terça-feira, 11 de julho de 2017

Un amore

Jorge Finatto

Borboletas e papoulas. Van Gogh
Van Gogh Museum, Amsterdam

La speranza di pure rivederti                             
m'abandonava.                                                          
                          Eugenio Montale


No mais remoto deserto
- o sal e o labirinto do tempo
amadureço o poema

E parece que para encontrar-te
tinha de perder-te um dia

Colho no caminho as pétalas
da rosa que não te dei
e distraída desfolhaste

 ________

Poema do livro O Fazedor de Auroras, JFinatto, Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.
A esperança de ver você de novo me abandonava, tradução livre do verso de Montale.

sábado, 8 de julho de 2017

Rio de Janeiro em prosa e verso

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto

A interessantíssima história da segunda terra natal de todos os brasileiros e de todo estrangeiro de coração aberto à graça da vida (...)*
                           (frase da orelha do livro)

UMA DELÍCIsA DE LIVRO. Trata-se de Rio de Janeiro em prosa e verso, antologia de 200 autores organizada por Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, lançada no distante 1965. O assunto é a cidade maravilhosa em suas mil faces, visões, cores, histórias, alegrias e dramas. Uma relíquia de edição.
 
Contei, para sua aquisição, com os bons préstimos da Livraria Erico Verissimo, de Porto Alegre, à qual nunca havia antes recorrido. Trata-se de livro usado.
 
A variedade de autores e enfoques é preciosa, tornando o volume único em seu valor documental e literário. O sabor fica por conta das excelentes iguarias oferecidas em forma de crônicas, poemas, artigos, lendas, relatos de costumes, histórias das ruas, paisagens, plantas, carnavais, livrarias e tudo mais.

Escritores e poetas ilustres, como os dois organizadores, estão presentes nas 584 páginas, além de jornalistas, historiadores, ensaístas, viajantes, missionários, artistas. Não faltam belas imagens em forma de desenhos, fotografias, mapas e outras ilustrações.

photo: Manuel Bandeira

O poeta e diplomata francês Paul Claudel faz uma bela síntese do ambiente natural do Rio de Janeiro:

O Rio é a única cidade que ainda não conseguiu enxotar a natureza. (pág. 562)
 
Com Lúcio Rangel ficamos sabendo que em 1917 surgiu o primeiro samba, o famoso Pelo telefone,

nascido na casa da Tia Ciata, na Praça Onze, onde se reuniam os melhores compositores populares da época. (pág. 243)

De autoria de um certo Ernesto dos Santos, o Donga, integrante do grupo de compositores Oito Batutas, a letra diz coisas como:
 
Pelo telefone
Chefe de Polícia
Mandou me avisar
Que na Carioca
Tem uma roleta
Para se jogar. (pág. 243)
 
O escritor austríaco Stefan Zweig, um dos grandes do século XX em todo o mundo, assim escreve:

A beleza dessa cidade, dessa paisagem, com efeito, quase não se pode reproduzir nem pela palavra, nem pela fotografia, porque é demasiado variada, demasiado heterogênea e inesgotável; um pintor que quisesse representar o Rio em toda a sua plenitude, e com todos os seus milhares de cores e cenas, não teria tempo para concluir a sua obra numa vida inteira. (pág. 559)

Tem Alvaro Moreyra falando da Melindrosa, genial criação de J. Carlos, e da obra do artista:
 
O ente que olhar, daqui a cem anos, as obras-primas de J. Carlos poderá viver a vida que andamos vivendo... (1922) (pág. 529)
 
photo: Carlos Drummond de Andrade
 
Graciliano Ramos nos diz a respeito da Livraria José Olympio, ícone de uma época e ponto de encontro de escritores e intelectuais:

A Livraria José Olympio daria um romance. Entre aquelas paredes, que para bem dizer não são paredes, porque os livros cobrem tudo, um observador curioso, um desses que vão lá todos os dias, poderia arranjar assunto para um bom romance, que o editor impingiria ao público facilmente numa edição grande, porque estaria fazendo propaganda do seu negócio. (pág. 443)

Machado de Assis, Gilberto Freyre, Olavo Bilac, Vinicius de Moraes, José de Alencar, José Lins do Rego, Astrogildo Pereira, Jean Baptiste Debret, Coelho Neto, João do Rio (Paulo Barreto), Júlia Lopes de Almeida, Eneida, Mário de Andrade, Antônio Maria, José Carlos Oliveira, Elsie Lessa, Lúcio Costa, Di Cavalcanti, Olegário Mariano, Paulo Armando, Jorge de Lima, Mário Pederneiras e miles e miles de outros autores com seu caleidoscópio de observações sobre a cidade amada.
 
Está aí um livro cuja reedição, a bem da cultura brasileira, está a clamar aos céus e aos editores de boa vontade da Terra de Vera Cruz.
 
__________ 

*Rio de Janeiro em Prosa e Verso. Organizado por Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1965, 584p., ilustrado. Vol. V da Coleção Rio 4 Séculos.
O créditos das fotos serão registrados tão logo conhecidos os autores. 

sábado, 1 de julho de 2017

Corvo, camélia e guarda-chuva

Jorge Finatto
photos: jfinatto
 

UM DIA apareceste no meu jardim com a cara mais linda desse mundo. Guardei tua imagem para a eternidade fugaz de um álbum digital. Não és apenas uma a mais no mundo: és a camélia que nasceu de um sonho de delicadeza do Criador.


EM ALEGRE bando, dançam pelos céus de Canela, nenhuma chuva cai sobre os panos coloridos, mas vento, o andarilho vento de julho embala as cores e a pura alegria de ser.


O CORVO do cemitério Père-Lachaise*, em Paris, se dá ares, faz caras e bocas no galho seco sobre os túmulos de gente famosa (Balzac, Proust, Oscar Wilde, Chopin, etc.) Em Paris até mesmo os corvos fazem pose e se consideram acima dos mortais...

________ 

Delicie-se, raro leitor, clicando sobre as imagens. E que julho nos seja mais leve.

*Cemitério de Père-Lachaise:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/search?q=P%C3%A8re-Lachaise