terça-feira, 28 de março de 2017

O machado e o sândalo

Jorge Finatto

photo: jfinatto


COISAS QUE CARREGAM UM POUCO de mim dentro: o apito do trem chegando na estação, o apito do navio deixando o cais de Porto Alegre, o som da caixinha de música. O sorriso da antiga namorada: que bom que vieste.
 
O galo canta de manhã cedo, eu chegando na casa do avô depois de muito tempo. O abraço do avô. O bule de café, o leite quente, o pão feito em casa, o queijo, o salame, a chimia, a nata. A mesa posta na varanda. Na parede o quadro com a inscrição em alemão: o machado fere o sândalo que o perfuma. Vida ingrata. Vida boa.
 
A carreta do velho de capote preto e chapéu cinza passando na Rua São João. A garoa de abril turvando a janela da mansarda. Tudo vivo, pulsando tão distante.

Um dia todas as memórias serão presente. Não haverá oblívio nem saudades eternas. Um dia o machado compreenderá que ferir quem só faz bem é maldade pura, e maldade destrói também quem a faz.  Um dia o sândalo poderá viver e perfumar sem medo de ser cortado.
 

2 comentários:

  1. Quanta poesia perpassa este texto. Memórias, como retratos vivos pincelados de emoção. Beleza de texto.

    Abraço do Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Memórias nos retirados da dor. Mas na tristeza também existe alegria. Quem já andou, como eu andei, na carreta do homem do capote preto, atravessando aquela ruazinha perdida num canto do universo, sabe a felicidade que é ver o mundo lá de cima... Um abraço.

      Excluir