domingo, 29 de dezembro de 2013

Um blogue de capa e espada

Jorge Adelar Finatto

Guy Williams, como o Zorro, década de 1950


Um dia desses alguém escreveu que os blogues fazem parte da pré-história da internet. É sempre assim, pensei com meus três botões. Quando acredito que estou fazendo algo novo e diferente, esse algo não existe mais ou já saiu de moda.

Pensando bem, porém, acho que os blogues têm ainda algum interesse. Se tiver um conteúdo honesto e for transparente, pode atrair leitores. Uma apresentação visualmente agradável ajuda.

Um leitor enviou um e-mail. Observa que meu blogue é primitivo, não tem efeitos visuais, filmes, sons, nem recursos técnicos que o tornem mais atrativo. Os textos não comentam fatos do momento nem são de autoajuda. Um blogue insosso, sem nenhuma graça, enfim. Tem razão o nobre leitor.

O que sei fazer, mal e mal, é publicar algumas linhas acompanhadas de fotos. As matérias tratadas não destacam temas específicos nem obedecem a critérios de atualidade, nascem da subjetividade e do caos mental e/ou espiritual do autor. No mais, não sei ou não quero fazer outra coisa.

Um autêntico blogue de capa e espada, portanto, desses que acreditam na luta do bem contra o mal e na vitória da bondade ao final, da beleza contra a fealdade, do sentimento e do pensamento contra a brutalidade e a indiferença, bem ao estilo do velho, incomparável e invencível Zorro, interpretado pelo grande ator americano Guy Williams (photo).

As pessoas não vêm aqui para saber as últimas notícias nem para ler a minha opinião sobre elas. Uma razão que não alcanço faz com que os leitores visitem esta página rude. De qualquer forma, a presença deles é um estímulo para eu continuar traçando palavras e caçando imagens.

O notebook, pra mim, é uma velha máquina de escrever com luzinhas dentro que algum ET esqueceu aqui na Terra. Mas o fato é que gosto mesmo de escrever à mão, e só depois digito no computador. Um escritor das cavernas.

A internet tem um lado obscuro, pelas armadilhas e violências que esconde. Mas é, sobretudo, uma alternativa democrática, uma janela que se abre para a comunicação entre indivíduos e para a liberdade de expressão. O que é bom permanece pela qualidade que agrega à vida das pessoas; o ruim desaparece no buraco da própria ruindade que semeia.

_______________

jfinatto@terra.com.br
Texto atualizado, publicado em 16 de maio, 2012.