sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Escritores fantasmas reúnem-se em Passo dos Ausentes

Jorge Adelar Finatto
 

photo: j.finatto


Uma tapera solitária, à beira da ruína, será o local de reuniões do Congresso dos Escritores Fantasmas de Língua Portuguesa, a realizar-se nos primeiros dias do outono em Passo dos Ausentes.

O evento é uma das principais atrações culturais dos Campos de Cima do Esquecimento, ao lado do festival Música do Fim do Mundo, que acontece em junho, e do Teatro Kabuki na Névoa, em novembro. A sessão de abertura ocorrerá no dia 22 de março próximo.

O fantasma de Álvaro de Campos está entre nós e falará na abertura do encontro. Foi o que declarou ontem Heitor dos Crepúsculos, poeta suicida, assombração-mor da cidade, organizador do conclave. Disse, ainda, que o bardo português é o anfitrião designado este ano para o congresso. Também já chegaram os fantasmas de Oscar Wilde, Rainer Maria Rilke, Bashô, Heitor Saldanha e Henrique do Valle, convidados especiais que serão homenageados nesta edição.

Estão todos hospedados na pensão Ao Viajante Solitário, com ampla vista para o Vale do Olhar. O atual administrador do estabelecimento, António Alto da Noite, afirma que os literatos fantasmas não são maus hóspedes:

- Não comem nem bebem nada. Não usam o banheiro nem tomam banho. Em geral fazem silêncio. Às vezes arrastam móveis, principalmente nos dias de chuva (neste lugar chove pelo menos uma vez ao dia). Materializam-se a qualquer momento, mas não costumam demorar.

- É gente do sossego, leitura. São sentimentais, são estranhos. Mas cada um no seu cada qual. No café da manhã, sentam-se calados ao redor da mesa, olhando um ponto invisível à frente. De repente, desaparecem. É o jeito deles.
 
fachada da pensão Ao Viajante Solitário.
photo: j. finatto

A solidão da escrita será um dos temas do encontro, que terá ainda a leitura de textos pelos próprios autores na biblioteca da cidade, programa aberto ao público.

Mocita de La Vega, diretora da biblioteca e única funcionária, organiza o Salão dos Passos Perdidos para receber os poetas, escritores e convidados. Está tirando o pó dos móveis e livros e organiza o fichário, um tanto abandonado nos últimos 30 anos devido à falta de leitores (a população reduziu-se pela metade, a juventude não fica mais aqui). A diáspora dos ausentes.

Revelou a bela bibliófila que, ao passar o espanador numa mesa, ficou surpresa ao ver o fantasma do poeta Rilke sentado na poltrona diante da janela dos vitrais roxos. Vestia casaco e calça de lã cinza-escuros e uma gravata lilás sobre a camisa branca.

Ao ser descoberto, o poeta de Praga descruzou as pernas, esboçou um meio-sorriso e, levantando-se, convidou-a pra dançar. O vate das Elegias de Duíno segredou-lhe coisas à concha do ouvido.

- Um perfeito sedutor na palavra escrita como na falada, disse Mocita.

E saíram os dois a rodopiar entre as estantes, sob os lustres de cristal, bailarinos de um tempo fora do tempo, ao som de uma inaudível melodia sentimental de Amadeus Mozart.

Heitor dos Crepúsculos, acolhedor-geral do encontro, é a alegria em pessoa nos últimos dias, voa de um lado para outro, toma mil providências, fazendo esvoaçar sua echarpe cor-de-rosa. Materializa-se e desmaterializa-se com grande animação em toda parte, deixando no ar um pó branco cintilante.

Quando menos se espera, Dos Crepúsculos aparece sobre a copa de uma árvore estendendo um tecido de seda. Outras vezes, espalha bandeirinhas coloridas nos portais das casas ou desfia novelos amarelos de lã em torno dos bancos da Praça da Ausência.

Todos notamos um certo exibicionismo da parte de Heitor, mas afinal é o momento dele. E fantasmas são, por natureza, exibidos, do contrário não seriam fantasmas.

Passo dos Ausentes engalana-se para receber os voláteis escrevinhadores. Até jornalistas do Japão estão chegando para acompanhar o fantasmagórico congresso.

Desde que a cidade foi fundada por alguns padres jesuítas e famílias de índios guaranis sobreviventes do massacre de São Miguel das Missões, em 1756, não se via tanto entusiasmo por estas bandas.

O blogue acompanhará de perto o encontro, que já tem confirmadas as palestras de Machado de Assis, Lima Barreto e Eugénio de Castro. A programação completa bem como o nome dos participantes serão divulgados nos dias vindouros.

Um painel que promete, segundo alguns comentam, é aquele sobre os escritores mortos-vivos, isto é, os que estão vivos mas não têm leitores. Cerca de 1.200 mortos-vivos já se inscreveram para este dia. A este respeito, assim se manifestou Heitor dos Crepúsculos:

- A parte do esquecimento que nos cabe, nesse mundo de ruidosas vaidades e egos exacerbados - o velho mundinho da literatura -, é pequena se comparada à dos escritores mortos-vivos. Nós, pelo menos, não temos contas pra pagar nem espelho em casa.
Texto revisto, publicado em 04 de março, 2013.
 

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

As últimas cores

Jorge Adelar Finatto 
 
photo: j.finatto, 24.01.2014
 

No itinerário que faço durante a caminhada polifônica, há sempre uma claridade que me faz parar na beira do caminho. É uma hortênsia que reúne na sua floração diversas cores e texturas. Há anos que a observo durante os meses de verão.

Paro para olhá-la de perto e sempre a fotografo, impressionado com sua exuberância. Como quem quisesse proteger contra o esquecimento imagem tão bela.

Não conheço outra hortênsia com tal diversidade e luminosidade.
 
A sua pintura se compõe e decompõe em inumeráveis tons, dos quentes aos frios, ao longo do período que começa lá por novembro e vem até finais de fevereiro. Sempre variando nas tintas.

Não resisti e fotografei-a mais uma vez em busca dessas que são, provavelmente, as últimas composições de sua mágica paleta. Essas photos testemunham as cores finais que ela emite nesse verão.

photo: j.finatto, 24.01.2014

Em breve ficarei sem essa beleza na beira do caminho. 
 
Mesmo agora, no momento em que se despede para hibernar por muitos meses (tempo no qual vai fabricar novas tintas), a hortênsia não priva o caminhante dos seus derradeiros instantes de beleza. Faz ainda o seu melhor. Um exemplo para nós.

A hortênsia, no seu encanto humilde e sereno, é só visão e dádiva.

photo: j.finatto, 24.01.2014
 
 

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

A biblioteca é um refúgio

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto, 23.01.2014

 
A biblioteca é um bosque onde me refugio quando a barra da realidade pesa. Isto acontece quase todos os dias do ano. Por essa razão é um lugar que estimo tanto. Tenho uma relação de afeto com meus livros.
 
A minha não é, contudo, uma biblioteca de bibliófilo. Embora eu faça parte de uma confraria de bibliófilos (que edita preciosidades literárias, quatro obras por ano), a minha biblioteca é uma oficina de trabalho, não é um relicário e menos ainda um santuário.
 
Os livros são feitos por mãos humanas e por isso são imperfeitos e belos. Nada mais artificial do que estabelecer com eles alguma solenidade. A única solenidade que os livros reclamam é a leitura.

Não trato os volumes por vossa excelência, mas por tu, como deve acontecer entre amigos.
 
Escrevo e sublinho nas páginas sem nenhuma culpa. E é possível encontrar exemplares em mais de uma peça da casa por onde estive ao longo do dia ou da noite.
 
Cada um tem um jeito de ficar sozinho. O meu é com um livro na mão.
 
Passei o domingo de chuva na biblioteca. Arrumei os livros que trouxe da viagem. Uma mala pesada com obras não editadas no Brasil. Referi os nomes de alguns dos autores aqui esses dias.
 
Não é tarefa fácil acomodar novos livros entre os antigos. Tive que dar uma boa mexida nas estantes. Novos personagens e escritores se incorporaram ao pequeno acervo, trazendo sua cálida existência e sua claridade.

photo: j.finatto, 23.01.2014

 
Tenho uma ligação emocional com meus livros. Não vou dizer que não tenho um forte sentimento de posse em relação a eles. De modo que não fico exatamente tranqüilo quando me levam uma obra por empréstimo. Dependendo do livro, fico mesmo com o coração na mão. Mas recebo poucos pedidos.
 
De tempos em tempos faço uma revisão e avalio quais são os livros imprescindíveis. Isto é, aqueles que levarei para a ilha deserta quando, desiludido da vida, partir para lá um dia. Os que não se enquadram nessa categoria costumo dar.
 
É uma maneira de fazer a literatura circular, além de não afundar a casa em livros. Um livro que para mim não é tão interessante, para outra pessoa pode ser uma dádiva espiritual.
 
De resto, não me iludo com a posse de qualquer coisa nessa vida. Não somos donos de nada. Temos apenas a posse precária e transitória de algumas coisas materiais. Dia mais, dia menos, trocam de mãos.

Só nos pertence aquilo que levamos dentro da alma.*
 
Enquanto arrumava as estantes, nos intervalos li História do sábio fechado na sua biblioteca, de Manuel António Pina (Assírio & Alvim, Lisboa, março de 2009). Um pequeno livro de 60 páginas, ricamente ilustrado por Ilda David, que conserva ainda um gostoso cheiro de tinta. Trata-se de uma bonita história que lembra uma fábula na maneira de contar.
 
Com o talento que Deus lhe deu (por certo teve que trabalhar muito para trazê-lo à luz**), Pina escreve coisas assim no seu livro:
 
Como sabia todas as coisas (o sábio) e não tinha nada de novo para saber e conhecer, a sua vida era muito triste e desinteressante. Era uma vida sem espanto, onde nada de novo e surpreendente acontecia e todos os dias eram iguais a todos os dias. Mesmo coisas tão estranhas e misteriosas, como, por exemplo, os cortinados do quarto agitando-se, à noite, ou os móveis rangendo como se falassem uns com os outros, não tinham para ele qualquer mistério. (p. 10) 
 
Este livro já faz parte da relação dos imprescindíveis.

____________

*A respeito de possessões imateriais, vale a pena ler Um poema de Chagall, em tradução de Manuel Bandeira, em sua Antologia Poética, Livaria José Olympio Editora,  sétima edição, Rio de Janeiro, 1974. "Só é meu o país que trago dentro da alma."
**Eugénio de Andrade:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/06/eugenio-de-andrade.html
 

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Abacaxi-Rei, soberano dos ananases, valei-nos na hora má

Jorge Adelar Finatto

Abacaxi, fonte: Wikipédia
 

Valei-nos, Abacaxi-Rei, soberano dos ananases, do alto de tua coroa espetada! A ti, em última instância, recorremos com a voz rouca dos ensaios das escolas de samba!

A filosófica, incontornável, irrespondível, inalcançável, esconsa, sempiterna, refolhuda e urgente questão é uma só, raro leitor: quem, afinal, vai descascar o abacaxi?

O Brasil é uma imensa plantação de abacaxis.

Não existem respostas prontas, sequer tentadas, para pergunta tamanha no seio (sentido poético) de nossa civilização abacaxizal.

Ninguéns ou nenhuns, na verdade, estão dispostos a enveredar atrás da superior resposta a tão alta indagação.

Os donos do tabuleiro viram as costas ao problema e dizem que isto é tarefa para as próximas 235 gerações de brasileirinhos. O negócio é aproveitar ao máximo, dizem eles, enquanto se pode.

Essa gente safa veio ao mundo para ser príncipes em Pindorama. De tanta nobreza o país está cheio pelas bordas. Estão caindo as tampas do cozido.

Damas, torres, bispos, peões, reis e cavalos estão tomados por este espírito de porco. Uns contra os outros e todos contra o povo.

E vai que vai, porque o verão e o carnaval vem aí. Sambalelê, ziriguidum e bola na rede (do povo). O resto se vê mais tarde.

Quem vai embraçar a bromeliácea?
 
Quem terá a fineza de tirar-lhe a injusta e áspera casca para que possamos todos, após o generoso gesto, degustar a doce infrutescência à mesa solidária e comum?

Enquanto não aparece a alma gentil pra fazer o serviço, ficamos todos a admirar a fruteira sobre a mesa com o hermético fruto dentro. Como um bebê no berço esplêndido.

De novo e sempre a indigesta pergunta: quem vai empalmar o rude ananás e desvelar-lhe a dolce polpa?

Valei-nos, Abacaxi-Rei!

Não nos deixeis à mercê do canto solerte e fatal de polpudas sereias, pois não passamos de indefesas criaturas nessas praias da ilusão.

Mostrai-nos, augusto Ananás, o caminho da obscura e inefável doçura por trás da cascadura realidade que nos fecha ao paladar da esperança e da alegria. 
 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Evocação de Rilke

Jorge Adelar Finatto
 
 
photo: j.finatto, 27.01.2014. Rarogne, Suíça


Quem tomará a minha mão
na noite de vermes
quando o asco me derruba
feito cão pela esquina

quem de coração amigo
chegará para beber a gota
de ternura estrangulada

quem me chamará de irmão
na dor imensa
quando o medo me acerta
com suas espadas de fogo


________________

Poema do livro Claridade, Jorge A. Finatto. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1983.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Viver com medo

Jorge Adelar Finatto
 
photo: j.finatto


Um empresário português do ramo de restaurantes contou-me, em Lisboa, que viveu durante 20 anos no Brasil. Chegou ao Rio de Janeiro com apenas um dólar, ficou pouco tempo em casa de parentes e em seguida começou a trabalhar no setor de panificação, num bairro carioca da zona sul. Trabalhou duro, acabou construindo sua própria empresa. Progrediu, constituiu família, sentia-se feliz.
 
Um dia bandidos entraram no seu estabelecimento, encostaram o revólver na sua cabeça, ameaçaram matá-lo e levaram todo o dinheiro. Disseram-lhe para não fazer alarde do roubo, pois conheciam bem a ele, a mulher e os filhos. Coisas piores poderiam acontecer.

Naquele dia tomou a decisão de ir embora do Brasil. Disse-me que não poderia viver com medo. Hoje é proprietário de um bom restaurante na Praça do Comércio, à beira do Tejo, que freqüento quando estou em Lisboa.
 
- Não existe coisa mais terrível do que viver com medo. Jamais poderia me adaptar a uma situação como essa. Preferi deixar tudo para trás, recomeçar do zero.
 
Entendo o que ele sentiu. Nas grandes cidades brasileiras, e mesmo nas médias, vive-se com medo. A violência está fora de controle. Latrocínios, assassinatos, roubos, furtos, estelionatos, tráfico de drogas, maus-tratos, etc., acontecem a todo momento. Pra não falar da criminalidade no trânsito com grande número de vítimas fatais e mutilados.*
 
Vivemos com medo no Brasil. Experimente sair à noite pelas ruas de Porto Alegre e ficará surpreso ao ver que pouca gente ocupa os espaços públicos, como parques, praças, calçadas, passeios (falamos de uma cidade com 1 milhão e 400 mil habitantes). Motivo: medo do bandido, do assalto, do tiro, do estupro, de ser mais uma vítima. Falei à noite, mas de dia a preocupação com a violência também é constante.

O que faz com que os criminosos ajam com tanta desenvoltura? Eles contam com a impunidade, sabem que têm muitas chances de que nada lhes aconteça. O índice de responsabilização penal é muito baixo entre nós.
 
As autoridades policiais trabalham no limite de suas forças, com muito pouca estrutura, pouco pessoal, pouco investimento. Os criminosos contam com  isso. As investigações recaem sobre os delitos mais graves. Daí que muitas pessoas simplesmente não registram as violências que sofrem, porque sabem que dificilmente serão apuradas. Há desta forma um buraco na estatística da criminalidade.
 
Os magistrados que atuam na área penal convivem com a absurda situação dos estabelecimentos penais superlotados, que não oferecem condições mínimas de encarceramento e ressocialização. Porto Alegre tem hoje o maior e pior presídio do Brasil, o Central, com mais de 4 mil presos onde caberiam no máximo 2 mil.

As péssimas condições já foram denunciadas à Corte Interamericana de Direitos Humanos, tribunal da Organização dos Estados Americanos, que está cobrando ações práticas das autoridades. Encarceramento em condições sub-humanas só gera mais violência, mais crimes e mais desumanização.
 
Os governantes conhecem os problemas. No entanto, o que fazem para alterar este cenário - quando fazem - é muito pouco. A realidade não muda, pelo contrário, se reproduz.

Teremos neste ano a Copa do Mundo de Futebol e o ambiente é este. Estão havendo gastos públicos exorbitantes para este evento que é um luxo que o Brasil não poderia se dar. E logo depois, em 2016, vêm os Jogos Olímpicos, outra aventura que vai custar muito caro.

Enquanto isso faltam recursos para obras essenciais em serviços de saúde, segurança, educação, transportes, moradia, infraestrutura e por aí vai. 
 
É necessário lucidez e um grande esforço para transformar esse triste panorama. E tudo começa na cabeça e no sentimento das pessoas.

Padecemos no paraíso, raro leitor. Num estado e num país de imensas possibilidades humanas e naturais. Mas precisamos estar à altura desse patrimônio. 

______________

*Dados oficiais divulgados pelo Governo do Estado na terça-feira, 18/02, revelam que em 2013 morreram nas estradas e ruas do Rio Grande do Sul 1984 pessoas, contra 2091 mortes em 2012.
 

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A viagem na viagem

Jorge Adelar Finatto
 
cegonha saindo do ninho. Salamanca, Espanha. photo: j.finatto

Quando o caderno de viagem está completo e não há mais espaço para escrever uma só palavra, é sinal de que a travessia está no fim. É hora de voltar. Cumpriu-se o tempo de vôo e de paisagens vistas da janela.
 
As mais de três mil photos enchem o computador. As duas malas estão cheias de livros. Um mês passou voando. Meu prazo de validade para quartos de hotel, estações de trem, aeroportos, check-in, check-out, táxis, chegou ao limite.
 
É preciso, como a ave, ao ninho regressar. E de lá continuar a viagem.
 
Para mim Portugal é sempre porta de entrada e de saída da Europa (sim, o velho e combalido continente que a senhora Angela Dorothea Merkel, no melhor e no pior estilo germânico de ser, conduz com mãos e garras de aço).

Cada vez mais vivo esta verdade clara como o sol, que Fernando nos revelou no seu Livro do Desassossego: a nossa pátria é a língua portuguesa.
 
Quiseram os fados que o único país da América a falar português fosse o Brasil. Somos um estranho país americano. Poderia ter sido o espanhol, o holandês, o francês, o inglês. Mas não.

A árvore plural, colorida, cheia de referências culturais e étnicas que é o Brasil, escolheu a língua de Camões para ser.
 
Operou-se entre nós o milagre da unificação do imenso território em torno de uma única língua, essa que nos lambe desde o berço: o português.
 
Desde o mais remoto povoado amazônico até a rua mais erma da pequena cidade do Chuí, no extremo sul do Rio Grande do Sul, entrando no Uruguai, temos o mesmo idioma.
 
A árvore não pára de botar ramos, folhas, flores, frutos e espinhos. País formado por índios, colonizadores e imigrantes, muitos guardam ainda a memória de outras línguas, outros falares. Mas o português é a pátria de todos.
 
O Brasil continente pensa, sente, escuta, fala, lê e escreve português desde 1500. 200 milhões de almas nas pegadas do Padre Vieira e de Guimarães Rosa.

O que nos falta talvez é dar as mãos aos países lusófonos - todos darem-se as mãos - para juntos alcançarmos uma projeção econômica e cultural única no mundo. Naturalmente, sem essa bobagem de acordo ortográfico, que mais nos separa do que nos aproxima.

Deus nos livre da síndrome da mesquinharia, da inveja, do ciúme e da vileza cultural entre nossos países, e do abismo do grande umbigo, buraco negro das augustas vaidades que corrompem a nossa "mátria" comum.

Ando mesmo com saudade de ouvir Baden Powell tocando seu violão, dedilhando maravilhas como Pastorinhas, Inquietação, Molambo, Dora e todo o resto.¹  Ando mesmo precisado de caminhar pelas ruas escondidas de Passo dos Ausentes.
 
É hora de voltar, raro leitor. E começar outra viagem. A viagem na viagem.

A hora do antropófago, da deglutição de tudo o que foi visto, percebido, sentido. Tempo da intuição, da elaboração, da criação.

O eterno retorno ao pajé Oswald de Andrade.² 
_____________

¹Disco Lembranças, ano 2000.
²Manifesto Antropófago, 1928. 

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Livros perdidos e achados

Jorge Adelar Finatto
 
photo: Eugénio de Castro


Fiz uma relação de livros de escritores portugueses antes de sair do Brasil. São obras que não encontro na Terra de Vera Cruz.  Achei quase todos, com duas exceções. Lisboa, livro de bordo (crônicas, 1997), de José Cardoso Pires (1925-1998), e Constança (poesia, 1900), de Eugénio de Castro (1869-1944).
 
Percorri cerca de 20 livrarias e alfarrabistas, entre o Porto e Lisboa, e nada. Na terça passada encerrei a busca visitando velhos alfarrabistas do Bairro Alto. A resposta foi a mesma: não existem mais.
 
Esses livros não podem faltar na livrarias.

photo: José Cardoso Pires

A Lisboa de Cardoso Pires é a cidade vista a partir da alma do grande escritor, capaz de traçar notáveis sínteses em poucas linhas com seu olhar penetrante e sensível.
 
Constança foi uma indicação de Don Miguel de Unamuno quando li, ainda em Salamanca, o seu Por tierras de Portugal y de España.* Diz o genial e valoroso filósofo espanhol:
 
Portugal parece a pátria dos amores tristes e dos grandes naufrágios.
 
(...) nenhuma obra (de Eugénio de Castro), a meu entender, e sobretudo a meu sentir, sobrepuja Constança, publicada em 1900. Constança é sua obra mais profundamente portuguesa, aquela em que sua alma conseguiu vibrar mais em uníssono com a alma de seu povo. É como se sua mão ao escrevê-la se houvesse convertido na arpa eólica de seu povo, vibrando ao sopro da alma deste. A lírica de Constança é a mais alta e mais nobre lírica, aquela que, sendo profundamente coletiva, é, por isso mesmo, profundamente pessoal.
 
Constança foi a mulher do infante D. Pedro, aquele da infeliz Inês de Castro, cujos trágicos amores imortalizou Camões.

Vindas de Don Miguel, imaginem o significado destas palavras.

Aí estão as duas sentidas faltas na mala dos portugueses que levarei comigo.

Manuel António Pina. Wikipédia

Nunca entendi por que estamos tão distantes da literatura e da cultura dos países de língua portuguesa. Vivemos no Brasil uma espécie de isolamento dentro da lusofonia.

Autores como José Saramago, Mia Couto e, depois, António Lobo Antunes começaram a desembarcar em terras brasileiras nos últimos anos. É muito pouco diante da pluralidade de autores lusófonos.

Em Portugal, percebo que há também um distanciamento do Brasil, pouco se conhece.

Estou levando a mala pesada de livros, mas o esforço compensa. Entre outros, levo comigo Lobo Antunes, Alexandre O'Neill, Eugénio de Andrade, Agostinho da Silva, Herberto Hélder, Maria Gabriela Llansol, J. Cardoso Pires, Fernando Pessoa, J. Saramago, Maria Velho da Costa, Ruy Belo, Vitorino Nemésio, Manuel António Pina, Eduardo Salavisa.

Na Suíça consegui encontrar as obras de Rilke que perseguia. Em Madri, completei a biblioteca básica de Ortega y Gasset, graças à generosidade da Fundação Ortega y Gasset que me repassou, sem cobrar por isso, volumes fundamentais do filósofo.

Dos espanhóis tratarei em texto próprio. Os discos também merecem um post à parte.

De que vale, afinal, uma viagem, se não for para procurar aquilo que nos faz falta em nossa paisagem espiritual?  
_____________

*Por tierras de Portugal y de España, Miguel de Unamuno, Biblioteca Unamuno, Alianza Editorial, Madrid, 2011. Tradução do trecho acima: J. Finatto.
 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Pastéis de Belém, Farta Brutos, marialva, etc.

Jorge Adelar Finatto
 
mapa no Museu da Marinha, Lisboa. photo: j.finatto

A tarde de chuva me levou ao bairro de Belém, em Lisboa, para degustar mais uma vez os famosos Pastéis de Belém e beber a costumeira taça de café com leite. Como sempre, a casa estava muito movimentada. Como sempre, o atendimento é dos melhores. Turistas de vários países, a malta brasileira em bom número.
 
Os Pastéis de Belém só se encontram neste lugar, em nenhum outro, assegura o funcionário. O que se vende nas outras pastelarias são pastéis de nata, esclarece, sem desfazer deles. São diferentes apenas. Eu acho os de Belém mais refinados.

photo: j.finatto, 12.02.2014
 
Caminhei, depois, à extensão do Mosteiro dos Jerônimos onde estão os restos mortais de Fernando Pessoa, Vasco da Gama e outros grandes da história portuguesa. Fui em direção ao Museu da Marinha, que visitei há quase um mês.
 
A exposição de barcos verdadeiros, muitos deles históricos, fez a minha alegria de bicho das águas. Voltei hoje pra procurar uma lembrança na lojinha náutica que existe ali ao lado. Encontrei um pequeno sino dourado de convés de navio que vai para o convés do meu escritório em Passo dos Ausentes.

Na segunda-feira jantávamos com amigos portugueses no Farta Brutos, restaurante de cozinha tradicional portuguesa do Bairro Alto. Entre os freqüentadores históricos, Jorge Amado, José Cardoso Pires, José Saramago, só pra mencionar alguns. Sentamo-nos à mesa preferida de Saramago, na qual existe uma placa recordando o freguês ilustre.

Farta Brutos. photo: j.finatto, 10.02.2014

A conversa ia animada com garfadas no prato de bacalhau, o vinho tinto celestial (cujo nome não sei porque foi escolha do amigo, me distraí e não reparei no rótulo). Até que ao falar em livros, literatura, escritores, pintores, fadistas, etc., surgiu no meio a palavra marialva, que esses ouvidos nunca tinham ouvido. Fulano era um marialva, alguém disse.
 
Pelo rumo da prosa, marialva é o indivíduo namorador, rabo-de-saia, amigo da noite, boêmio. Não é uma delícia?

Um dado interessante mencionado por Francisco Oliveira, proprietário do restaurante. Aquele edifício foi um dos que escaparam da destruição durante o grande terremoto que destruiu parte de Lisboa em 1º de novembro de 1755.
 
Uma notícia de hoje, mais uma que ilustra a crise que o país atravessa: 21 licenciados moram nas ruas de Lisboa. Gente que fez curso universitário e não encontra saídas (profissional, pessoal). É duro.
 
O mundo dos grandes navegadores portugueses era pequeno e se conquistava numa caravela.

Hoje é infinito e ninguém se entende. 
___________

O barbeiro de Fernando Pessoa:
http://ofazedordeauroras.blogspot.pt/2011/03/o-barbeiro-de-fernando-pessoa.html
 

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

O amor de Fernando por Ofélia

Jorge Adelar Finatto

 
O amor de Fernando Pessoa por Ofélia, o seu Bebé, é o único envolvimento conhecido do poeta com uma mulher. Não se tem notícia - eu pelo menos nunca ouvi falar - de que tenha havido outra em sua vida.
 
Suas cartas de amor, publicadas em livro, dão uma mostra de como todo ser humano - inclusive um gênio como Pessoa - necessita amar o amor.
 
Precisamos acreditar na idéia do amor romântico, esse que nos faz levitar entre nuvens de perfume (mesmo sabendo que, no fundo, mentimos para nós e para o outro). Os rubores da alma.
 
Queremos nos iludir achando que vai surgir esse outro que nos fará sair do calabouço, nos completará e fará felizes, nos consolará e não morrerá antes de nós.
 
Que sei eu. Talvez tudo isso tenha mesmo que ser assim. Amar o amor, e suspirar em bancos de praça, entre flores.
 
 

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

A tragédia do desemprego

Jorge Adelar Finatto
 
A Casa Gris, 1917, Marc Chagall*
 
A pior coisa que pode acontecer a um homem ou a uma mulher, depois da perda da saúde, é ficar sem trabalho. O trabalho é aquele algo sem o qual todo o resto fica a perigo. A vida afetiva, a vida familiar, a paz de espírito, a alegria de viver, a autoestima, tudo resta afetado quando a sobrevivência está em risco.
 
Eu vivi essa experiência e sei que é devastadora. Tinha 25 anos e meu patrão, na época, decidiu que minha presença não era mais necessária. Depois de 4 anos de serviços prestados com dedicação, levei um pontapé no traseiro, sem qualquer explicação. Ia ser pai do primeiro filho e não tinha mais dinheiro do aluguel e da comida.
 
Me lembro que nos primeiros tempos passei a sentir uma espécie de vertigem pela situação. Encostava numa parede, respirava fundo, esperava passar. Segui em frente. Porque aos 25 e com o apoio da família nada está perdido.
 
Há que buscar forças nas profundezas, ter persistência, esperança, não desanimar. Em nenhuma hipótese. Amanhã será melhor.
 
Fiquei muito tocado com a matéria de capa do jornal Público deste domingo, que trata do problema da emigração de portugueses forçados a deixar seu país depois dos 50 anos por causa do desemprego.
 
A tragédia da falta de trabalho atinge todas as faixas etárias em Portugal. Mas sinto como profundamente desalentadora a situação dos que, na madureza, ficam sem o ganha-pão, obrigando-se, sabe lá Deus com que forças, a abandonar sua terra, sua gente, seus afetos, reiniciando uma história num lugar estranho.
 
O aeroporto não é saída para o sério problema social. Os países mais ricos da União Européia, ao que parece, não pensam dessa forma e lavam as mãos, como o célebre personagem bíblico. É preciso repensar essa união. Já não se utilizam invasões militares, canhões e tiros para submeter outros povos. As armas são mais sutis, mas os efeitos igualmente terríveis na vida das pessoas. 
 
Impõem-se medidas intoleráveis de "ajustamento" a países mais fragilizados como Portugal. Reduzem-se salários e pensões, aumentam-se impostos, cortam-se investimentos em áreas fundamentais, jogam-se milhares e milhares no desemprego e no desespero. A juventude se vê sem nenhuma perspectiva. Se a União significa isso, não serve. Muito triste.
 
_____________
 
Coleção do Museu Thyssen-Bornemisza, Madri, Espanha:

photo de abertura do blog: Café do Chiado, Lisboa, 10.01.2014
 

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Stephanie, temperamental e perigosa

Jorge Adelar Finatto
 
Stephanie, Portugal. fonte: Centrotv.pt*
 
O retorno a Portugal acontece em meio à tempestade Stephanie. Só agora à noite, ao ligar a televisão, vim a saber que o país está sendo sacudido pela dita senhora, e não apenas na costa. Pausa.
 
(Pra tirar a viagem do corpo, fui ao cinema assistir Ao Encontro de Mr. Banks, no Shopping Amoreiras.) 
 
(O filme conta a história de como Walt Disney levou 20 anos para adquirir os direitos de filmagem do livro Mary Poppins, da escritora australiana P.L. Travers. Um bom filme, tendo Emma Thompson no papel da difícil e inflexível autora, e Tom Hanks interpretando Disney, sem esquecer o sempre talentoso Paul Giamatti, motorista que consegue uma aproximação mais humana com Travers.)
 
(Há um bom cappuccino no café Praça Central, deste shopping, que faz companhia à não menos gostosa baguete de frango.) Fim da pausa.
 
Como não sabia da chegada de Stephanie, quando saí do cinema fui surpreendido com ferozes ventos a varrer Lisboa. No caminho para o hotel, tive meu chapéu bruscamente arrancado da cabeça. Saí atrás pela calçada molhada da chuva. Um jovem teve a agilidade de apanhá-lo, quando passava voando a seu lado, num golpe de gato. 
 
A partida entre Benfica e Sporting foi suspensa devido à ventania que chegou a derrubar placas sobre a arquibancada. Felizmente os torcedores já haviam se retirado, evitando uma tragédia (a partida não chegou a iniciar). Prevêem-se mais chuvas e ventos de mais de 130 km por hora e cheias nos rios Tejo e Mondego, entre outros. Alguns pousos de aviões foram desviados do aeroporto de Lisboa.
 
De modo que esse é o quadro. Esperamos que Stephanie seja razoável e vá embora sem mais tardança.
 
____________
 
Centrotv.pt:
 

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Um monge voa nas catedrais de Salamanca

Jorge Adelar Finatto
 
Vista das catedrais de Salamanca (à dir.) a partir da ponte construída
pelos romanos sobre o rio Tormes no início da era cristã. photo: j.finatto
 
Há um monge adormecido na minha alma. Alguém que se alegra no silêncio e no recolhimento do invisível claustro. Como todo monge que se preze, gosta mais da Renascença do que da Idade Média.
 
O monge que me habita - esse tal que atravessa o oceano para visitar a solitude de velhas igrejas - gosta da arte religiosa, porém é um iconoclasta e um revoltado quando se trata da Inquisição, de inquisidores e abusadores sexuais da Igreja Católica.

photo: j.finatto


Aos diabos com todos eles. Que ardam no inferno que criaram. Que respondam pelos crimes cometidos, diz o monge inconformado.
 
- Não se misture essa gente má com aqueles que, no âmbito da religiosidade sã, tantas coisas boas fizeram e fazem. Cada macaco no seu galho.
 
Levo o monge a caminhar pelas ruas do Casco Viejo de Salamanca, na Espanha. Vamos até o interior das catedrais Velha e Nova. A Velha foi construída entre os séculos XII e XIV, nos estilos românico e gótico. A Nova, entre os séc. XVI e XVIII, nos estilos gótico e barroco. São geminadas, transita-se internamente por ambas, sem necessidade de sair à rua.

photo: j.finatto
 
O monge passeia entre as naves e oratórios, nichos, relicários e retábulos. Voa em direção às abóbadas, vôo em profundidade vertical acima das colunas para estar mais perto da luz que entra parecendo iluminar a treva da condição humana.
 
Quem sabe um anjo aparece e nos salva do vazio e da tristeza desse mundo, consola-se o monge.
 
photo: j.finatto
 
Detalhe das catedrais. photo: j.finatto

_____________

 
 

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Don Miguel de Unamuno

Jorge Adelar Finatto
 
Miguel de Unamuno

Pensa o sentimento, sente o pensamento;
que teus cantos tenham ninhos na terra,
e que quando em vôo subirem aos céus
atrás das nuvens não se percam.
                             
                                      M. Unamuno, Credo Poético¹
 
O rio Tormes atravessa Salamanca. A vida da cidade remonta a 2700 anos. Histórias, portanto, não faltam. Em 220 antes de  Cristo, por exemplo, o general cartaginês Aníbal invadiu o lugar. Trouxe 40 elefantes junto com seu exército. Em meados do século I a.Cristo, Salamanca foi conquistada pelos romanos. Eles construíram sobre o rio a ponte que está lá até hoje. Os engenheiros romanos fizeram bem sua parte por onde passaram.
 
Mas o que me trouxe à cidade não foram fatos como estes, e sim conhecer a Casa Museu Unamuno¹ e um pouco mais da vida do escritor e filósofo. O museu faz parte da Universidade de Salamanca (segundo alguns, a mais antiga da Europa, criada em 1218). Ontem saí cedo para fazer a visita. Fazia muito frio, ventava, garoava.

O ingresso ao museu custa 4 euros (cerca de 13 reais). Infelizmente não é permitido tirar fotos no local. O prédio onde está localizado sediava a antiga casa reitoral. Eleito reitor em 1900, Don Miguel de Unamuno (1864-1936) foi convidado pela instituição a ocupar a casa com sua esposa e filhos, sendo que quatro dos nove que o casal teve nasceram ali e um deles, Raimundín, ali faleceu.

fachada da Casa Museu (esquerda). photo: j.finatto
 
Depois de sair do cargo, em 1914, passou a viver numa casa da Calle Bordadores, que ocuparia até a morte. Esta casa se situa ao lado da estranha Casa das Mortes, com suas esculturas humanas deformadas na fachada.
 
A Casa Museu reconstrói a moradia de Unamuno e família. Conta com diversos objetos pessoais, mobiliário e os cerca de 6 mil livros que ele doou à universidade. Ali estão o escritório, o quarto, o penico, a biblioteca, a sala, a escadaria a pique para o segundo piso feita com pesadas pedras.

Encontram-se, também, a sua boina basca, os óculos, o chapéu, bengalas (era um caminhante das ruas da cidade). Retratos nas paredes, pinturas, poemas que escreveu na solidão do escritório, manuscritos.

A claridade do dia entra pelas amplas janelas e dá vida ao ambiente como fazia naqueles tempos.

escultura de Unamuno, Salamanca, autor: Pablo Serrano, 1968. photo: j.finatto
 
O mínimo que se pode dizer de Miguel de Unamuno é que é um pensador absolutamente original, um filósofo dos mais importantes não apenas do século XX como da história da humanidade. Um escritor que trabalhou a palavra como poucos e que através dela conseguiu dizer o indizível.

Um poeta de grande talento e sensibilidade que também escreveu peças de teatro, novelas, artigos para jornal, manifestações públicas e livros imperdíveis. Um homem público na extensão do termo, envolvendo-se com a política, o socialismo, a república, antimonarquista.

Um cidadão de grande coragem moral diante das injustiças e da desumanização. Participou da Geração de 98, grupo que reanimou a cultura e o pensamento espanhóis após a grande crise que adveio com o fracasso do país  na guerra hispano-americana.
 
Nos últimos dias, decepcionado com as ações do governo de Franco que então se instaurava, e que apoiara nas primeiras horas,  permaneceu recolhido na casa da Calle Bordaderos, na condição de inimigo do novo regime que iniciou a terrível Guerra Civil Espanhola (1936-1939).

detalhe da escultura. photo: j.finatto
  
Unamuno não aceitou a violência absurda dos que prendiam e matavam quem não estivesse do seu lado, entre opositores, pessoas comuns do povo e intelectuais indefesos como o poeta Lorca, assassinado em agosto de 1936 (até hoje o corpo não foi encontrado).

Contra isso insurgiu-se o filósofo num discurso célebre ("Vencereis, mas não convencereis")², feito na condição de reitor da Universidade de Salamanca, na cerimônia de abertura do ano acadêmico, em 12 de outubro de 1936. Dela participava a cúpula do franquismo, inclusive a esposa do general Franco. Por pouco não foi morto pelos militares presentes, sendo protegido pela mulher de Franco, Carmen Franco, que o acompanhou até sua casa. Foi então destituído do cargo e obrigado a ficar recluso.
 
escritório do filósofo. fonte: site do Museu
 
Unamuno é muito mais do que uma estátua numa praça de Salamanca ou do que um personagem empoeirado de museu.
 
Raramente uma cidade está tão identificada com um homem como neste caso. Salamanca e Unamuno são inseparáveis. Carregam em si a idéia de que o espírito sempre prevalecerá sobre a indiferença, a violência e a morte.
 
A obra de Don Miguel é profundamente humana e instigante. Não conheço nada parecido. Del sentimiento trágico de la vida é desses livros fundadores, capazes de mudar a nossa consciência das coisas ou, pelo menos, de ampliá-la em larga proporção. Falar de seus livros - a notável qualidade literária, a visceralidade do conteúdo - em poucas linhas, seria leviano. Fica, em todo caso, este registro de um dia gelado em Salamanca.
___________

¹Poema (fragmento) do livro Poesías, Cátedra, Letras Hispánicas, terceira edición, 2009. Tradução: j.finatto.

²Casa Museo Unamuno:
http://unamuno.usal.es/index.html

³Ariel Palacios:
http://blogs.estadao.com.br/ariel-palacios/vencereismas-nao-convencereis-unamuno-e-a-razao-contra-a-forca/
 

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

O barco abandonado

Jorge Adelar Finatto
 
 
Bote Abandonado, 1850. Frederic Edwin Church.
Museo Thyssen-Bornemisza, Madrid. photo: j.finatto
 

Tive vontade de entrar nesse barco da pintura e sair por suas águas em viagem. Ou melhor, continuar a viagem, já que amanhã é dia de levantar âncora e ir adiante. Hoje foi dia de visitar o Museu Thyssen-Bornemisza, em Madri. Terminei a visita ao acervo permanente que comecei e não completei em 2007. Nos próximos dias começa no museu uma exposição de Cézanne que promete.
 
O Bote Abandonado do pintor americano Frederic Edwin Church (1826-1900) mexeu comigo.

Acho que vi nele transfigurado um momento de grande solidão do artista. Ou a minha própria solidão. Ou as duas. Sei lá. É uma solidão de menino triste, olhando o outro barco lá adiante com gente dentro, conversando e passeando. Sentimento, sentimentos.
 
Faz um frio seco, em contraste com os quase 35ºC de quando saí de Porto Alegre. Estou hospedado numa rua chamada Calle de Los Libreros. Se disser que escolhi a dedo o lugar, estarei desprezando o acaso, que foi quem de fato me trouxe a este hotel. Bem, o fato é que, mesmo estando a menos de 100 metros da Gran Vía, aqui é silencioso.
 
E a ruazinha é cheia de livrarias, um paraíso para qualquer bibliófilo. Encontrei dois livros do poeta catalão Salvador Espriu (1913-1985), uma descoberta recente e rara de que já falei no blog.
 
São edições bilíngües, catalão-espanhol. Um dos livros intitula-se La Piel de Toro, Editorial Lumen, Barcelona, 1983, tradução ao espanhol por José Agustín Goytisolo. A maioria das páginas ainda está grudada, vou procurar uma espátula ou abra-cartas para abri-las.
 
Há os seguintes versos de um poema, numa folha livre, que dizem:
 
Pouco a pouco saíam
do porto esguias barcas
de esperança.
 
Sim, que sejam carregadas de esperança as barcas que partirem do nosso porto. 

____________

photo de abertura do blog: grafite na estação de trem de Montreux

Os passos do andarilho:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.es/2013/12/os-passos-do-andarilho.html
 

sábado, 1 de fevereiro de 2014

La vie est belle

Jorge Adelar Finatto

Montreux. 28.01.2014. photo: j.finatto
 

Sim, a vida é bela. A frase não é nova, mas continua atual. Foi o que senti quando vi o Lago Léman com as montanhas nevadas dos Alpes ao fundo.
 
É bela a vida, mesmo quando uma vaga tristeza aparece no dia de inverno.  Mesmo quando sabes que não verás mais os olhos azuis da mulher que te fez feliz só por existir e pelo sorriso que te ofereceu como um presente em plena tarde na beira do lago azul.

Montreux. photo: j.finatto

A vida é bela apesar dos maus e dos loucos que fazem da vida dos outros muitas vezes um inferno.

É bela, sim, a vida, como o Lago Léman com os Alpes cobertos de neve em Montreux.

O que mais me chama a atenção na Suíça, além das belezas naturais e do alto padrão de vida, é a elegância moral das pessoas. São muito educadas, mas não afetadas. Gostam de ajudar os semelhantes, sejam pessoas do lugar ou estrangeiros, na rua, no trem, em qualquer lugar.

Montreux. 28.01.2014. photo: j.finatto *

Em Sierre, eu andava pela cidade como ilustre desconhecido, com uma câmera na mão, catando coisas, fazendo anotações. Pois quase toda vez que passava por alguém na calçada ou num café era cumprimentado como se fosse do lugar, da família. Porque eles são assim.

Presenciei atos de civilidade e respeito neste país que me fazem acreditar que um dia o ser humano poderá dar certo no resto do planeta. Deixaremos de nos tratar como inimigos e nos olharemos com estima social, como se fosse destino de todos ser feliz, e não só de uns poucos.

Na Suíça a cordialidade é certa como a precisão dos relógios e a pontualidade dos trens.

Montreux. photo: j.finatto
 __________

*La fenêtre d'une chambre. Grand Hôtel Suisse Majestic, Montreux.