sábado, 31 de dezembro de 2016

A luz do novo tempo

Jorge Finatto
 
photo: Clara Finatto, Ipanema, Rio de Janeiro

AS IMAGENS de Clara Finatto nos remetem a um momento de rara beleza e emoção neste último dia do ano. As fotos são da praia de Ipanema no Rio de Janeiro. As pessoas estão reunidas olhando o pôr do Sol. Ao fundo, à direita, o Morro Dois Irmãos.

Clara conta que os admiradores aplaudem quando o Sol se põe. O mesmo fazem quando ele nasce lá longe sobre o mar, na linha do horizonte.

photo: Clara Finatto. Morro Dois Irmãos, Rio de Janeiro

O tempo leva tudo pela frente. Passa como o vento e não pede passagem. Atropela, arrasta a pobre criatura. Um ano não significa nada na vida de uma estrela, de uma montanha como Dois Irmãos. Mas na vida de um efêmero ser humano faz muita diferença. O que isso quer dizer? Que cada dia é um tesouro que não deve ser desperdiçado.

Olhando as imagens que a Clarinha colheu, percebo que a vida e o mundo são belos demais. Devemos agradecer sempre a oportunidade que nos foi dada.

Desejo a todos bons motivos para aplaudir o dia que se vai e o dia que nasce. Que cada um colha o que semeou em 2017. E que consigamos não levar tudo tão a sério. O riso é uma arma poderosa contra o desespero e o niilismo. Que possamos rir mais, apesar de tudo.

photo: Clara Finatto, Ipanema, RJ

Que haja mais justiça na distribuição do pão, da alegria, do amor, do bem-estar, dos bens materiais. Que todos tenham tempo para viver. E possam refazer a semeadura, caso tenham errado a mão.

Que Deus nos dê saúde para enfrentar os dias difíceis, para aproveitar os de júbilo, para repensar nossas prioridades. Possamos enxergar, ouvir e tentar entender as razões do outro (quando mais não seja, porque somos o outro do outro).

Luz pra todos.
 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Veneza no Café do Porto

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto

 Exposição fotográfica mostra a face pouco conhecida de Veneza, no Café do Porto, a partir de 03 de janeiro


VENEZA é uma das cidades mais visitadas e fotografadas do planeta. Uma cidade de espelhos, segredos e mistérios. Perambular sem pressa e sem itinerário por seus tortuosos caminhos (as fondamenta,  à margem dos canais) é essencial para descobrir seu corpo cheio de cálidas surpresas. 

A pé, numa gôndola ou num vaporetto (embarcação típica de Veneza, usada como meio de transporte pelos canais, com motor a diesel, e não mais a vapor como antigamente), o passeio é sempre revelador.
Não nos cansamos de admirar a arquitetura, as pontes, as paredes de tijolos à vista, as janelas com flores, os telhados, as roupas secando ao vento, as praças com pessoas de todos os lugares (talvez você dê sorte e encontre um veneziano em meio à multidão...), os longos e estreitos corredores que se perdem na bruma dos séculos.

photo: jfinatto

Veneza se deixa visitar, olhar, fotografar. Mas não se iluda o visitante: poucos terão acesso a seus aposentos interiores, à sua alma. Estes lugares não são para olhos estrangeiros. 

Recatada, a bela senhora nunca se deixa desvelar por completo. É preciso saber tocá-la com a ponta dos dedos, delicadamente. Como quem toca uma estrela muito frágil fadada a desaparecer (o aumento do nível das águas e os processos geológicos locais, embora lentos, estão levando ao afundamento da cidade).

Nesta exposição, reuni imagens que buscam mostrar o lado pouco conhecido de Veneza, longe dos clichês e do corre-corre dos turistas. Gostaria de compartilhar com você essas impressões sobre a querida República Sereníssima. São 17 painéis que estarão à mostra no acolhedor Café do Porto, a partir do dia 03 de janeiro de 2017.
 
photo: Jorge finatto


 ________ 
Mostra fotográfica OLHAR SOBRE VENEZA
Autor: Jorge Finatto
Café do Porto, de 03 a 16 de janeiro, 2017
Rua Padre Chagas, 293, bairro Moinhos de Vento
Porto Alegre
 

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Cemitérios nos caminhos da Serra

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto

UMA COISA que chama atenção nos cemitérios da região serrana do Rio Grande do Sul é que estão sempre enfeitados com flores. O vivo colorido torna-os menos tristes nas beiras de estrada. Às vezes, estão localizados no núcleo das cidadezinhas, misturados ao casario.

Vida e morte lado a lado, sem ataques de nervos.

São espaços que nada têm de fantasmagóricos. Última morada coisa nenhuma: lugar de passagem, transição para outra esfera.

Os pequenos territórios de ausência têm muros de pedra baixos e portões de ferro com trepadeiras enlaçadas. As sepulturas são rentes ao chão, algumas cobertas de heras; outras com vasos floridos. E há aquelas que possuem flores plantadas em volta.

Na Serra até a morte parece fazer parte da vida. Os mortos têm direito a flores o ano inteiro e ocupam um lugar cálido na memória dos que ficam.
 

sábado, 24 de dezembro de 2016

As mãos estendidas de Deus

Jorge Finatto
 
Criação de Adão. Miguel Ângelo. Capela Sistina. photo: Wikipédia

 
AOS LEITORES do blog, onde estiverem, desejo um Natal com saúde, amor no coração, paz de espírito, esperanças no peito, humildade, comunhão.

Que Deus estenda a mão, ou um dedo que seja, em nossa direção, e que, ao acolher esse gesto, sintamos que existe algo muito anterior e muito além das nossas vãs filosofias.

Celebremos o Menino Jesus, as mãos estendida de Deus. Vale o mesmo pra você que é ateu (quem não é, às vezes, em meio à esculhambação em que está o planeta!) Vamos com fé. Tudo de bom a todos.
 

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A Vênus de Milo

Jorge Finatto

Vênus de Milo, Museu do Louvre, Paris. Fonte: Wikipédia.
Autor: Mattgirling
 

DE ALGUMA FORMA me reconheço nela. Somos pães da mesma fornada. Deve ser isso, ou algo assim. O tempo que nos tocou viver juntos nessa passagem terrestre. Antes de desembarcar no planeta alguém colocou o carimbo na minha testa: vai precisar viver com ela.

Ela, estrela do meu caminho. Eu precisava desesperadamente dela ao meu lado desde muito antes de aqui desembarcar. Vim nem sei de onde. Aí um dia ela surgiu, um dia, no cerne da escuridão. O dia da minha sorte.

Um sol no inverno, uma iluminação. Nunca precisei de aventuras românticas pra me justificar. Precisava dela pra me ligar ao mundo, pra respirar, pra tornar a vida possível. Só isso. Um elo de afeto, uma nesga de ternura neste mundo de barbaridades.

Ela, estrela aberta. A corda que segura o astronauta quando está fora da nave, flutuando no sombroso léu. Do contrário me pulverizava.

Você me compreende, ou talvez não, diz que sofro de mutilação do ser-no-mundo, que sou triste-fraco. A palavra da moda é resiliente. Pode ser, pode não ser. Cada um sabe onde viver lhe dói. Abismos do coração. As faltas no interior da pessoa.

A Vênus de Milo é bela e eu amo. Mas não é mais bela que essa mulher. Está escrita na alma minha.
 

sábado, 17 de dezembro de 2016

Impromptus

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
A RAZÃO DE SER da palavra escrita é trazer luz onde habita a escuridão.  
 
Existem assuntos que só podem ser considerados em profundidade na intimidade da escrita, nesse diálogo silencioso do leitor com a página. Como existem aqueles temas que só encontram compreensão possível no silêncio de um abraço.

A ideia de trabalhar na construção do texto, cujos tijolos são palavras, traz em si uma tentativa de aproximação. O texto carrega a marca da imperfeição, expressando nossa realidade de seres humanos. O que seria o texto ou a obra de arte perfeitos? Jamais alguém saberá, pois o perfeito é uma categoria a que ninguém nunca teve acesso.

Leonardo da Vinci desistiu da pintura porque encontrava imperfeições em seus quadros e não se conformava com isso. O que era imperfeito para Leonardo era genial para os mortais. Mas a obsessão pelo belo absoluto (seja lá o que for isso) não o deixou seguir adiante, privando-nos de sua grande arte. Trilhou outros caminhos nos quais seu gênio universal mostrou-se.
 
Escrever é um artesanato cotidiano, uma criação na casa simples e misteriosa dos dias. Nunca está completo nem é perfeito, é experimental, está sempre em progresso. E é belo por isso. Como nós, carece.
 
A composição é um mosaico das tantas coisas de que somos feitos e do que sonhamos. Vivemos e escrevemos de improviso. Vida e obra, nada é definitivo.

Só a morte é o círculo perfeito. Mas este remate não interessa a ninguém.
 
Obra inconclusa, vida provisória, longe da perfeição, mulheres e homens que vieram do humano barro forjado no abraço, predestinados ao sublime e à finitude.

Vida sem manual de instruções, sem ensaio prévio, sem roteiro a seguir.

Vamos na inspiração, no suor, na raça, do jeito que dá.

Impromptus: improvisos na arte como na vida.
 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

2018, ano da nossa esperança

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto


O TEMPO ajuda a ver as coisas de um modo, digamos, menos desesperado. Nesses momentos obscuros, procuro manter o desespero sob controle, embora não seja fácil. Nunca vi um quadro tão dramático na vida brasileira. Mas penso que não devemos nem podemos entregar os pontos para os corruptos que afundaram o país. É preciso resistir.
 
Durante a ditadura civil-militar (1964 a 1985), a escuridão tomou conta, mas havia vida sob os escombros. A esperança brilhava nos olhos e corações. A democracia era um sonho e uma certeza de dias melhores.

A sociedade lutou pela democracia e ela amanheceu. O que temos hoje, no entanto, é uma indigência ética nunca antes vista, vinda da esquerda e da direita, de cima e de baixo, de todos os lados. A corrupção alastrou-se como fogo sobre gasolina, explodindo a economia, abalando a vida de milhões e milhões de pessoas, além de deteriorar direitos sociais duramente conquistados (art. 6º e seguintes da Constituição Federal de 1988).
 
Para que se viva numa democracia é fundamental que as instituições funcionem. Isto significa que não podem existir cidadãos acima da lei como existem no Brasil. A baixíssima estima ao bem comum e a quase certeza da impunidade levaram muitos políticos e empresários a subtrair quantias incalculáveis de dinheiro público. O resultado é um país quebrado com 12 milhões de desempregados, serviços públicos depauperados e a conta disso tudo sendo "socializada" entre toda a população, que não aceita mais esta situação.

A realidade mostra que os três poderes da República precisam passar por uma grande renovação. Com honrosas exceções, os representantes do povo estão aquém das expectativas. O que se vê é um cenário de profundo desalento. Basta um olhar sobre os últimos acontecimentos na Câmara Federal, Senado, Presidência da República e Supremo Tribunal Federal para ver que a coisa está muito difícil.

A imprescindível mudança já está em andamento com a lava-jato. A Justiça, notadamente no primeiro grau, está fazendo seu trabalho, apurando e responsabilizando a quem de direito. É preciso ter paciência. Antecipar eleições neste momento seria um erro. Deixemos que a depuração continue e afaste do poder quem não tem condições morais mínimas para seu exercício. Depois vamos ao voto em 2018, renovando tanto quanto possível os parlamentos estaduais e federal, bem como os chefes do Poder Executivo, a nível Federal e Estadual, tirando de lá quem traiu a população  e não merece confiança.

No âmbito do Poder Judiciário, é urgente a alteração dos critérios de nomeação de ministros do STF. Não é mais possível que a indicação de seus integrantes recaia única e exclusivamente na vontade do soberano da hora (Presidente da República). A sabatina a que é submetido o candidato a ministro pelo Senado, sabe-se, é meramente formal e homologatória.

A mais alta Corte do país precisa democratizar-se e ampliar sua legitimidade. Umas das possíveis alternativas é que a escolha dos ministros parta de vários setores: do próprio Judiciário, do Congresso Nacional, da OAB, do Ministério Público, da Presidência da República. Com origem nessas cinco instituições, já haveria certa pluralidade na composição do Tribunal. Não afasto, inclusive, a possibilidade de eleições para escolha dos ministros do STF. O importante é mudar a regra atual que fixa numa única pessoa o poder de escolha. Isto não serve ao bom senso nem à democracia.

Não podemos desacreditar no futuro por mais que os fatos digam o contrário. Somos mais de 200 milhões de habitantes a viver nesta Terra de Vera Cruz. Todos merecem ter uma vida.

É tarde demais pra desistir do Brasil.
 

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Todo vivente carrega

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 

TODO VIVENTE carrega
seu fardo de solidão
nas entranhas

cheiros rudes no corpo
primaveras esquecidas
na caduquice
da memória

se eu prossigo
no caminho
não se iludam
é pura teimosia

__________

Poema do livro Claridade, de Jorge Finatto. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1983.

domingo, 4 de dezembro de 2016

O mistério das flores, o vento

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
O ESCRITOR japonês Haruki Murakami diz, no texto de apresentação de seu livro Ouça a canção do vento & Pinball, 1973, que certa vez encontrou na rua um bolo de dinheiro. Caminhava com a mulher tarde da noite, ambos cabisbaixos, porque não tinham dinheiro para pagar um empréstimo bancário que vencia no dia seguinte.
 
Na época, anos 1970, haviam contraído dívidas para abrir um bar com piano em Tóquio. Ele era duro de grana e não queria arrumar um emprego tradicional. Amava o jazz. Resolveu unir o útil ao agradável. Músicos das redondezas faziam pequenos shows durante a semana, ganhando um cachê baixo. O escritor fazia sanduíches, preparava coquetéis, expulsava bêbados inconvenientes.
 
Sempre que tinha um tempo livre, pegava um livro pra ler. Adorava romances russos do século XIX. Tinha vinte e tal anos e trabalhava muito junto com a companheira. A coisa não era fácil.

Com o dinheiro achado, pagam o banco. Afirma que deveriam ter entregue o achado à polícia mas, diante da difícil situação, não podiam pensar em boas ações.

Em 1978 tem uma espécie de epifania e decide ser escritor. Assim que, todas as noites, depois de terminar o trabalho do bar, senta à mesa da cozinha e começa a escrever. Ali nascia o grande autor.

photo: jfinatto
 
Eu nunca achei dinheiro na rua. Cada centavinho que ganhei foi muito chorado. Mas coisas misteriosas e boas acontecem na vida de toda gente. Tudo, na verdade, é um mistério.

Basta lembrar que não temos a mais remota ideia de como viemos parar nesse mundo (por que fomos escolhidos?) e menos ainda para onde vamos depois que tudo acabar. Mistério.
 
As flores, por exemplo. São obras de arte que se revelam graciosamente aos olhos do mundo todos os dias, e nada cobram por isso. Dão-se de boa vontade a quem quiser. São. Duram pouco, mas enquanto estão no mundo fazem o seu melhor, que é ser flor. Iluminam a vida.

Olhemos, respiremos, conversemos com as flores em tempos tão difíceis. E, como diz Murakami no título de seu belo livro, ouçamos a canção do vento.
 

__________ 

Ouça a canção do vento & Pinball, 1973. Haruki Murakami. Editora Alfaguara, Rio de Janeiro, 2016. Tradução de Rita Kohl. Trata-se de duas excelentes novelas que marcaram o início da carreira do escritor, pela primeira vez publicadas no Brasil.
 

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A noite passada

Jorge Finatto
 
menino torcedor da Chapecoense. photo: Nelson Almeida/AFP
 
Passei parte da noite lendo poemas, ou pelo menos tentando. Ler poemas, numa hora de tantas crises e tragédias? - perguntará talvez o leitor. Sim, é uma maneira de sobreviver emocionalmente diante do sofrimento que assola o mundo e o Brasil.
 
Por aqui, regredimos a um estado tal de selvageria e velhacaria em alguns setores importantes da vida pública que fica difícil prever melhores dias no futuro próximo. Algo está muito errado em nosso modo de ser, de discernir e enfrentar os fatos. Com a realidade posta, estamos repetindo um passado de obscurantismo e negação do humano.

Estamos revivendo o que há de pior em nossa história: indiferença ao bem comum, individualismo doentio, indigência ética. Triste. Não é catastrofismo: é a duríssima conclusão diante do quadro de descaramento, irresponsabilidade, desmandos e criminalidade de colarinho branco. Só a consciência ativa dos cidadãos de bem e a Justiça podem nos valer.
 
Falta amor social no Brasil. Me refiro àquele afeto mínimo que deve existir entre as pessoas em sociedade, que começa com o respeito ao outro. Por isso certas figuras se sentem tão à vontade de agir como agem, à sombra, à socapa, na calada da noite, no reduto do inferno.

Existem pessoas honestas e preocupadas com o país na esfera pública. Elas não podem permitir que a turma do outro lado deixe o Brasil afundar mais do que já afundou.
 
Os colombianos deram uma demonstração extraordinária de solidariedade ao Brasil na noite de ontem. No Estádio Atanasio Girardot lotado, em Medellín, milhares de pessoas homenagearam as vítimas e abraçaram a dor dos familiares e amigos dos desaparecidos no terrível acidente com o avião que levava a Chapecoense. Era a hora em que deveria estar sendo realizada a primeira partida da final da Copa Sul-Americana entre Atlético Nacional e Chapecoense.
 
Aquelas pessoas pegaram a nossa dor como sua. Abriram os braços e o coração, sem qualquer intenção de marketing, de espetáculo ou de dar lição a quem quer que seja. Emocionante. Inesquecível. Inspirador.
 

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Dor

Jorge Finatto
 
 
Homenagem a todos os que perderam a vida no trágico acidente aéreo de 29/11/2016, na Colômbia, que vitimou atletas e membros da delegação da Chapecoense, jornalistas, técnicos e tripulação. Solidariedade e força aos familiares e amigos dos desaparecidos. Deus está perto.
 
_______ 
 
Escudo em luto da Chape. Fonte: site oficial do clube:
 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A máquina de escrever

Jorge Finatto

photo: jfinatto. Livraria Miragem, S.F.de Paula, RS


A velha
máquina
de escrever
verteu
em ar fresco
o que era
calabouço

amiga
confidente
no duro ofício
de extrair
sentimento
de pedras

_________ 

Poema do livro O Habitante da Bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A tristeza de Porto Alegre

Jorge Finatto

Cais, vista parcial, Porto Alegre. photo: Lorenzo Finatto
 
Eu vou escrever uma coisa triste. Quero falar de Porto Alegre, cidade do meu coração. Do medo que sinto em andar por suas ruas. Da saudade que tenho do tempo em que isto era possível. Do sentimento de isolamento que nos invade com o cerco da violência.

Difícil acreditar que Porto Alegre é, hoje, uma das capitais mais perigosas do país. Pouco saio de casa temendo assaltos, sequestros, tiros, que ocorrem nas calçadas,  nos semáforos, nos estacionamentos de shoppings, em toda parte.

É doloroso não poder caminhar como antes por suas ruas cobertas pelas copas de tantas árvores. E o que dizer de seu rio, de suas praças e parques, do cais, dos barcos e navios, de seu lindo pôr-do-sol, de sua gente acolhedora? Está tudo escondido, hibernando à espera de melhores dias.
 
Segundo dados oficiais, o número de latrocínios (roubos com morte) aumentou este ano, chegando, entre janeiro e junho, a 23 vítimas em Porto Alegre e 89 vítimas no Estado. Mata-se por um celular, um par de tênis, um relógio velho, um carro, um pacote de supermercado, muitas vezes por nada, e sem qualquer reação das vítimas. No mesmo período, os homicídios dolosos saltaram para 351 em Porto Alegre e 1.276 no Estado. Isto sem contar outros crimes.*
 
O Estado não cumpriu a obrigação de construir novas casas prisionais diante do incremento da criminalidade. A superlotação dos presídios impede o atendimento individualizado aos presos, a começar pelo indispensável acompanhamento psiquiátrico. As condições desumanas dos estabelecimentos penais e o despreparo da sociedade em receber o egresso de volta são responsáveis pelo fenômeno da reincidência criminal, que ultrapassa os 70%. Inexiste ressocialização dos apenados.

O que as pessoas não se dão conta, parece, é que tudo de horrível que acontece no interior dos presídios retorna para as ruas.

Nos anos em que atuei na execução criminal, empenhei-me junto com colegas juízes e entidades civis pela humanização dessas casas de mortos (no dizer de Dostoievski). Trabalhamos com projetos de melhoria das condições carcerárias, buscando inserção social através do trabalho, do estudo, de encontros, palestras, livros, bem como pelo envolvimento da comunidade e das famílias dos presos nas atividades de ressocialização. Os resultados foram bons, confirmando que não existe execução criminal que dê frutos sem a participação da comunidade. A Lei de Execução Penal é sábia nesse sentido.

Pois bem, Porto Alegre possui um dos piores estabelecimentos penais do Brasil, se não for o pior, o Presídio Central. É o fundo do poço.
 
Não se chegou a este estado de coisas, portanto, por acaso. São décadas de omissão e indiferença do Estado e da sociedade. Não se combate a criminalidade sem investir, lá atrás, na concretização de direitos elementares como habitação, creches, escolas, saúde, centros comunitários e de convivência, oportunidades de trabalho, etc.

Não, a pobreza não é fábrica de criminosos. A imensa maioria da população não vai para o crime. Mas o que se vive no Brasil é uma situação de indigência social e abandono. O mundo do crime sabe cooptar seus integrantes em todos as classes, inclusive entre as pessoas mais vulneráveis, em situação de alto risco e desespero.
 
Os maus governantes devem estar orgulhosos do trabalho que fizeram, assim como aqueles que se beneficiaram deste iníquo sistema de coisas. E nós, cidadãos, temos nossa parcela de responsabilidade por escolher quem escolhemos. E por cultuarmos ferozmente a filosofia do eu-sozinho, esquecendo-nos do nós.
 
O dinheiro que falta para a realização do bem comum e para uma vida mais digna  está depositado nos bolsos sequiosos e insaciáveis dos corruptos, conforme estampado nos noticiários todos os dias.
 
O colapso de Porto Alegre não é um caso isolado, é só um triste recorte do Brasil. Esta é a herança que estamos recebendo e passando adiante, construída pelas pessoas da minha geração e das que nos antecederam.  Muitos de nós  achavam que a democracia era, por si só, a panaceia para todos os males, quando na verdade é apenas o começo do caminho a ser percorrido, e só Deus sabe a que preço.
 
Estamos atravessando um dos momentos mais agônicos da história brasileira. A falta de ética na vida pública nunca foi tão evidente. Ninguém aguenta mais tamanha desfaçatez. Precisamos urgentemente de mulheres e homens que reinventem o país com base no sentimento de solidariedade social. Um novo tempo de respeito ao próximo e de intolerância a todas as formas de corrupção é a nossa esperança.
 
________
 
*Dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública do RS. Informação atualizada no blog em 3/12/2016.

http://www.ssp.rs.gov.br/?model=conteudo&menu=348

Os números publicados anteriormente a 3/12/16, nesta matéria, continham erro.
 

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O cavaleiro invisível

Jorge Finatto

Dibujo de Miguel de Cervantes inspirado en el retrato que le hizo Juan de Jáuregui
Autor: Hernán Cortés Moreno. Foto: Arantxa Boyero

Fonte: Museo Casa Natal de Cervantes*


UM HOMEM SÓ, caseiro, beirando os cinqüentanos, cansado da vida pequena e vazia na qual nada acontece, resolve ir ao mundo em busca de aventura, justiça e amor.

A vida que vive não é a venturosa vida dos livros, é outra, enfadonha e triste. O melancólico senhor, habitante da região de La Mancha, na Espanha, mergulhou nas histórias de cavalaria, a elas dedicou seu tempo e sua alma, de tal modo que esqueceu o mundo real.

Vendeu até mesmo parte de suas terras, que não eram tantas, para comprar volumes e mais volumes de livros de cavaleiros andantes.

Dom Quixote e Sancho Pança, por Gustave Doré (1832-1883)

O valoroso fidalgo, de modestas posses, alto e seco de carnes, revolta-se: é preciso espelhar o sonho na realidade, plantar uma flor no solo ressequido do cotidiano.

Alonso Quijano vai ao mundo à procura daquilo que mudará o imóvel destino, quer reviver em si as lendas da cavalaria, e tecer outras, delas extraindo glória, reconhecimeno e o amor de sua amada, a não menos inventada Dulcinéia del Toboso.

O que nos diz o Quixote é que a vida real é insuficiente. Falta vida à vidinha.

A figura imortal criada por Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1615)¹ é o resumo da alma humana em suas maravilhas, esperanças, desesperos, contradições e tragédias.

O Cavaleiro da Triste Figura saiu pelas estradas poeirentas e bosques da Espanha para resgatar os oprimidos, dar ânimo aos infelizes, levantar os desvalidos, socorrer os caídos, lutar contra todas as injustiças, e para salvar a si mesmo.
 
Dom Quixote, por Gustave Doré

Montado no magro Rocinante ele vai ao mundo, armado cavaleiro andante, com escudo, espada e lança, tendo por companheiro Sancho Pança, meio louco como o amo, um pouco mais sensato talvez, montado em seu jumento.

Lá vão eles pela solidão dos caminhos.

A vida tal como é não basta. É necessário inventar outra, erguer a aurora do fundo da escuridão. É preciso viver intensamente os dias que passam velozes e irrecuperáveis.

Viver com a urgência de quem se despede. Viver como quem morre.

"Eu, Sancho, nasci para viver morrendo."²

Ninguém no mundo terá jamais autoridade para censurar Dom Alonso pelo desvario e fracasso da louca odisséia. Só os secos de espírito o fariam. O Quixote sonhou e tentou; o seu tentar valeu por tudo.

Não será essa busca o anelo secreto que habita o coração de tantos homens e mulheres na difícil jornada através do mundo hostil e trevoso, sonhando e lutando por uma outra existência, que faça valer a pena ter nascido?

Há talvez um Dom Quixote adormecido e invisível em cada um de nós à espreita da hora da rebeldia.

"Cada qual é artífice de sua ventura"³, ensinou-nos o Quixote. Essa afirmação vale um tratado de filosofia. Vale uma vida.

_________________
¹ Dom Quixote de la Mancha. Miguel de Cervantes Saavedra. Edição ilustrada por Gustave Doré, três volumes. Tradução de Almir de Andrade e Milton Amado. Ediouro Publicações S.A, Rio de Janeiro, 2002.
² idem, terceiro volume, p.307.
³ idem, ibidem, p. 379.
Fonte das ilustrações, exceto Cervantes: Wikipédia.
Texto revisto, originalmente publicado em 14 de julho, 2012.
* Museo Casa Natal de Cervantes:
http://www.museocasanataldecervantes.org/

domingo, 13 de novembro de 2016

O hotelzinho de Rilke e Goethe

Jorge Finatto

Castelo de Muzot. photo: jfinatto
 
Olhai, as árvores são; as casas que habitamos, resistem. Somente nós passamos (...) 
 fragmento da Segunda Elegia. Rainer Maria Rilke ¹

NA CIDADEZINHA DE SIERRE, sul da Suíça, no Cantão  de Valais, hospedei-me num pequeno hotel 3 estrelas. Perto da estação de trem, tem comida caseira regional e bom vinho. O imóvel é do século XVIII e, segundo seus registros, recebeu no passado, como hóspedes, Goethe (1749 - 1832) e Rilke (1875 - 1926), dois grandes da literatura de língua alemã.
 
O Hôtel de la Poste passou por reformas ao longo do tempo, claro. É simples, caprichoso e as pessoas são acolhedoras. Ocupei um quarto no segundo andar, imaginando se Rilke ou Goethe teriam ficado nele alguma vez. Será que escreveram na mesinha junto da janela, atrás da cortina cor-de-rosa?

Enquanto me acomodava, a neve tecia caminhos de úmido algodão lá fora.

Hôtel de la Poste.Sierre.  photo: jfinatto
 
vista do quarto. Sierre. photo: jfinatto

A razão de minha visita à pícola cidade, cercada pelo maciço rochoso coberto de neve dos Alpes, era percorrer os passos de Rilke em seus últimos cinco anos de vida. Em Sierre terminou de escrever as Elegias de Duíno, iniciadas na Itália em 1912. E verteu para o francês parte de seus poemas.
 
Rilke em Muzot. photo: Fundação Rilke²

Entre 1921 e 1926, viveu no castelo de Muzot, emprestado por alguém da aristocracia local. Nele escreveu e recebeu muitas cartas, fez poemas, traduziu, conviveu, amou, planejou viagens, foi feliz e chorou  em silêncio sentado no banco sob a parreira do quintal.

Muzot pouco lembra um castelo, não é grande nem suntuoso. Não se pode entrar no local, pois é propriedade particular. Não sei se possui objetos do poeta, não há informações a respeito. Mas o fantasma de Rilke deve perambular por seus espelhos.  
 
Em Muzot compôs o poema-epitáfio. E mandou construir seu túmulo ao lado da igrejinha que costumava freqüentar, em Rarogne, a cerca de 30 quilômetros de Sierre, engastada na encosta alpina, depois que se descobriu com leucemia, na época incurável.

Aquele lugar tinha para Rilke um sentido místico. Situado sobre uma colina, com ampla visão dos alpes a leste e oeste, a passagem do rio Ródano no meio dos vales, nos remete ao sagrado. Há algo nesta paisagem que não se explica. Uma visão mágica que inspira um forte sentimento de transcendência..

Igreja de Rarogne, ao lado da qual está enterrado Rilke. photo: jfinatto


túmulo de Rilke. Rarogne. photo: jfinatto
 
A cidade mostra interesse pela memória do poeta, a começar pela Fundação Rilke ali existente. Numa livraria, porém, os livreiros mal conheciam seu nome, o que me causou certo espanto. Talvez por ser um devoto da poesia rilkeana esperava mais. Encontrei poucos livros dele na estante, comprei seu poemas franceses.

Já escrevi no blog sobre como descobri seu túmulo solitário e coberto de neve e da emoção que senti ao ler o famoso epitáfio inscrito na rósea e gelada pedra tumular.³

epitáfio do poeta. photo: jfinatto

Rosa, ó pura contradição,
volúpia,
de ser o sono de ninguém
sob tantas
pálpebras. 4

Caminhei ao léu nas ruas solitárias e geladas de Sierre. Admirei da estrada o castelo de Muzot com seu quintal, a parreira e o banco.

Memórias de um poeta que me acompanha desde a adolescência, a quem sempre serei grato pelas lições de vida e poesia em seus livros. Cartas a um jovem poeta é um dos grande livros já produzidos pelo homem em todos os tempos. O poeta genial, humilde e cordial que nunca se cansou de desvelar os mistérios de nossa passagem pelo mundo.

_____________  

¹ Elegias de Duíno. Rainer Maria Rilke. Tradução e comentários de Dora Ferreira da Silva. Edição bilíngüe alemão-português. Editora Globo, São Paulo, 2001.

² Fundação Rilke:
  http://fondationrilke.ch/la-fondation/

³ O epitáfio de Rilke:
 http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2014/12/o-epitafio-de-rilke.html

4 Tradução de Manuel Bandeira, em sua Antologia Poética, Livraria José Olympio Editora, 7ª edição, Rio de Janeiro, 1974.
 

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Memorial da vida breve

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto


O QUE NOS liga à vida
é um fio muito tênue

o tempo de estar
no mundo é breve

traço de luz
sopro divino

a gente nunca sabe
quando a maravilha
vai se apagar

nada nunca está completo
nenhuma vida é suficiente
o transitório é nossa medida

somos a névoa
que passa
e não volta

ave, poema

_________

Poema do livro Memorial da vida breve, Editora Nova Prova, Porto Alegre, 2007.
 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Caminho dos ventos

Jorge Finatto

fotos: jfinatto
 
Gosto de coisas que se movimentam conforme a levada dos ventos. 

QUANDO A GENTE pensa que aprendeu alguma coisa na vida, que já sofreu o seu quinhão neste mundo de Deus, aí vem o imponderável e mostra o contrário. Tudo continua em aberto.

É por isso que eu gosto de flores, cata-ventos, pandorgas, borboletas, palmeiras, livros e gente que não é inflexível.

Estou exausto de tanta dureza e indiferença. Não precisava ser assim. A vida é um dom raro demais pra ser desperdiçado com tanta injustiça, maldade e sofrimento.

Gosto de coisas que se movimentam conforme a levada dos ventos. Construo as próprias asas no galpão de fundo de quintal da minha alma.

Quero mais humanidade, beleza e leveza no voo.
 

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Os mortos, os vivos e as flores

Jorge Finatto

photo: jfinatto, 04/11/2016
 

EM MEMÓRIA dos meus mortos, saí pela estrada à procura de flores. Dizem que os mortos adoram flores. No Dia de Finados, os cemitérios das cidadezinhas mais parecem floriculturas a céu aberto.
 
Alguns acreditam que os falecidos acordam da eternidade só para ver as flores recém depositadas e depois voltam a dormir. Eu de nada duvido nesta vida.
 
Em Nova Petrópolis, passei um pedaço da tarde na Úrsula, uma impressionante casa de flores.

photo: jfinatto, 02/11/2016
  
Admiro em Deus essa capacidade de desenhar e pintar suas obras florais. Inspiradíssimo. E em muitas delas acrescenta, ainda, de lambuja, os mais finos aromas. Encontrei, por exemplo, uma flor com etéreo cheiro de chocolate.
 
Recomendam-se flores principalmente aos vivos, neste jardim cheio de espinhos que é viver. Espantam qualquer tristeza e matam saudades.
 
photo: jfinatto, 02/11/2016

 

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Cais

Jorge Finatto
 
photo: j.finatto
 
 
Tem dias em que saímos
com o corpo nu
para alojá-lo na primeira copa de árvore
e chorar longe dos homens

dias em que os desejos
até os mais secretos
sucumbem apagados
na penumbra

tempo de total privação
da carne e do sonho
tardes em silêncio reveladas
intervalo entre dois mundos

olhamos o céu
no quadrado da janela
esperando ver a face de Deus
procuramos Deus
no íntimo da alma e das coisas
precisamos repousar no colo de Deus
sentir suas mãos nos olhos
para amparar a lágrima quente
que por ali verte

tem dias em que estranhamos
o próprio olhar
que amanheceu mais seco
não reconhecemos a rua
onde tantas vezes inventamos o amor
na sombra dos cinamomos

as melhores viagens
ficaram sonhando no cais
enquanto navios partiam
repletos de homens decididos
em busca de cidades felizes

onde andará o menino
que nos visitava nos dias
em que tudo em volta
parecia desabar?

em que gare deserta
se perdeu o guarda-chuva melancólico
com que meu avô ia à cidade
buscar a porção diária de pão
esperança
e jornal?

tem manhãs em que apesar do sol
não habitamos o claro sentido
de existir
mal percebemos a luz
acalentando o corpo

manhãs em que o carteiro
extravia a carta que irá nos salvar
a notícia tão esperada
que nos revelará
um mundo desconhecido
onde pandorgas falam
e o arco-íris é uma escada
que nos retira do poço

não compreendemos
as mãos cansadas
a boca amarga
com que damos bom-dia aos vizinhos
cumprimentamos os superiores

tem dias em que o isolamento
é tão assombroso
que sentimos tristeza em tudo
principalmente na alegria ingênua
das velhas fotografias
uma dor inevitável
diante dos sonhos da infância

dormimos em quartos de aluguel
projetamos ataúdes de aluguel
as dívidas invadem a porta
os poros

o amanhã ficou torto
na cordilheira dos dias
sem luz

a cidade parou no escuro
sufocou nossos melhores anos
inundou o rio
com seus maus óleos
seu excremento

não merece um verso
sequer uma notícia fugidia
em página de jornal

talvez careça uma bomba
um terremoto
talvez uma flor
povoando o asfalto

estamos um pouco mais tristes
e calados
(um pouso só)

trazemos um gosto de sol
entre os dentes
um resíduo de primavera
na palma da mão
uma promessa de encontro
nos olhos

 __________________

Do livro O Fazedor de Auroras, Jorge A. Finatto, Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.
photo: Cais de Porto Alegre

sábado, 29 de outubro de 2016

O tempo à beira do arroio

Jorge Finatto

velas. photo: jfinatto

 
SESSENTA VELAS ao vento no meu velho barco, sessenta cidades, sessenta despedidas, sessenta portulanos, sessenta astrolábios, sessenta esperas, sessenta remorsos, sessenta naufrágios, sessenta silêncios, sessenta encontros, sessenta novembros no baú do tempo.

Lembro o arroio que passava atrás da casa lá da infância. Corria à margem da horta e do quintal. Entre mim e o arroio, as alfaces, os pintos, os pinheiros e as roupas no varal . Entre mim e o arroio, a cálida intimidade de amigos de infância, o mundo inteiro pela frente.

As águas vinham do interior profundo da terra. Nasciam em algum remanso dentro da mata, limpas, frescas. Vinham alegres, vinham cantando pelos caminhos sinuosos.

Um dia entrei no meu barco de papel e segui com o arroio em direção ao mar. Depois, bem, tudo veio depois. Mas a casa e o arroio ficaram lá, com os seres amados, guardados num lugar secreto do meu coração onde nenhuma tempestade pode entrar.
 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Não me abandones

Jorge Finatto
 a Chet Baker*
 
Chet Baker (1929-1988)

Não me abandones
povoa a noite
com teu suprimento
de afeto

enche o deserto
com teus passos

em segredo
devolve-me
a delicadeza
daqueles dias

me dá outra vez
o diamante
da tua
presença


________

*Do livro O Habitante da Bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998.
Leia também Chet on poetry:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/06/uma-viagem-sentimental.html

sábado, 22 de outubro de 2016

A crônica de Pedro Mexia

Jorge Finatto

 
Algumas dessas crónicas sobre mim não são de facto sobre mim. Se fossem, certamente não interessavam a ninguém (sobretudo não me interessavam a mim). Essas crónicas são também, assim o espero, sobre si, leitor. Meu atento leitor, meu semelhante, meu irmão.
   
Pedro Mexia, trecho da crônica Primeira Pessoa.(grafia de Portugal)*


Ser um bom escritor é muito mais do que uma questão de inteligência, cultura e técnica literária. É preciso antes que haja vida por trás das linhas, uma cabeça e um coração capazes de comover-se com o ser humano no difícil ato de viver. E é preciso ser duro às vezes.

Descobrir um escritor que nos faz reencontrar a ventura do texto é um acontecimento cada vez mais raro, ao menos pra mim. Quando acho um livro assim, os meus dias se enchem de uma espécie particular de alegria, algo que, se não é um pedaço do paraíso, anda perto disso.
 
Nas minhas viagens a Portugal, garimpando em alfarrabistas e livrarias, tenho encontrado autores atuais de grande talento. Não só portugueses como de países outros da comunidade lusófona.  Por uma dessas razões que escapam à compreensão, nossas literaturas estão separadas. Não se conhecem, parece até que falam línguas diferentes. Algo muito além do Atlântico nos divide.
 
O meu primeiro passeio, em qualquer cidade, é a banca de jornal e, depois, o café. Lisboa oferece ótimas estações. Foi assim que conheci dois grandes cronistas portugueses: Manuel António Pina e António Lobo Antunes, autores que escrevem também em outros gêneros. Pina, infelizmente, já morreu. Imensa falta me fazem os textos que escrevia no Jornal de Notícias. Escrevi sobre ambos nesta página elétrica.

Pois um dia desses, lendo um artigo do escritor angolano José Eduardo Agualusa, no jornal O Globo, com o título A literatura pode sobreviver sem crítica?, encontrei referência ao lisboeta Pedro Mexia.
 
Resolvi procurar na livraria, em Porto Alegre, algum título dele. E encontrei justamente o livro de crônicas Queria mais é que chovesse, que marca sua estréia no Brasil, terra de cronistas do porte de Alvaro Moreyra, Rubem Braga, Olavo Bilac, Drummond, Clarice Lispector, Nelson Rodrigues e José Carlos Oliveira, mestres do gênero.

Não imaginava o que me aguardava nessas páginas. Um dos melhores cronistas da atualidade, autor que areja o gênero, conferindo-lhe graça, beleza, ironia, realismo e poesia, colhidos no pátio dos dias. Uma mistura muito bem dosada, e refinada, desses ingredientes povoa seu texto.

Só os incautos podem considerar a crônica um gênero menor ou fácil.

Existem escritores belos e vazios como pavões de feltro. E há aqueles que carregamos no bolso do casaco por onde andamos. Já não podemos passar sem eles. Este é o caso de Pedro Mexia, grata revelação em tempos de tantos pavões de olhar mortiço empoleirados nas estantes.
 
__________ 

*Queria mais é que chovesse. Pedro Mexia. Editora Tinta-da-China Brasil, Rio de Janeiro, 2015.
 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

O Nobel de Bob Dylan

Jorge Finatto
 
Bob Dylan *
 

BOB DYLAN (Robert Allen Zimmerman, 75 anos) é um artista inspirado e inspirador. Alguém que surgiu da obscuridade e construiu um espaço na canção mundial.

Tornou-se um músico original, intérprete criativo, pensador e poeta do nosso tempo. Toca com lirismo e fé aquela gaitinha de boca. Um autêntico menestrel viajando na Via Láctea.
 
Causou estranheza o fato da Academia Sueca ter-lhe concedido, na quinta passada, 13 de outubro, o Prêmio Nobel de Literatura. Normalmente concedido a escritores de livros (em poesia ou prosa), este ano fugiu do padrão. Muita gente vai às livrarias atrás de obras do agraciado com o galardão. Isto dificilmente ocorrerá com o Nobel de 2016, porque o material literário de Dylan é muito escasso e, no Brasil, quase inexistente. O interessado deverá, neste caso, dirigir-se à seção de discos.
 
Um dos livros aqui editados intitula-se Tarântula (Editora Brasiliense, 1986), de prosa poética, e o outro Crônicas - volume 1 (Editora Planeta, 2005), ambos difíceis de encontrar. Não li nenhum. Encontrei a informação de que, em novembro próximo, nos Estados Unidos, será lançado um livro com todas as letras do famoso compositor. Tenho muita vontade de conhecer um livro de pinturas dele sobre o Brasil.
 
O que chama atenção é a mudança de enfoque do prêmio, levando a questionar os limites do que se considera literatura. Será apenas aquela a que estamos acostumados, livresca, impressa ou eletrônica? Letras de música, caso de Dylan, são também literatura? Para a Academia Sueca, parece que sim.
 
Aliás, não há novidade em considerar letras um gênero dentro da literatura, havendo estudos nesse sentido. No Brasil, país de poucos leitores, os textos musicais são uma das principais formas de expressão e comunicação com o público. Através deles, os autores celebram a sensibilidade, a poesia e fazem a leitura da  nossa realidade. Temos poetas extraordinários na canção popular, como Lupicínio, Cartola, Vinicius, Tom, PC Pinheiro, Caetano, Chico, Fernando Brant, Ary Barroso, Caymmi e muitos, muitos mais.
 
Não vejo, portanto, blasfêmia na atribuição do Nobel a Dylan. Ele é, por sua arte, merecendente.
 
Penso, contudo, que o prêmio de literatura deveria ficar com os escritores de ofício, dedicados à produção de obras literárias. Não é exatamente o caso das letras de música. Estas funcionam esteticamente junto com a canção (para isso são feitas). Isoladas, nem sempre atingem um resultado artisticamente válido. O que deveria ser criado é um Prêmio Nobel de Música, contemplando-se, assim, especificamente, os criadores desta arte. 
 
Escritor é uma raça tão solitária, sofrida, esquecida, torturada e difícil de entender que merece, ao menos, ter um Nobel por ano para aliviar um pouco as dores, traumas, recalques, incompreensões e injustiças.
 
___________ 
 
* O crédito será dado assim que conhecido o autor da imagem.