sábado, 30 de novembro de 2013

A despedida do Bacana

Jorge Adelar Finatto

O Bacaninha. photo: j.finatto.


Sentimental e reservado, ele não era de muita conversa. Um tanto melancólico talvez. Parecia sentir saudade de um mundo que um dia foi de alegria e companheirismo entre seus irmãos siameses. Devia ser num lugar perto do mar, com bastante peixe, alimento preferido.
 
Quando ainda era um gato bebê, nunca se viu mais chorão. Chegou aqui em casa no inverno, faz cinco anos. O único jeito de parar de chorar era deixá-lo entrar embaixo dos cobertores. Aí se acalmava, queria contato físico, calor humano (não tinha outro gato para se aquecer).
 
O Bacana tornou-se um adolescente calado, não gostava de reuniões e ruídos. Preferia o silêncio e o recolhimento do escritório a qualquer outro ambiente da casa. Era doce e cálido.

Apreciava também o muro do quintal. E gostava de sentar-se no quiosque em meio a vasos de flores, de onde podia admirar o Contraforte dos Capuchinhos, na lonjura, com suas montanhas azuis.

Caminhava em silêncio como só os gatos sabem fazer.
 
Às vezes, subia no teclado do computador, com o motorzinho de popa fazendo o rom-rom característico. Queria atenção. Só sossegava quando era acariciado, após alguns minutos.

Nessas ocasiões, sentava na estante perto da janela ao lado do volume encadernado de A Montanha Mágica, de Thomas Mann. Depois descia a escada escarpada, ia para o pátio, silente e esguio como uma sombra.

No final de agosto, teve uma doença que o levou embora. Primeiro foi para a clínica veterinária onde ainda havia esperança (não muita) em sua recuperação. Até que veio o telefonema anunciando a morte.

Ficou o silêncio de seus passos pela casa.

Perdi os olhos azuis e a meiga presença do Bacaninha.

Falta um gato no escritório.
 
________________
 
 
Texto revisto, publicado em 9 de setembro, 2012.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Alvaro Moreyra

Jorge Adelar Finatto
 
 
Alvaro Moreyra
 
 

Se um dia tiver de escolher um cronista pra levar para a ilha deserta (essa pequena ilha imaginária que  todo mundo tem, de náufrago, com uma só palmeira, perdida no meio do oceano), este cronista será o porto-alegrense Alvaro Moreyra (1888 - 1964).

O Brasil tem cronistas de valor, o sempre lembrado Rubem Braga é, com justiça, um bom exemplo. Mas nenhum tem a sintaxe tão refinada, natural, despojada e poética de Alvaro Moreyra. Não será exagero dizer que ele fundou a moderna crônica brasileira, conforme afirmou Guilhermino Cesar:

Alvaro Moreyra teve o privilégio de criar a crônica moderna no Brasil. Chegou a ser o mais lido dos nossos cronistas. A influência que exerceu é perceptível em muitos autores que vieram depois. Rubem Braga, por exemplo, parece dever alguma coisa ao autor de Um sorriso para tudo.¹
 
As palavras parecem gostar de ser tocadas pela mão do escritor. Passeiam com ele, brincam, mergulham, saltam da página, seduzem e se deixam seduzir. Adoram estar perto do senhor Moreyra (ele acrescentou o y ao nome em lugar do i).
 
Não há sobras nem há faltas no texto do autor (principal influência literária de Carlos Drummond de Andrade, nos anos de formação, entre os escritores brasileiros).

São breves composições que têm a invulgar capacidade de traduzir sentimentos, pensamentos, estados de espírito, aquarelas da alma que normalmente são difíceis de pintar.
 
A leveza, o humor, a bondade, a delicadeza e a ironia inteligente (que nunca se confunde com grosseria) são sua marca.
 
Dele disse Drummond:
 
Uma impressão de magia singela: com poucas e leves palavras, um y e algumas reticências, ele soube dizer finas coisas, que nos tocaram.²

Um olhar amoroso sobre os seres e a vida é o traço deste artesão do verbo.

A injustiça e o sofrimento das pessoas não passam despercebidos nas páginas deste comunista devoto de São Francisco de Assis.

Poeta, cronista, diretor de revistas importantes onde publicou autores como Oswald de Andrade e Carlos Drummond, produtor e apresentador de programas culturais de rádio, teatrólogo (iniciou o movimento de renovação do teatro em nosso país junto com a mulher, Eugênia Moreyra, através do Teatro de Brinquedo),  Alvaro Moreyra sempre levou Porto Alegre e o Guaíba no coração por onde andou.

Estas impressões vêm a propósito de ter descoberto agora a edição de uma antologia de crônicas do escritor, recolhidas dos vários livros que publicou no gênero. É a primeira publicação desta natureza dedicada ao autor de Havia uma oliveira no jardim. A obra faz parte da Coleção Melhores Crônicas, da editora Global, com seleção e prefácio de Mario Moreyra.

Tomo a liberdade de sugerir aos meus dois leitores que não deixem de levar para casa este livro. Estou certo de que viverão momentos de felicidade na companhia do senhor Arlequim da Silva (pseudônimo de Alvaro).

... E fico a ver navios. É um passatempo. O mar, por ser sempre o mesmo, é diferente sempre. Às vezes, verde, com franjas de espuma. Outras vezes, azul, parado, imóvel. Em certas manhãs, parece uma cauda de pavão... Eu gosto do mar. Paro, horas esquecidas, na areia da praia, olhando as ondas, marujamente, cheio de uma nostalgia deixada em mim pelos portugueses meus ancestrais... E fico a ver navios...
É o que tenho feito em toda a minha vida...³
 
                                         Alvaro Moreyra *

______________

 
Foto de Alvaro Moreyra: reprodução de fotografia do escritor publicada na revista  Para Todos, de 19 de março de 1927 (coleção do autor do blog).
 
¹Alvaro Moreyra, Jorge Adelar Finatto. Tchê e RBS. Porto Alegre, 1985. p. 65.

²Cadeira de Balanço, Carlos Drummond de Andrade. Livraria José Olympio Editora, 8ª ed., Rio de Janeiro, 1976.


³Alvaro Moreyra, Coleção Melhores Crônicas, p. 54. Seleção e prefácio de Mario Moreyra. Global Editora, São Paulo, 2010.
 
Leia mais sobre Alvaro Moreyra:
 
A memória do coração:

Páginas de velhas revistas:
 
Teatro de Brinquedo:
 
Este post foi revisto e ampliado, tendo sido publicado pela primeira vez em 07 de março, 2012.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O caçador de flores

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto. nov. 2013


O caçador de flores, na sua floral loucura, busca reter a beleza do que, por natureza, é volúvel ao tempo e perecível.

Sou amador na arte de caçar flores, alguém que se dedica ao ofício por puro prazer estético, sem fazer disso meio de vida ou por espírito de emulação com outros caçadores.

Em setembro, lanço-me mais uma vez na delicada faina, mesmo sabendo que imagens conservam apenas a aparência do que foi belo um dia e depois deixou de ser.

Saio por aí com a Coruja, vetusta máquina fotográfica que me acompanha há séculos, e começo mais um dia de caçada. Esta é a época perfeita.

E haja corola para satisfazer a sanha insana.

O gesto é egoísta, reconheço, típico de quem dá valor excessivo ao deleite das formas, cores e aromas, numa ânsia predatória de fazer arrepiarem-se os campos, jardins e pomares. Tal é a índole do caçador.

photo: j.finatto. nov. 2013

O caçador satisfaz o cruento instinto ao capturar flores em fotografias, escondendo-as em secreto compartimento. Todavia, o segredo não resiste à evidência de que o belo precisa ser compartilhado. Só isso torna completa a alegria da caça.

Um dia as flores secam e morrem, como tudo que é vivo e respira. Alguma coisa delas permanece nas imagens. Será essa, talvez, a possível atenuante para a conduta violenta do caçador, no seu afã de ter consigo todas as flores que puder e mais algumas.

Na cidade grande quase não há flores ao ar livre. Por isso, e por não gostar de viver distante delas, quando estou longe de Passo dos Ausentes, levo comigo as imagens floridas. Um jardim de emergência em meio ao deserto de concreto, para suavizar o feio e o triste.

Nos Campos de Cima do Esquecimento, de onde escrevo essas frágeis linhas de primavera, não faltam flores, graças a Deus. Elas crescem generosamente em todo lugar e a caça é abundante.

O retrato é, talvez, um modo patético de aprisionar o efêmero, alguém dirá. Pode ser. Mas o que não é patético nessa vida, não é mesmo, raro leitor?

photo: j.finatto. nov. 2013
 

sábado, 23 de novembro de 2013

Pescadores limpam as águas

Jorge Adelar Finatto

photo: Luciano Lanes. Divulgação da Prefeitura de Porto Alegre
 
Se queres limpar o mundo, começa limpando a tua casa. 
 
A Ilha da Pintada é uma das ilhas que habitam o rio Guaíba em Porto Alegre. Como todas as ilhas, tem seus pescadores, e os pescadores têm suas histórias. Eles escreveram uma bela página na última quinta-feira. Saíram para o rio em 150 barcos, a fim de recolher a sujeira das águas.
 
O resultado desta "pescaria" foi o recolhimento de 20 toneladas de lixo. Havia de tudo: aparelhos de televisão, sofás, colchões, pneus, tanques de plástico, garrafas pet, para-choques de carro e muita coisa mais.
 
A ação dos pescadores - que incluiu também a limpeza de um fragmento dos rios Jacuí e Gravataí - tem o nome de Pescando Lixo. Trata-se de um mutirão organizado pela Colônia de Pescadores Z-5, da Ilha da Pintada, com a participação de órgãos dos governos estadual e municipal.
 
O diretor da Colônia de Pescadores, Vilmar Coelho, observou que esta foi a nona edição do projeto. Disse ele ao jornal Correio do Povo, de Porto Alegre: "É uma maneira de o pescador aproveitar o tempo parado para retirar o lixo do rio, pois com menos lixo vai ter mais peixe". Acrescentou que falta mais apoio ao mutirão, pois os pescadores não recebem sacos para o lixo nem luvas se proteger. 
 
O "tempo parado" por ele referido decorre de ser época em que a pesca é proibida em face da desova dos peixes, período conhecido como do "defeso".
 
O material recolhido foi entregue ao Departamento de Limpeza Urbana de Porto Alegre para reciclagem. O restante irá para aterro sanitário.
 
Se queres limpar o mundo, começa limpando a tua casa. É a idéia que me ocorre ao ver o gesto dos pescadores da Ilha da Pintada, com sua população formada por descendentes de açorianos e africanos.

Se os habitantes do continente ainda são capazes de desatinos como jogar esse lixo nas águas (até quando?), o ato que nos redime tem que vir dos ilhéus.
 
A salvação virá talvez das ilhas... Nelas o rio limpo e o peixe vivo são mais importantes que tudo, e a alegria dos barcos em movimento não tem preço.
  

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Tara McPherson, a persistência do coração

Jorge Adelar Finatto


 A artista desenha figuras femininas e masculinas com um buraco no peito em forma de coração. São os rompimentos amorosos, as duras perdas, o dilaceramento dos afetos, num mundo que se esforça por afastar o sentimento da vida cotidiana.


Sempre me surpreende a capacidade das pessoas de fazer arte, apesar da estrovenga em que o planeta está mergulhado, mercê do grande empenho destrutivo dos senhores do poder e do dinheiro em todos os países do mundo.

Conheci uma breve mostra do trabalho da americana Tara McPherson. Ela nasceu em São Francisco, Califórnia, em 1976.

Quando surge uma artista como Tara, em condições de observar as coisas do mundo e traduzi-las para nós em forma de arte, devemos agradecer a Deus por isso.

A absurda cultura do consumo, a imposição de personalidades patéticas como referência de valor artístico e sucesso midiático, deixam pouca margem ao pensamento crítico e criativo. É raro alguém desenvolver criatividade em meio a padrões tão rígidos de valorização do pueril.
 
 
Tara desenha figuras femininas (e, às vezes, masculinas) com um buraco em lugar do coração no peito. São os rompimentos amorosos, as duras perdas, o dilaceramento dos afetos, num mundo que se esforça por afastar o sentimento do cotidiano.

Os corações ausentes das musas podem significar, também, entrega, estão batendo em outra parte, no corpo dos seres amados, nessa viagem incandescente e visceral pelo cosmos  à procura do outro que nos enxergue na multidão, nos acolha e nos salve das geleiras da solidão.

Às vezes, a figura feminina flutua leve pelo ar, com aquele buraco no lugar do coração, numa espécie de felicidade.


Em outras pinturas, os corações femininos aparecem sangrando.

A artista desenvolve uma estética pop com raízes na história da pintura universal. Não despreza a tradição, pelo contrário, aproveita-a. E segue seu caminho.

Tara costuma falar do amor aos amigos e do respeito ao próximo comos valores essenciais em sua vida. Gosto muito disso, pois revela um ser humano sensível ao seu semelhante e não preocupado apenas com o próprio umbigo.

Visitei o site oficial dela e o coloquei entre os meus favoritos.
 

A obra em construção de Tara McPherson revela traços em busca de sentimento, claridade e beleza. 
 
_____________

Reproduções de pinturas de Tara McPherson a partir do site oficial da artista:

Leia entrevista com ela na revista Zupi:
http://www.zupi.com.br

Texto revisto e atualizado, publicado antes em 6 de agosto, 2011.
 

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Bullock e Clooney perdidos no espaço

Jorge Adelar Finatto

Sandra Bullock, no filme  Gravidade. photo: divulgação
 

Gravidade é um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Dirigido pelo mexicano Alfonso Cuarón, com roteiro dele e de Jonás Cuarón, estreou em outubro passado. Tem nos papéis principais os atores George Clooney e Sandra Bullock, que interpretam astronautas num vôo nas cercanias da Terra, com a missão de reparar o telescópio Hubble.

As coisas transcorrem normalmente. O comandante Matt Kowalski (Clooney) e a engenheira biomédica Ryan Stone (Bullock) trabalham fora da espaçonave, quando, de repente, uma chuva de detritos provoca a destruição da nave e a morte dos demais tripulantes. Inicia-se então uma terrível luta pela sobrevivência por parte de Matt e Ryan.

A construção das imagens é impressionante. A seqüência das cenas nos leva ao pleno sentimento de desamparo causado pelo fato de se estar a cerca de 400 km acima da Terra, sem qualquer comunicação com os técnicos da Nasa. Os dois viajantes estão perdidos no espaço, soltos no vácuo, sem gravidade, numa região escura, povoada de silêncio. Longe do mundo num ambiente inóspito.

Ali um pedaço de metal, submetido à luz solar, chega facilmente a 260º Celsius, obrigando a utilização de espessas luvas e isolantes térmicos. Na região de sombra, a temperatura despenca para -100º C.

Nesse território obscuro, as estrelas são remotos pontos de luz. A única coisa que brilha, em suaves cores, é o nosso planeta, que surge como um doce jardim em meio ao abismo celeste. Ryan e Matt têm apenas um ao outro.

O resto é solidão e isolamento.

Bullock e Clooney. photo: divulgação

As imagens em três dimensões transportam o espectador àqueles confins, fazendo com que se sinta também perdido, olhando com profunda nostalgia a distante Terra. O cenário é maravilhoso e assustador.

Os astronautas estão à deriva no espaço. Náufragos do infinito, sem galho ou corda em que se segurar. Com a proximidade do fim do oxigênio armazenado no interior do equipamento e com a iminente perda de propulsão que lhes permite deslocamento, a situação torna-se dramática.

Isto é apenas um pálido rumor do que acontece. Tem muito mais.

A história faz pensar tanta coisa.

Entre os possíveis sentidos que o drama sugere, está o da imensa nuvem de solitude e precariedade que cerca aqueles que estão fora do nosso planeta, presos por um fio à vida. Fica a forte sensação de que, sozinhos, não vamos a parte alguma.

Precisamos uns dos outros em nossa precária condição de seres frágeis e pequenos num universo tão vasto quanto difícil. A aventura de viver na Terra e de explorar o espaço exige coragem e solidariedade. Não temos mais do que o outro, que, mais do que algoz, pode ser a nossa inspiração e salvação.

O filme lembra que talvez pior do que passar dificuldades aqui no planeta azul, cercado de gente por todos os lados, é ficar abandonado lá em cima, onde viver é, nas atuais condições, impossível.
 

domingo, 17 de novembro de 2013

A queda do Águia Negra

Jorge Adelar Finatto
 
photo: j.finatto
 

Os destroços do aeroplano ainda estão espalhados em volta do chafariz, no centro da Praça da Ausência. Essa queda do Águia Negra não foi apenas a décima oitava na vida do piloto Nefelindo Acquaviva. Mas ao contrário das anteriores, não foi um acidente.

Um traiçoeiro tiro de bombarda, de autoria desconhecida, está na origem do rompimento das relações entre a igreja e a aviação em Passo dos Ausentes.

Nefelindo decolou com o Águia Negra do fundo de seu quintal na tarde de sábado. Sobrevoou cercas e telhados a muito pouca altura. Os vizinhos taparam os olhos e ouvidos com as mãos e abaixaram as cabeças, temendo pelo pior.

O ensurdecedor e absurdo objeto voador - espécie de motociclo com asas de besouro, contruído por Acquaviva no galpão do seu pátio - ganhou altitude a duras penas, descrevendo no ar um preocupante ziguezague.

Quando atingiu a marca de 40 metros, Nefelindo iniciou manobra para contornar a torre da igreja e rumar ao sul, na direção de Porto Alegre. O acalentado sonho do pioneiro da aviação em Passo dos Ausentes é aterrissar um dia na capital do Rio Grande do Sul. Com isso quer realizar dois objetivos: chamar a atenção da sociedade para a existência da cidade esquecida, que nem sequer no mapa está, e divulgar a prodigiosa invenção aeronáutica.

No momento em que começava a volta na torre, ouviu-se o assombroso estrondo do tiro de bombarda, cujo projétil passou a poucos centímetros do aparelho, desequilibrando-o nas alturas. O aeroplano bateu no alto da torre contra a cruz, que se partiu e despencou. Em seguida, a nave precipitou-se vertiginosamente, vindo a cair sobre o chafariz no meio da praça. A água amenizou a queda.

Naquela hora a banda municipal ensaiava no coreto. Os músicos correram e retiraram o que sobrou de Nefelindo de dentro do casulo. O médico, Dr. Fredolino Lancaster, 96 anos, único da cidade, compareceu ao local pouco depois da tragédia e fez o atendimento de urgência. Disse que era um milagre o piloto ter sobrevivido. 
 
Dois dias após, no hospital, pela tarde, todo enfaixado na cama, Nefelindo segurava um charuto entre os dedos, enquanto olhava através da janela. Nuvenzinhas brancas desfiavam entre os fios do negro bigode. Nisso chegou o chefe local da igreja católica, Dom Krauss. O padre usava o chapelão preto em forma de bacia virada para baixo. Dirigiu-se secamente a Nefelindo, com forte sotaque germânico.

- Eu o proíbo de invadir o espaço aéreo da igreja. Se isso acontecer novamente, eu mesmo me encarregarei de atirar contra seu pássaro insano. Acredite, Nefelindo, sou bom atirador.

- Cínico chapeludo - respondeu o aeronauta com a voz cavernosa. A cidade toda sabe que o tiro partiu do pátio da sua igreja. O senhor acaba de decretar o fim do nosso armistício. Nós da aviação não aceitamos intimidação nem ultimatos. Passou o tempo em que a igreja fazia o que bem entendia nesse fim de mundo. Prepare-se para o pior.

- Você não podia andar solto por aí, devia estar no hospício -, disse Dom Krauss, que se retirou furioso do quarto, abrindo espaço com os braços entre as duas enfermeiras que chegaram para atender o sobrevivente.
                              
               &        &        &

Juan Niebla, o músico cego que toca bandoneón na estação de trem abandonada de Passo dos Ausentes, foi até o jardim do hospital e, diante da janela aberta do amigo, executou Adiós Nonino, de Astor Piazzolla.
 
O perfume das madressilvas impregna o ar nesses tempos de primavera.

Somos ruínas vivas em progresso na nossa pequena cidade. Um lugar onde a neblina veio morar com a solidão. 

Mas temos, como nosso aviador, a ambição dos altos voos.
_______________

Texto revisto, publicado em 24 de setembro, 2010.
Mais sobre o Águia Negra no post de 5 de maio, 2010.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Dom Segundo Sombra

Jorge Finatto

pintura O Gaúcho, de Nélson Jungbluth.
fonte: Relatório Samrig - Moinhos Rio-Grandenses, 1981-1982
 
Guacho e gaúcho pareciam-me o mesmo, porque entendia que ambas as coisas significavam ser filho de Deus, do campo e de si mesmo. 
Dom Segundo Sombra, p. 228

Voltando de Cambará do Sul, no meio de muita chuva e frio, num setembro da vida, resolvi entrar em São Francisco de Paula para tomar um café com bolo na Livraria Miragem, um bom lugar para se encontrar não só livros como objetos de artesanato, além de bom atendimento.
 
Retirei da estante o livro Dom Segundo Sombra¹, do escritor argentino Ricardo Güiraldes (1886-1927), publicado pela primeira vez em 1926. Trata-se  de um clássico da literatura latino-americana, saudado por gente como Jorge Luis Borges.

O que foi decisivo para que o levasse para a mesa do café e, depois, para casa foi ver que o tradutor do espanhol para a última flor do Lácio, inculta e bela² era ninguém mais nem menos do que Augusto Meyer (1902-1970), notável escritor, intelectual e pesquisador porto-alegrense.
 
Comecei a ler enquanto bebia café e comia a inefável fatia de bolo da casa, seguindo-se um refrescante hidromel. O livro me pegou pela cabeça e pela emoção.

Ao ler Dom Segundo Sombra, nos transportamos para a vida dos tropeiros de antigamente, que trilharam os caminhos da formação da identidade do gaúcho, atravessando as grandes solidões do pampa argentino montados em lombo de cavalo, levando gado de um lado para outro. Mas não só gado: notícias, histórias, amizades, saudades, um modo de estar na vida. Aqueles homens levavam no íntimo uma visão de mundo temperada pelo sofrimento, pela dignidade e pela coragem.

A vastidão do silêncio impregnava seus gestos.
 
A história se passa em um cenário em que eles estão expostos a tudo, unidos no duro ofício. Nas difíceis andanças, sob chuva e sol, o horizonte parece ficar cada vez mais longe à medida em que avançam na marcha. Nesse ambiente hostil ao conforto, no qual o convívio social se dá por exceção, a figura feminina aparece em segundo plano. Os cavalos são os imprescindíveis companheiros de travessia. Güiraldes mostra, neste contexto, a iniciação de um jovem na áspera lida rural.


capa da primeira edição³

O jovem é Fábio Cáceres, meio sem eira nem beira no mundo, sem saber direito qual sua origem, perdido na bruma da falta de memória familiar, um guri abandonado, guaxo (isto é, que não tem mãe ou que dela foi separado ainda na amamentação. A. Meyer utiliza a grafia guacho, como no espanhol). Um sobrevivente num universo primitivo mas não destituído de grandeza humana.
 
Dom Segundo Sombra é um homem escuro, forte, andarilho, sozinho como muitos naquelas paragens e naquele tempo, resumido no modo de ser, habituado à ironia cevada daqueles que, como ele, passam a existência trabalhando para proprietários rurais donos de quase tudo. Homem, todavia, a quem a ternura não abandonou e para quem a liberdade se funda no possuir-se, e não no possuir, no feliz dizer de Leopoldo Lugones (1874-1938), no artigo que apresenta o livro.

Dom Segundo carrega muitas histórias, mistérios, saberes da terra, num viver que é a cristalização da imagem do trabalhador do campo. Nesse viver e nos códigos que o norteiam está a raiz da nacionalidade argentina. Uma espécie de protopersonagem, assim como o Martín Fierro de José Hernández (1834-1886). Ele traz uma sabedoria de longínqua origem, de vertente indígena. Sabe lutar como poucos, mas o uso da violência não faz parte do seu modo de ser e resolver as coisas.
 
O encontro do menino Fábio com Dom Segundo Sombra é determinante para ambos. Um resgate de sentidos em meio à solitude de espaços vazios que se perdem em confins.

A vida gira constantemente e muitas vezes se tem a impressão de que não chega a lugar algum. Talvez só a afeição humana possa nos salvar do desaparecimento na sombra opressiva do tempo.
 
Dom Segundo Sombra, o gaúcho por excelência, povoa o ambiente com sua observação aguda da vida e sua bondade, e não nega ensinamentos, conselhos e o contido afeto a Fábio, o qual deixa de ser um desamparado guaxo. Nasce entre eles uma amizade profunda com a marca da cumplicidade e do respeito que só o sentimento de gratidão e a admiração são capazes de criar.
 
 ______________

¹Dom Segundo Sombra, Ricardo Güiraldes. Tradução de Augusto Meyer. L&PM Editores, Porto Alegre, 1997.
²verso de Língua Portuguesa, poema de Olavo Bilac.
³photo do Museu Güiraldes, Argentina.
http://www.sanantoniodeareco.com/parque-criollo-y-museo-gauchesco-ricardo-guiraldes
 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Segredos do implúvio

Jorge Adelar Finatto


photo: j.finatto
 

I

Dizem
que escrever
poemas
é ofício
de pouco valimento

mas pouco se revelou
sobre a memória
da sombra
as paredes úmidas
da velha casa de madeira
o soturno corredor
onde se morria
um pouco todos os dias
sem notícia
sem amanhã

II

alguém precisava
recordar
os soturnos habitantes
da rua humilde
na cidade serrana

lembrar o cheiro
de suas vestes
as pedras soltas
na porta das casas

os casacos pretos
nas manhãs de geada

III

nada ou muito pouco
se disse
dos segredos do implúvio

eu me pergunto por que
esse vazio em torno

estaria no silêncio
acre das caves
o destino de partir?

trabalho lento
nas escarpas
do coração

IV

não fossem
os trilhos
do trem
o barulho santo
do trem
atravessando
a madrugada
criando ao menos
em tese
a possibilidade
da fuga
muitos teriam
desistido de tudo
ali mesmo
como fez Chico
o Esquecido

V

o coração não é
assim mero

cresce em segredo
na dura colheita

não se esvazia
o coração
como se esgotam
as cisternas

VI

alguém precisava contar
a náusea persistente
a longa e tortuosa estrada
que desce na Capital

melhor não inventar
histórias
de castelos e linhagens
que nunca existiram
e se houve
federam
como podem feder
as escadarias
dessas obscuras passagens
perdidas no planeta
que recolhem
seres rastejantes

VII

o que se registra
no tombo do tempo
é que há um menino
imóvel
à beira da jovem defunta

naquele lugar
a despedida
com alguma flor
sussurros abafados

ele pergunta
onde ela foi habitar

o que vê
é a morte
e seu absurdo trabalho
convertendo em pó
a luz dos olhos

________

Do livro O habitante da bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998.
 

domingo, 10 de novembro de 2013

Ilhas e taperas

Jorge Adelar Finatto 
 
photo: Eduardo Tavares. veleiro no Guaíba
 
 
Um dia desses saí a navegar pelo Guaíba no meu barco de papel.
Às vezes ele se chama Sonhador, outras, Solidão.
No itinerário, desembarquei em algumas ilhas.
Confesso me assustei com as taperas que encontrei.
Tapera, do tupi, aldeia extinta.
Habitação em ruína, lugar abandonado.
Filipo, o papagaio que sempre me acompanha, costuma dizer: tapera, é em nós que ela existe.
Nos nossos gestos vazios, nas nossas omissões, na impotência de mudar a vida, na indiferença.
De tão abandonadas, as ilhas se transformam em território de fantasmas.
Cada um de nós é uma ilha nessas águas tão fundas do viver.
Quando olho em volta da minha ilha, encontro outras ilhas. Muitas ilhas.
Apesar da quantidade e da proximidade, não formamos  um arquipélago.
Existimos isoladamente. Em certos dias flutuamos à deriva.
Os habitantes das ilhas querem falar e ser ouvidos.
Raros, contudo, dispõem-se a escutar.
Esse o flagelo que assola o mapa das ilhas.
Habitamos taperas modernas, com computador, blog, máquina de lavar, tv a cabo, aparelhos de som, ar-condicionado, elevador, secador de cabelo, mil coisas.
Em nosso íntimo, continuamos homens e mulheres das cavernas, com poucos amigos. Solitários, primitivos, ilhados.
Lutamos pra sobreviver, saímos à caça todas as manhãs, disputamos ferozmente espaços no  mercado de trabalho, no mercado de alimentos, no mercado das paixões. Com sorte, encontraremos nosso quinhão no mercado do amor.
Desconfiamos quando nos mostram o coração.
Dores e medos são curtidos no recesso como se não existisse mais ninguém no bairro, no edifício.
As nossas moradias, tugúrios onde nos escondemos. Planejamos a fuga para um lugar que não sabemos se existe, mas deve ser melhor.
Olho o movimento dos barcos na entrada do cais.
Ouço o ruído seco do vento na vela branca do veleiro.
Uma gaivota atravessa o rio.
O entardecer aprofunda o exílio.
Não conseguimos formar um arquipélago.
O Guaíba embala a solidão das nossas ilhas e taperas.

 
_____________

A photo do Eduardo não é uma maravilha?  Texto revisto, publicado antes em 04 de fevereiro, 2010.
 

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

António Zambujo vale um banquete

Carlos Alberto de Souza
 
António Zambujo. photo: Rita Carmo*
 
António Zambujo vale um banquete, mas saiu por quilo de alimento não perecível na gostosa noite da quinta (7/11) no Salão de Atos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Os que foram assisti-lo saíram nutridos com o que de melhor a música pode oferecer. Cantor maravilhoso, repertório maravilhoso, músicos maravilhosos.
Em algumas canções, Zambujo lembrou Caetano, pela afinação, beleza vocal e gorjeios. Mas também lembrou Chico, de quem cantou Valsinha, um dos grandes momentos do espetáculo, curtido por representantes da colônia portuguesa de Porto Alegre. E até as onomatopeias de João Bosco se insinuaram na voz do gajo do Alentejo (por sinal, onde fica a Portoalegre deles).
Zambujo é de primeiríssima grandeza, mas, pelo que se viu no palco e após o espetáculo, nos autógrafos do seu CD Outro sentido, desprovido de estrelismo. Dividiram a cena com ele os virtuoses Ricardo Cruz (contrabaixo) - da estatura de um Jorge Helder -, Bernardo Couto (guitarra portuguesa), José Miguel (clarinete) e João Moreira (trompete). Todos tiveram o demorado e reconhecido aplauso da plateia, que quase lotou o espaço.
O brincalhão Zambujo disse esperar que tenha sido a primeira de outras apresentações na capital gaúcha. Tomara. Assim também devem pensar o simpático Wiliam, que veio especialmente de Santos (SP) para o espetáculo, e o casal Verissimo e Lucia, que aplaudiu o artista português.
Para terminar, vale dizer que no segundo e último bis, António Zambujo cantou Foi Deus, de Alberto Janes, acompanhado apenas do contrabaixo de Ricardo Cruz. Caiu-lhe bem o verso “...Foi Deus que me pôs no peito um rosário de penas que vou desfiando e choro ao cantar / Fez poeta o rouxinol / Pôs no campo o alecrim / Deu as flores à primavera / Ai... e deu-me esta voz a mim”.
_________________
photo do site oficial do artista:
 Carlos Alberto de Souza é jornalista em Porto Alegre.
smcsouza@uol.com.br

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Anotações de primavera

Jorge Adelar Finatto


photo: j.finatto




Aqui na Serra as flores começam a dar o ar da sua graça, e que graça elas têm! As mais vistosas, nesse momento, são as hortênsias e as rosas.

Obra de arte é a que nasce da intervenção humana. Mas se abstraímos esse fato, podemos dizer que existe arte na natureza. Uma beleza que sempre se renova e nem todos percebem. Não entendo como algumas pessoas conseguem ficar sem olhar as flores.

Em cidades grandes, a ocupação desordenada do espaço e a redução drástica de áreas verdes tornam essa observação mais difícil. Uma possível saída é cultivar flores e hortaliças em apartamentos (sem colocar vasos nas janelas, que podem cair e machucar alguém).

As flores são exemplo, por excelência, da arte natural. Mas há muito mais, as paisagens, as matas, os pássaros, as nuvens, o sol, as estrelas fixas e as cadentes, os animais, as águas dos rios e oceanos, as borboletas, os ninhos e tanta coisa.

Claro que estou falando da face suave, deixando de lado o feio portentoso. Não estou considerando a destruição do meio ambiente e a rude indiferença em relação à natureza (como se pudéssemos viver sem ela).

photo: j.finatto

Estou conversando, portanto, em meio aos destroços, tecendo levezas de primavera num cenário de desolação. Provisoriamente lírico. Não consigo viver sem esses vôos minimalistas. O excesso de realidade é um grande estraga-prazeres, derruba qualquer rasgo contemplativo.

Mas o fato é que, apesar de tudo, ainda encontro felicidade no traço delicado de uma flor, no seu perfume, na sua cor.

A Terra é um delicado jardim azul vagando no espaço.

E um dia talvez vamos descobrir que o ser humano é a mais bela das obras criadas, não só em beleza exterior como, principalmente, em atributos éticos. Isto acontecerá quando o dinheiro, a vaidade e o poder não forem mais a medida de todas as coisas.
 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O espantalho no milharal

Jorge Adelar Finatto
 

photo: j.finatto

 
Se parar de escrever na casa do labirinto, nesta difícil procura de claridade, se o silêncio e o medo crescerem ao meu redor como um vasto milharal habitado por estranho espantalho vestido de negro, com grossas lentes nos óculos que não ampliam a progressiva e asfixiante pequenez das coisas, esse tal que desistiu do ofício de espantar, sendo ele próprio o contumaz espantado no oblíquo território da existência, se os amigos esquecerem de me visitar nas ermas noites de inverno, se um pássaro soltar o canto no galho da araucária diante da minha janela, se essas palavras que escrevi servirem, ao menos, pra distrair o leitor (?) do problema da morte e da inefável falta de sentido da vida, eu sentirei que valeu a pena.

________

Araucária vista da janela, Passo dos Ausentes.
Texto revisto, publicado em 13 de abril, 2011.
 

domingo, 3 de novembro de 2013

El largo viaje de placer

Jorge Adelar Finatto
 

Um livro cativante, intenso do início ao fim, dos melhores que li nos últimos anos. A Longa Viagem de Prazer, contos do escritor uruguaio Juan José Morosoli (1899-1957), publicado em outubro de 2009 pela editora L&PM, com tradução de Sérgio Faraco, é dessas obras que lastimamos não ter conhecido mais cedo. São nove  pequenas histórias que tratam da vida solitária e comum de homens e mulheres que vivem no interior do Uruguai.

A grandeza humana e dramática que encontramos nesses personagens é a mesma presente nas grandes obras da literatura universal. A poesia pulsa em cada um desses relatos povoados de densa humanidade, nos quais nós, habitantes deste mundo ermo e estranho, nos reconhecemos como diante de um espelho.
 
A maestria literária de Morosoli coloca-o ao lado de importantes autores do continente americano, como Julio Cortázar, Juan Carlos Onetti, Borges, Guimarães Rosa, Steinbeck, García Márquez, Dyonelio Machado.
 
Conforme salienta, com rara sensibilidade, o editor, crítico literário e ensaísta uruguaio Heber Raviolo, no excelente prólogo que escreveu para esta edição, os seres morosolianos "se radicam num lugar, num pago, num pueblo, ou andam pelos caminhos sem destino, sem saber o que buscam e nem se de fato buscam, numa espécie de contemplação de si mesmos ou de sua própria condição. El drama del hombre de este tiempo es tal vez  el haber perdido la facultad de sentirse vivir, disse Morosoli, e no tempo estancado, que é o tempo de sua obra, suas personagens parecem empenhadas, obstinadamente, em sentir-se vivas, aferradas, sem o saber, a certas categorias humanas elementares e por isso mesmo essenciais. Viventes de um tempo morto, ou condenado a morrer, é o que poderíamos dizer dos seres morosolianos." (pág. 13). 
 
Ainda segundo Raviolo, o escritor deixou uma obra pequena, "mas sólida e absolutamente pessoal", centralizada nos relatos breves.
 
Juan José Morosoli nasceu na interiorana cidade de Minas e dela nunca saiu. Cedo abandonou os estudos para trabalhar. Entre outros ofícios, foi atendente de livraria e bazar, dono de dois cafés e teve um armazém e depósito de mercadorias.
 
Resta esperar que outros títulos de Morosoli sejam vertidos para o português e lançados no Brasil. E quem viajar ao Uruguai não esqueça de trazer na bagagem ao menos um livro deste grande autor.
_______ 
 
A Longa Viagem de Prazer, Juan José Morosoli, tradução de Sérgio Faraco, Coleção L&PM Pocket, Porto Alegre, 2009. Resenha publicada em 6 de setembro, 2010.
 

sábado, 2 de novembro de 2013

Os últimos acendedores de lampiões


Jorge Adelar Finatto
 
photo: j.finatto
 

No entardecer, quando o sol morre atrás do Contraforte dos Capuchinhos, os dois acendedores de lampiões saem às ruas para dissipar a escuridão. Érico tem 80 anos e Dyonelio, 85. São os últimos remanescentes da Companhia de Iluminação de Passo dos Ausentes.
 
Inauguram a luz com seu gesto, esconjuram as trevas.
 
A nostálgica claridade noturna de nossas 20 ruas é invenção de 80 lampiões nelas espalhados. É assim desde 1925. A cidade parou no tempo a partir de então.
 
Érico e Dyonelio exercem o ofício desde a adolescência, quando ingressaram na companhia como aprendizes. Com a aposentadoria dos acendedores mais velhos, e diante do brutal esvaziamento da cidade (os jovens muito cedo vão-se embora à procura de estudo, trabalho e aventura; os velhos acabam morrendo e mudam-se em definitivo para os campos da ausência), não houve renovação dos iluminadores.

Somos uma cidade perdida no tempo e no espaço. Somos poucos. Habitamos os Campos de Cima do Esquecimento.
 
Os últimos acendedores de lampiões fizeram um pacto. Trabalharão até o dia da morte para não deixar a cidade entregue ao breu profundo. Eles acreditam que quando não mais saírem às ruas para acender os lampiões forças malignas tirarão proveito da escuridão e expulsarão nossa cidade do sistema solar.
 
Precisamos evitar a todo custo que se cumpra o presságio do padre Eleutério Ombra, enunciado em 1755, de que uma nova São Miguel das Missões se ergueria perto das nuvens, sobre altas montanhas, com graça e fulgor.
 
Advertiu, todavia, o velho sacerdote, que uma grossa sombra rondaria sempre esse lugar e poderia devorá-lo. Os filhos partiriam cedo para o mundo e não voltariam, deixando os pais envoltos nas eternas brumas da solidão.
 
photo: j.finatto

Depois que exércitos espanhóis e portugueses destruíram São Miguel, em 1756, alguns padres jesuítas e índios guaranis, sobreviventes do massacre, fugiram e fundaram Passo dos Ausentes.
 
Uma grande angústia, hoje, toma conta das pessoas por aqui. Vivemos numa cidade condenada ao desaparecimento. Cada um é insubstituível. Nem ao menos figuramos no mapa do Rio Grande do Sul, não há reconhecimento oficial por parte do governo.
 
Na capa do processo que tramita há quase duzentos anos no túnel burocrático, no qual postulamos elevação à condição de cidade, está escrito: burgo de fantasmas, vila mal-assombrada. Assim o governo nos trata.
 
O tempo, em Passo dos Ausentes, é uma ferida que não pára de sangrar.

Somos poucos. Somos invisíveis. Somos habitantes dos Campos de Cima do Esquecimento.

 _______________

Do livro A cidade perdida: as origens. Editora Vésper, Passo dos Ausentes, 2003.
Texto revisto, publicado no blog em 22 de janeiro, 2011.