
Hoje enquanto caminhava pelo quintal, no sossego da tardinha, escutei o canto dos passarinhos nas árvores. De várias espécies, cantavam a capela. Tão doces eram os cantos que por um momento senti que Deus andava por perto, maravilhado como eu.
 
Poucas vezes me senti tão bem. Fiquei ali entre os cedros, pinheiros, magnólias, roseiras, jasmineiros. Me sentindo pleno e humilde. 
 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

O jardineiro amoroso

Jorge Finatto

photo: jfinatto, 2/12/2017
 
A VIDA é breve, raro leitor, e os livros que não li não cessam de brotar nas livrarias. Enquanto isso, constelações deles hibernam nos sebos. É impossível ler tudo isso numa só existência. Sem falar que tenho coisas pra fazer e meus próprios textos pra cuidar, apesar de não ter leitores.

Escrevo para fantasmas. É correr atrás do vento. Mas há quem goste das fotografias pelo menos.
 
Um jardineiro amoroso deve cuidar do seu jardim, sem esquecer de arrumar tempo para admirar os jardins alheios. Tem muita coisa bonita pra ver fora de nós. Aí está a graça. Serve de consolo quando cá dentro faz escuro.

Importante é não perder o gosto e a beleza de cultivar e se deixar cultivar.

O resto, aí as frustrações, desânimos, incompreensões, etc., passa, passa, que a vida é só um suspiro. Um longo suspiro. Mas a viagem, mesmo nos dias sombrios, é bela.

Não sei por que mas este texto me deu vontade de tomar um café no Café Tortoni,* em Buenos Aires, acompanhado de um doce portenho. Vá saber.

__________
*Café Tortoni:
https://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/search?q=Caf%C3%A9+Tortoni

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Não me abandones

Jorge Finatto
a Chet Baker
 
photo: jfinatto

 
Não me abandones
povoa a noite
com teu suprimento
de afeto

enche o deserto
com teus passos

em segredo
devolve-me
a delicadeza
daqueles dias

me dá outra vez
o diamante
da tua
presença


________

*Do livro O Habitante da Bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998.
Leia também Chet on poetry:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/06/uma-viagem-sentimental.html
Chet Baker (1929 - 1988)