domingo, 30 de agosto de 2015

Visão

Jorge Adelar Finatto
 
photo: jfinatto, 29/8/2015

Eu olho as velas brancas
dos barcos que cruzam
as águas escuras do rio

Sentado no banco do parque
eu observo o indescritível
declínio da tarde
sobre o Guaíba

Aqui embaixo do eucalipto
o sangue escorrendo nas veias
os pés firmes na terra
eu acompanho o lento movimento
das águas e do planeta

Estou condenado ao continente
ao monótono traçado das ruas
à intromissão do tédio e do medo

Mas o rio é um caminho
onde a emoção navega
 
_________
 
Do livro O Fazedor de Auroras, Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Noites do hospital

Jorge Adelar Finatto

photo: jfinatto
 
 
O câncer colocou-o pra  flutuar numa nuvem de morfina.

O corredor pareceu-lhe imenso até a sala de cirurgia. Gente vestida de branco, teto alto, máscaras, álgida luz sobre seu corpo.  Uma vaga claridade entrava pela janela fechada. Um sono longo e induzido. O corte, o sangue, aparelhos. A urgente luta pela sobrevivência.

Tinha passado muitos anos ilhado em gabinetes, mergulhado em processos, decifrando histórias e conflitos, decidindo destinos. Enquanto habitava a ilha, o Guaíba fluía sonoro do outro lado da vidraça.

O rio e seus navios. O rio e seus peixes. O rio e os admiradores do pôr do sol, sentados à margem. O rio e a promessa de viagens nunca feitas.

Os sonhos há muito tinham batido em retirada diante das durezas do mundo real. Quando foi a última vez que teve tempo para si, para a família e amigos? Não lembrava mais.

Pensava nessas coisas nas noites do hospital, deitado na cama, quando a dor dava um folga. Voava na nuvem gris, entre brancos aventais e a parafernália eletrônica pelo corpo.

Depois ficou tudo para depois.

Caminhou muitos dias e noites numa estrada de espessa névoa. Começou a olhar o mundo com outros olhos. Nada valia mais do que estar vivo, vivo simplesmente.

O risco de desaparecer fez com que se voltasse, sem mais demora, para o que havia de mais precioso na Via Láctea: o pequeno planeta dos seus afetos. 
 
Somos um sopro de Deus - pensou - habitantes de um tempo que se esfuma e não nos pertence. Sentia-se por um fio como um astronauta fora da nave-mãe.
 
Lembrou-se dos tempos da infância, das bolinhas de gude, do pião, das pandorgas no infinito azul, dos banhos no córrego, dos encontros de família. Apesar dos problemas, diferenças e brigas, a família ainda era o melhor lugar do universo.
 
Pensou nas coisas que podia ter feito, nos projetos que deixara pra trás, nas noites que podia ter passado, em claro, a olhar o céu estrelado. Agora era como se os anjos estivessem ali, ao redor da cama, invisíveis.

Precisava de uma chance pra refazer laços perdidos, dar abraços, partilhar a vida, agradecer, pedir desculpas.

Precisava sobreviver e chegar ao outro lado daquele rio sem margens.
 
Uma nova chance foi tudo que pediu a Deus. Naquela noite não dormiu até ver o sol clareando a janela do quarto de hospital. Era o primeiro dia da nova vida. Não ia desperdiçar um segundo sequer.
 

sábado, 22 de agosto de 2015

O amor é um invento

Jorge Adelar Finatto

photo: jfinatto
 

Os motivos de ser feliz são simples. Um vaso de flor sobre a mesa, o sorriso de alguém, o quarto em sossego nos fundos da casa.

O som das gotas da chuva sobre um balde no quintal. Os passarinhos livres, cantando  seus fados.

Un recuerdo del corazón...
 
Um dia ele foi feliz sentado num banco de praça, a Praça dos Açorianos, em Porto Alegre, a poucos metros do Guaíba. Ela estava ali junto com ele. Em torno do banco, os galhos de um salgueiro-chorão vinham até o chão, formando uma redoma de fios verdes sobre o casal.
 
As águas do lago passam lentamente sob os arcos da vetusta Ponte de Pedra. Era inverno, tarde de sábado, ele emprestou seu casaco a ela.

Uma nesga azul aparecia entre as nuvens.

Por que, na ampulheta de ser feliz, o tempo escorre feito cachoeira?

Estar com ela, no silêncio verde da redoma de um salgueiro, fazia dele um homem feliz. Perigosamente feliz.
 
A memória daquela tarde ficou nele impregnada. Não como uma ferida. Como celebração. Essa é uma das razões que o fazem pensar, nessas noites longas de inverno, que não passou pela existência em vão.

No fundo do espelho das águas do lago, o casal ficou para sempre guardado. 
 

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

O senhor do tempo e seu labirinto

Jorge Adelar Finatto
 
o crédito da foto será dado quando conhecido o seu autor


De antigo senhor das horas, o meu velho relógio tornou-se vítima do tempo e hoje sofre com longos intervalos de ausência.

É um relógio que me acompanha desde o século passado. É um objeto austero e simples. Não existem outros como ele à venda. É um dos últimos exemplares vivos de sua geração, se não for o último.
 
Registrou com precisão a passagem do tempo durante muitos e muitos anos. Esse mesmo tempo agora volta-se contra ele.
 
O calendário numérico funciona às vezes, e o escrito perdeu-se na bruma das horas. Esquece em que dia da semana estamos, não sabe bem se é segunda, sábado ou domingo, não distingue passado e presente e o futuro simplesmente não existe.

A passagem das horas confunde-lhe o mecanismo e, por vezes, ele pára sem saber o que fazer, como alguém que perdeu a memória, de repente, na esquina de uma cidade estrangeira.
 
Em suma, o relógio que sempre me guiou, na mata sombria dos dias, precisa agora ser guiado. Já não é mais quem era. Mas eu também não sou mais quem fui e nem por isso vou me atirar no lixo.
 
Não tenho coragem de separar-me dele. Jamais o faria e me recuso a falar sequer no assunto. Contudo, sem que ele soubesse, tive outros relógios, mais funcionais e modernos. Nenhum, porém, conseguiu substituí-lo no meu afeto. 
 
Toda vez que abria a gaveta, encontrava-o calado, sem nada reclamar, olhando as paredes internas do cubículo de madeira. Ao perceber minha presença, olhava-me nos olhos como quem se coloca à disposição para o trabalho e a luta. Um companheiro valente e digno.

Resgatei-o do labirinto em que foi viver.
 
Se ele é hoje apenas a lembrança do relógio que foi um dia, por outro lado não posso negar-lhe reconhecimento pelos serviços prestados. Além disso, atravessamos momentos difíceis juntos, vivemos muitas situações complicadas e dolorosas nessa vida, coisas que atormentam o pensamento e queimam o coração. E, às vezes, fomos felizes também.
  
Carregar o tempo nas entranhas, sem medo, como ele sempre fez, segundo a segundo, ano após ano, de forma incansável, num giro interminável e monótono, é ofício dos piores.
 
Mandei-o à oficina algumas vezes, mas não resolveu o problema. Decidi poupá-lo das internações inúteis no hospital dos relógios, pois observei que esse tipo de ambiente o magoa, pelo ar de tristeza com que retorna a casa.
 
Não sou mais escravo do tempo. Eu faço o que quero do meu tempo. (Por favor, raro leitor, não se iluda: essa disponibilidade é tão sedutora quanto terrível.) 
 
Trago o velho relógio no pulso outra vez. Faço-lhe ajustes manuais com esmero e delicadeza. Quando é necessário, em razão de compromissos e viagens longas, levo um outro, no bolso ou na mala, sem que ele perceba. E assim tocamos a nossa vida.
  
________
Texto revisto, publicado antes em 21 de abril, 2013.
 

domingo, 16 de agosto de 2015

Aprendendo com pássaros

Jorge Adelar Finatto

photo: jfinatto

 
Passei a tarde observando os pássaros. Eles aparecem na varanda do escritório, onde vêm comer as frutas que lhes sirvo todos os dias. Têm um especial apetite por bananas maduras, embora um mamão lhes caia muito bem ao paladar.

Voam desde as árvores e pegam o naco de fruta com o bico. Alguns comem ali mesmo, mas a maioria prefere levar pra casa. Muitos têm família e filhotes pra sustentar. A luta de sempre.
 
Uns agradecem o alimento fazendo um belo concerto a céu aberto.
 
Assim levamos nossa amizade. Às vezes, quando me canso de ser gente, viro pássaro. Fecho os olhos na escrivaninha e me lanço, abrindo as invisíveis asas. Misturo-me então a eles, fazendo parte dessa bela família.

Aprendo com os pássaros a renovar a fé na vida. Viver vale o voo. Viver vale o canto. Passeio entre as árvores e flores, respiro o azul do céu, descanso sobre velhos muros de pedra. Não quero saber de notícias. Como faz bem à alma e à saúde ignorar as notícias do mundo, os passarinhos me ensinam.
 
Nunca vi um pássaro roubar, nem mentir, nem matar, nem humilhar, nem falar mal dos outros.
 
As pessoas são boas por natureza, mas, por via das dúvidas, é sempre bom lembrar que ninguém é decente e digno por acaso. Por decente e digno entendo, antes de qualquer coisa, cultivar limites e não avançar feito fera sobre o semelhante.

Precisamos aprender com os passarinhos.

Tem de haver esforço, respeito, paciência, superação todos os dias. Senão, bem, o resultado é isto que vemos no Brasil.

Com a imagem, procuro o olhar do primeiro homem na aurora primitiva. A visão de um pássaro recém saído do ninho.

Sentir o mundo como da primeira vez.
 

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Fanicos e farfalhas

Jorge Adelar Finatto
 
photo de joaninha: Wikipédia. Autor: Jon Sullivan (PD-PDphoto.org]

Quem viu alguma vez uma joaninha caminhando na página de um livro ou sobre uma folha verde sabe do que estou falando. É talvez o acontecimento mais importante do universo. 

Nenhuma literatura, nenhum cinema, nenhuma filosofia do mundo valem os passos da joaninha. Só que pouca gente percebe o engenho e a arte por trás da construção da frágil joaninha. 

Existem muitos outros assuntos importantes para se tratar, está bem. Um escritor-fotógrafo amador a sério não devia ignorar isso. Tudo bem. O fato, contudo, é que me encanto com os farelos do mundo, com a coisa pouca ou nenhuma que somos. Como um raio de sol na parede ou caído dentro de um copo dágua sobre a mesa. 

As coisas pequenas me atraem, me cativam, me elevam. As outras me enfadam, quando não revoltam. Encontro beleza e claridade nos fanicos da existência. Tudo que é breve e pequeno se parece com ser humano e com estar vivo e ser transitório, e isso me interessa sobretudo.

Os verdadeiros e últimos sentidos habitam muito além das aparências, é assim que eu vejo. E o que eu mais enxergo, quando penso profundamente na vida, é a pequenina joaninha.
 

O mundo silencioso das migalhas me é, por isso, muito caro e diz muito mais sobre o que nós somos - ou o que sou eu, ao menos - do que um tratado ontológico. Quando se perde a capacidade de expressar o que sentimos, é como se perdêssemos a vida. Deus nos livre e guarde. 

Na arte, ao menos, podemos voar, sonhar um pouco, levitar acima dos mausoléus e crematórios existenciais. Mas sei também que ninguém pode viver entre nuvens.
Deve haver um caminho de passagem entre as farfalhas da vida e a copa das estrelas; entre a imensidão da Via Láctea e os passos humildes e comoventes da joaninha.
____________________

Texto revisto, publicado antes em 25/11/2012.

domingo, 9 de agosto de 2015

A sombra da esfinge

Jorge Adelar Finatto
 
photo: jfinatto
 

Como ele nunca teve pai para amar, sempre lhe pareceu que a coisa mais em falta no mundo não é dinheiro, nem ouro, nem diamante, nem qualquer outra coisa, mas um abraço de pai.

Quando menino, era difícil explicar aquela ausência para os outros de sua idade. Na rua e na escola, as pessoas faziam perguntas, cara de admiração. Não ter pai era mesmo que não ter um braço ou uma perna.

A sombra da esfinge o perseguiu pela vida. No dia dos pais, aniversários, natais, páscoas, reuniões da escola, fins de semana, noites e dias sem fim. A falta projetou-se nos seus sonhos e pesadelos.

Um dia descobriu, admirado, que muitas outras casas não tinham também a figura ausente. Só que muita gente escondia isso. Estranho: escondiam um ser que na realidade não existia. Ocultavam o mito. Alguns possuíam apenas uma deprimente figura paterna, que mais atrapalha que ajuda.

Os sem pai já não eram exceção. Talvez fossem até maioria.

Ficou nele a idéia de que as mulheres, e não os homens, fazem o mundo funcionar. São pais e mães de seus filhos.

Na verdade não chegava a ser um consolo, mas a consciência de uma espécie de mutilação social. Sim, falta o pai afetivo em grande parte das famílias brasileiras. Às vezes, ele existe, mas é como se não existisse.

Por essas e por outras, uma parte da humanidade é toda seqüelada, ele pensava enquanto caminhava com o filho pela mão, na praça do bairro, na tarde de domingo.
 
Pra ele, agora, todo dia é dia dos pais.
 
___________
 
Texto revisto, publicado em 16 de maio, 2013. 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Aquário

Jorge Adelar Finatto

photo: jfinatto


No teu rosto
habitam peixes
de todas as cores

às vezes um sonho cruza
as tuas pestanas

mas é só um reflexo
foges rápido pro outro lado

__________

Poema do livro Viveiro. Jorge A. Finatto. Edições Sanguinovo, São Paulo, 1981.

domingo, 2 de agosto de 2015

Viver no Bom Fim

Jorge Adelar Finatto

Amantes sobre a cidade (Vitebsk), 1918. Marc Chagall.
 
Só é meu
O país que trago dentro da alma.
Entro nele sem passaporte
Como em minha casa.
Ele vê a minha tristeza
E a minha solidão.
Me acalanta.
                           Marc Chagall*

Um dia eu vou viver no Bom Fim. Deixarei tudo pra trás e vou viver a vida real dos filmes, músicas, livros, pinturas, histórias e memórias do velho bairro porto-alegrense.

O fim do mundo está batendo na porta todos os dias, proclamam os jornais. Está mais do que na hora de voar feliz outra vez sobre aqueles telhados, como fazia na adolescência, à semelhança dos amantes e violinistas dos quadros de Chagall.

No sábado passado, quando o céu veio abaixo, percebi que era o certo a fazer. O fim do mundo era uma questão de horas. Tomei o banho de chuva enquanto visitava sebos atrás de um livro.

Choveu tanto que lá pelas tantas comecei a retirar peixinhos que nadavam nos bolsos do meu casaco. Soltei-os na correnteza junto à calçada entre os barcos de papel que navegavam velozmente.

Vi pessoas andando e conversando sob os guarda-chuvas. Vi aqueles pequenos edifícios através das lentes ensopadas, uns grudados nos outros, parecendo jogos de armar de tijolinhos de madeira.

Em meio ao dilúvio que caía, tomei a decisão de ir viver nos cafés, livrarias, teatros, bares, fruteiras, esquinas e cinemas do Bom Fim (se é que ainda existem cinemas de rua no bairro, como os extintos Baltimore e o Bristol).

Levarei os dias a olhar as altas palmeiras da Oswaldo Aranha. Nas noites de inverno, quando a solidão bate mais fundo, sairei a caminhar com os camaradas pelas ruas do bairro.

Como no tempo da Esquina Maldita, da qual fui frequentador eventual, entre 1976 e 1980. Nenhum outro lugar da cidade tinha aquele clima de resistência à ditadura e à desesperança.

Assim era a Esquina: meio Sartre, meio Castor, meio Fernando Ribeiro, meio Scola, meio Caio Fernando Abreu, meio Cantos de Maldoror. Bar Alaska, Isaac, Revolução Cubana, rodas de violão, conversas, namoros. Meio fim de noite, meio começo de alguma coisa. 

Nos telhados das poucas casas que restam, talvez se possam ouvir ainda os violinistas. Casais talvez flutuem da mãos dadas pelo espaço. Personagens saídos das pinturas de Chagall habitavam os ares do Bom Fim.
 
Uma carroça carregada de flores costumava estacionar, nas noites de julho, na esquina das ruas Fernandes Vieira e Vasco da Gama. O florista - um velho judeu remanescente dos judeus que fundaram o bairro - alimentava o cavalo tirando capim de um saco. Depois saía a distribuir cestos de flores na porta das casas e no portão dos edifícios.

Antes de amanhecer, ele subia na carroça e sumia na névoa. Só se ouvia o tóc-tóc das patas do cavalo sobre as pedras em direção ao Parque da Redenção. Por causa dele uma suave fragrância se espalhava pelas ruas.

Um dia vou viver no Bom Fim. É lá que habitam, nos cinemas, bibliotecas, sótãos e calçadas, amigos espirituais como Carlitos, Ingmar Bergman, Kafka, Chagall, Samuel Rawet, Scholem Aleikhem, Fellini e muitos outros, que nos ajudam a não desistir diante do temporal.
____________

Um poema de Chagall (fragmento). Tradução de Manuel Bandeira. Antologia poética, 7ª ed., Livraria José Olympio Editora, Rio de Janeiro, 1974.