terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Mares de 2014

Jorge Adelar Finatto 
 
Veleiro Cisne Branco. photo: Marinha do Brasil
 

Espero que neste novo ano cada um consiga levar seu barco pela vida da melhor maneira possível. De preferência sem grandes tempestades. Sobretudo, sem nenhum naufrágio.  Boas histórias nos reserve a travessia, com belas pessoas, ilhas e portos por conhecer. Se fizer chuva e ventania pelo caminho, que encontremos abrigo seguro e tenhamos no coração a lembrança dos dias de sol.

Desejo aos leitores saúde durante a viagem. Tudo de bom. Afeto, convivência, compromisso. Ânimo, muito ânimo pra fazer o que precisa ser feito.

Os passos do silêncio, as necessárias mudanças interiores, sem as quais nada mudará. E força, muita força pra deixar pra trás o irremediável.
 
Algumas coisas. A nesga de sonho na janela da realidade. Um pala novo de lã crua pra enfrentar o vento, a chuva, a solidão e o medo. Um novo amigo, amiga.
 
Quero abandonar a idéia de perfeição, abraçar a do possível, a do que é em movimento. Vou esquecer as desilusões e mágoas e isso vai ser um grande passo.

Quero livros com letras maiores. Lentes mais leves nos meus óculos.
 
Perdoar a quem nunca pediu perdão e ser perdoado. Acreditar mais nas pessoas, duvidar menos da vida, da existência após a morte e de mim.
 
Encontrar bons livros e conhecer novos autores que se ocupem mais do que escrevem do que com suas fulgurantes pessoas. O mesmo vale pra músicos, filósofos, jornalistas, médicos, operadores do Direito, atores, esportistas, blogueiros, vaidades gerais.
 
Comprar um barco a vela, concluir a leitura de Em Busca do Tempo Perdido, compreender melhor meus dessemelhantes, conhecer a Índia, passar uma tarde em Plutão. Ter mais paciência com o Brasil. Lembrar onde esqueci meu velho guarda-chuva.
 
Em 2014 vou tomar mais banho de chuva, subir mais vezes no telhado para observar as nuvens de perto.
 
Construir uma escada em caracol solta no espaço e, lá no alto, vou desenhar uma janela para admirar as flores do pátio e as estrelas sem fim.
 
Conversar mais com Deus, domesticar o medo de morrer assim de repente, sem me despedir de ninguém.
 
Que o tempo a ser escrito valha a pena, palavra por palavra.
 
 
photo: j.finatto
  

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Motivo

Jorge Adelar Finatto


photo: j.finatto

Nesta estação de fim de mundo
atrás de morro, feijão refogado
bilha, ventanas abertas
o louco devora o coração


_______________

Do livro Viveiro, Jorge A. Finatto, Edições Sanguinovo, São Paulo, 1981.
A estação de trem de Passo dos Ausentes:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2013/06/a-estacao-de-trem-de-passo-dos-ausentes.html 

domingo, 29 de dezembro de 2013

Um blogue de capa e espada

Jorge Adelar Finatto

Guy Williams, como o Zorro, década de 1950


Um dia desses alguém escreveu que os blogues fazem parte da pré-história da internet. É sempre assim, pensei com meus três botões. Quando acredito que estou fazendo algo novo e diferente, esse algo não existe mais ou já saiu de moda.

Pensando bem, porém, acho que os blogues têm ainda algum interesse. Se tiver um conteúdo honesto e for transparente, pode atrair leitores. Uma apresentação visualmente agradável ajuda.

Um leitor enviou um e-mail. Observa que meu blogue é primitivo, não tem efeitos visuais, filmes, sons, nem recursos técnicos que o tornem mais atrativo. Os textos não comentam fatos do momento nem são de autoajuda. Um blogue insosso, sem nenhuma graça, enfim. Tem razão o nobre leitor.

O que sei fazer, mal e mal, é publicar algumas linhas acompanhadas de fotos. As matérias tratadas não destacam temas específicos nem obedecem a critérios de atualidade, nascem da subjetividade e do caos mental e/ou espiritual do autor. No mais, não sei ou não quero fazer outra coisa.

Um autêntico blogue de capa e espada, portanto, desses que acreditam na luta do bem contra o mal e na vitória da bondade ao final, da beleza contra a fealdade, do sentimento e do pensamento contra a brutalidade e a indiferença, bem ao estilo do velho, incomparável e invencível Zorro, interpretado pelo grande ator americano Guy Williams (photo).

As pessoas não vêm aqui para saber as últimas notícias nem para ler a minha opinião sobre elas. Uma razão que não alcanço faz com que os leitores visitem esta página rude. De qualquer forma, a presença deles é um estímulo para eu continuar traçando palavras e caçando imagens.

O notebook, pra mim, é uma velha máquina de escrever com luzinhas dentro que algum ET esqueceu aqui na Terra. Mas o fato é que gosto mesmo de escrever à mão, e só depois digito no computador. Um escritor das cavernas.

A internet tem um lado obscuro, pelas armadilhas e violências que esconde. Mas é, sobretudo, uma alternativa democrática, uma janela que se abre para a comunicação entre indivíduos e para a liberdade de expressão. O que é bom permanece pela qualidade que agrega à vida das pessoas; o ruim desaparece no buraco da própria ruindade que semeia.

_______________

jfinatto@terra.com.br
Texto atualizado, publicado em 16 de maio, 2012.

sábado, 28 de dezembro de 2013

É preciso recomeçar tudo

Jorge Adelar Finatto 

photo: j.finatto
 

É preciso recomeçar tudo
traçar o novo amanhecer
nas ruas da cidade

é preciso enterrar os mortos
varrer os destroços
abrir as portas para o sol
fazer seu trabalho

_______

Poema do livro O Fazedor de Auroras. Jorge A. Finatto. Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.
jfinatto@terra.com.br
 

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

A claridade do coração

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto


 A trevosa sintaxe da vida. Nas almas a escuridão cativa.

Fugidias imagens me perseguem. Nos urdimentos do bandoneón, busco outras claridades. Viver longe do abismo, no vero amanhecer, eu busco.

Eu, Juan Niebla, venho do neblinoso. Trouxe o calepino?

Tenho andado pela vida à procura de luz. Essa que vem de dentro. A escuridão está por toda parte, principalmente nos corações.

As trevas-mestras sustentam o mundo.

Bem-vindo o que vem em paz e desarmado. Os regulamentos da amizade eu cumpro. A minha casa está sempre aberta ao que chega sem falsidade. Vivo os bons momentos da minha música. Nos enquantos, porque amanhã é escuro no alto e no fundo. Anote, por favor.
 
A treva foi inaugurada com a luz principial.

Isto é demanda antiga lá do céu. A velha contradição, o bem contra o mal. A luta imemorial. Mas também os complementos, um talvez não existe sem o outro. Sei lá o que digo. Estou exausto disso tudo. 
 
Em termos de arriscada filosofia, caminho em beira de precipícios.

A maldade não tem sala na minha casa. Sou músico de bandoneón e antiga memória, na estação de trem abandonada de Passo dos Ausentes.

Espero com o ouvido a chegada do invisível trem. Cego desde os 16 anos, sim, senhor. O resto é o breu e se dissipa quando toco meu instrumento no velho banco.
 
A vida é dura? Pra completar, é breve. Somos um ato-falho da criação.

Sou homem de fé, Deus me perdoe. Se vive. Fazemos o que é possível, às vezes muito menos, às vezes pouco mais. Quase tudo é retórica para o distinto público. Quem nas alheias falas se reconhece.

Somos ferida em carne viva, vivo pensamento. Se vive. Está anotando?
 
O certo é que, na vida como na arte, a gente fracassa sempre. Falta aquele grito, aquela palavra, aquela revolta na hora certa, o remate contra a escuridão, aquilo que não foi dito nem lembrado.

A expressão clara, pura emoção. Os impossíveis.

O ora-veja, em assunto de arte, só a divina obra tem. Deus é artista caprichoso, no atacado e no miúdo, como outro igual não há. Conseguiu escrever?
 
Pediram-me um ensaio falado sobre as cores remotas do outono. Mas eu só sei, só vejo o que sinto.


photo: j.finatto
_____________

Juan Niebla é músico em Passo dos Ausentes. Admitido por concurso público, ocupa o cargo de músico municipal desde 1943. Toca bandoneón na estação de trem abandonada da cidade. Tem 87 anos, é cego desde os 16.

Texto atualizado, publicado anteriormente em 23 de março, 2011.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Natal, luz para todos

Jorge Adelar Finatto 

Aglomerado de estrelas. photo da Nasa
 

Jesus, como filho primogênito, antes da vida na Terra, foi auxiliador de Deus na tarefa de criar o mundo. 
 
A Bíblia refere-se a Cristo como sendo a luz capaz de iluminar as trevas da existência. No Evangelho de João, Jesus diz: "Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, de modo algum andará na escuridão, mas possuirá a luz da vida."(João 8: 12)

O que se reverencia no Natal, atualmente, nada tem a ver com essa Luz, mas com papai noel, gnomos, imagens, presentes, publicidades mil, comércio furioso. A tal ponto o consumo invadiu esta data que muita gente não sabe ou olvida seu verdadeiro sentido.
 
Alguns se sentem muito infelizes por não ter condições de dar ou receber presentes. A maioria das pessoas esquece que o grande presente, o maior de todos, é o nascimento e a palavra de Jesus.
 
O evangelista João relaciona Cristo, essencialmente, com a palavra. Logo nas primeiras linhas de seu evangelho: "No princípio era a Palavra (Verbo, em algumas traduções), e a palavra estava com o Deus, e a palavra era (um) deus. Este estava no princípio com o Deus. Todas as coisas vieram à existência por intermédio dele, e à parte dele nem mesmo uma só coisa veio à existência." (João 1-3
 
A Palavra é Jesus, "um Deus", isto é, um poderoso ser espiritual (que tem capacidade de poder), por intermédio de quem todas as coisas vieram à existência.

Jesus, como filho primogênito, antes da vida na Terra, foi auxiliador de Deus na tarefa de criar o mundo. Única criação direta de Deus, a Palavra é vida e é luz.
 
Por que Jesus é chamado de Palavra? Segundo o Estudo Perspicaz das Escrituras, assim o é por atuar como a Boca ou Porta-Voz de Deus, seu Pai. "Ele era a Palavra de comunicação de Deus para transmitir informações e instruções aos outros filhos espirituais e humanos do Criador".*
 
Que o Natal nos traga iluminação espiritual através da Palavra, que é pura luz.

Bom Natal com saúde, fé e esperanças a todos!
 
_______________
 
*Estudo Perspicaz das Escrituras, volume 3, p. 163. Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, São Paulo, 1992.
 

domingo, 22 de dezembro de 2013

Arte do grafite e a difícil paisagem

Jorge Adelar Finatto

imagem do filme Cidade Cinza
 
A arte do grafite é uma forma de expressão que ganhou força nas últimas décadas. Continua sendo motivo de discussões e incompreensões. Muitos aceitam, outros a rechaçam, por entender que suja a cidade e polui visualmente.
 
A primeira pergunta que pode ser feita, no meu entender, não é propriamente quem faz e por que faz grafite, mas por que se permite tanta parede e tanto muro, de forma desorganizada e desumana, em nossas cidades.

O grafite é a ocupação gráfica e lúdica do espaço público tomado pelo cinza medonho dos edifícios e do concreto, pela dureza dos muros e construções, pela frieza das intermináveis avenidas, pelo perigo, pelo ruído e fumaça dos veículos.

A grande cidade é um lugar inóspito pra se viver. Vive-se do jeito que dá, porque, como as baratas, somos indestrutíveis.
 
Os imensos paredões verticais, túneis e viadutos sufocam e remetem a um sentimento de prisão no enorme labirinto. Câmeras espalhadas por todo lugar vigiam os movimentos dos viventes.

A agressão aos sentidos é constante. A violência e o crime tornaram-se banais. As vítimas são só um número nas estatísticas. Parece não haver saída. Como no livro 1984, de George Orwell, viver é mera concessão do Grande Irmão que a todos governa e persegue. Não há outra possibilidade além de calar e adaptar-se.
 
Os fazedores de grafite, em geral, exprimem a sensibilidade acuada e ferida. Querem deixar sua marca, um traço que ecoa como um grito na paisagem difícil. Desde uma rude linha até uma composição figurativa elaborada e reflexiva. Estão aí.

grafite em P. Alegre. photo: j.finatto

É claro que nem tudo é arte nesse universo que tem nas ruas seu ambiente natural. Há riscos e signos de tal forma caóticos e agressivos que aumentam, ao invés de diminuir, a sensação de soledade e isolamento. A pichação, via de regra, tem esse efeito e é muito pobre. Pichar é rabiscar qualquer coisa que colabora para a poluição visual, tal como ocorre com a maior parte dos anúncios publicitários colocados na via pública.

grafite em travessa de P. Alegre. photo: j.finatto

O grafite artístico adquiriu status não faz muito tempo e veio depois de muito debate e confusão. No início era tratado como caso de polícia e já configurou conduta passível de reprovação penal. Atualmente, o parágrafo 2º do art. 65 da Lei nº 9.605/98 descriminaliza, em certa medida, o grafite, enquanto manifestação de arte:

"Não constitui crime a prática de grafite realizada com o objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado mediante manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário e, quando couber, pelo locatário ou arrendatário do bem privado e, no caso de bem público, com a autorização do órgão competente e a observância das posturas municipais e das normas editadas pelos órgãos governamentais responsáveis pela preservação e conservação do patrimônio histórico e artístico nacional. (Incluído pela Lei nº 12.408, de 2011)"

grafite dOs Gêmeos em São Paulo

Penso que a lei penal não é a melhor maneira de tratar do assunto, nem o processo penal o lugar mais favorável para refletir sobre este tipo de conduta. Medidas administrativas deveriam ser suficientes. O debate dever ser cultural, ambiental, antropológico e sociológico, estimulado no âmbito da União, Estados e Municípios com a comunidade interessada.

Cartaz do filme Cidade Cinza

A tendência de criminalizar condutas que a rigor não precisam deste tratamento torna a vida em sociedade mais complicada do que já é, e não resolve situações de conflito. A norma penal não substitui o indispensável diálogo.

O documentário Cidade Cinza, em cartaz em Porto Alegre, trata da questão na cidade de São Paulo. Mostra que houve uma evolução no entendimento do grafite por parte das autoridades, que em alguns casos já o aceitam e respeitam como forma de arte. Principalmente a partir do reconhecimento internacional de grafiteiros como Os Gêmeos (autores do grafite no alto do post), Nunca e Nina, entre outros. 

Mas ainda há muita incompreensão sobre o tema. De acordo com o filme, equipes da prefeitura paulista saem às ruas para apagar aqueles traços que não consideram arte. São pessoas sem qualquer formação na matéria que decidem entre o que fica e o que vai ser eliminado. De resto, nem sempre é fácil discernir sobre o que é grafite e o que é pichação. Certamente não podem ser pessoas despreparadas, sem informação, a decidir o que apagar, se é que se deve apagar (salvo casos excepcionais). Em geral, o apagamento é um convite a nova pichação.

Imagem do filme Cidade Cinza

De qualquer forma, cada vez mais se autorizam espaços públicos e particulares para a prática do grafite nas cidades brasileiras, o que é sempre recomendável. Representa uma compreensão superior dessa manifestação, além de trazer colorido e beleza para o sofrido cenário urbano.

O grafite é perecível por natureza, constantemente exposto a fatores como sol, chuva, vento, poluição. A seu favor, o fato de ser arte democrática, a todos acessível nas nossas ruas, e que se presta à expressão de pessoas de diferentes idades, origens e condição social. Tem o mérito de quebrar um pouco o cinza, o duro concreto, o insuportável vazio, a rigidez das almas, a indizível solidão da cidade.


grafite em rua de Porto Alegre. photo: j.finatto


______________

Basquiat:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2010/11/basquiat-anjo-caido-expoe-em-paris.html
A arte das ruas:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/12/a-arte-das-ruas.html
 

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ilhas do tempo

Jorge Adelar Finatto


Ilha das Pedras Brancas. photo: j.finatto


O barco passa diante da Ilha das Pedras Brancas, entre Porto Alegre e Guaíba. Um lugar tão bonito com um passado tenebroso: ali, durante a ditadura militar (1964 -1985), funcionou um presídio para presos políticos. Quem dissentia do poder, e demonstrava isso por palavras ou ações, tinha grande chance de ir para o claustro. Alguns morreram por não concordar, por dizer não. Tempos tristes. 
 
O que parecia eterno, para quem viveu na pele aquela escuridão, passou como tudo passa. Mas durou muito e deixou marcas profundas. No meu caso, e no de muitos, durou o tempo da juventude.

A democracia é o menos ruim dos regimes políticos, já se disse, pois possibilita que a sociedade participe da escolha dos que vão ter o poder nas mãos e dirigir o Estado. Sistema perfeito não existe, uma vez que o próprio ser humano longe está da perfeição (longe, muito longe). A democracia é o que temos de melhor em política.

Ditaduras, sejam elas de direita ou de esquerda, são o inferno. Por mais que seus líderes digam que querem o bem da humanidade, o que eles querem mesmo é o máximo bem para si mesmos, para os familiares, amigos e correligionários.

Nada autoriza a permanência no poder pela força bruta. O apelo à violência, seja de que lado for, é um grave erro. Gente como Mahatma Gandhi mostrou que é possível lutar sem dar um tapa e muito menos um tiro.

É outra coisa viver num lugar onde os direitos e garantias individuais e coletivos são respeitados, no qual os cidadãos têm deveres a cumprir. Ao menos existe esperança.

Poder sonhar e trabalhar por um melhor amanhã é a única coisa que justifica sair da cama todos os dias. Senão, é preferível ficar deitado.

photo: j.finatto.  Guaíba, visão da saída para a Lagoa dos Patos

Mas falemos de coisas amenas nesses dias tão quentes. Fiz essas imagens na travessia de Porto Alegre para a cidade de Guaíba a bordo do catamarã. O tal barco anda bem rápido (dura cerca de 30 minutos o percurso). Por mim até podia ser mais lento.  O mundo todo podia ser mais lento. Mas, afinal, está certo, não é embarcação de passeio, mas de transporte público.

Esse rio Guaíba é tão largo, volumoso e extenso que até parece um mar.

Olhando o mapa se vê: depois do Guaíba vem a Lagoa dos Patos, esta sim conhecida como Mar de Dentro. Um mar de água doce que se estende por quase 300 km até o Atlântico Oceano. Em longos trechos da Lagoa não se avistam as margens, só água.

Peixe, muitos peixes, vento, gaivotas e ilhas. Navios afundados também.

Gosto muito de navegar em barco e avião (sou um bicho das águas e do ar). Mas nada se compara ao sentimento de, ao final, pisar em terra firme outra vez.

Voltar para casa, reencontrar as tralhas, os objetos e recantos caseiros, mergulhar outra vez nesse território minimalista. Ainda é a melhor parte de qualquer viagem.

Somos uma pequena ilha no mar do tempo.

Da mínima ínsula miramos as estrelas, as águas, os céus, os seres.

Ir ao encontro de outras ilhas é a mais bela e difícil aventura. A verdadeira missão do navegante.

__________________

O barco mais triste do mundo:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/11/basofias-o-barco-mais-triste-do-mundo.html

Brasil, árvore frondosa
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/10/brasil-arvore-frondosa.html

Cuba e os direitos humanos:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2010/03/cuba-e-os-direitos-humanos.html

Ilha das Pedras Brancas:
http://ilhapedrasbrancasguaiba.blogspot.com.br/p/quem-somos.html
 
Texto revisto e atualizado, publicado antes em 16 de janeiro, 2013.
 

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Os passos do andarilho

Jorge Adelar Finatto


photo: Maria Fumaça. Autor: Almir Dupont
fonte: Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves*


Meus olhos já não sabem
senão contemplar dias
e sóis perdidos. Ouço
rodar velhas charretes
nas ruas de Sinera!
                                Salvador Espriu


A condição de leitor - o que essencialmente sou - se parece com a do viajante de trem. Sou feliz quando entro num vagão ou num livro e saio por aí a conhecer pessoas, lugares, histórias. De face em face, lugar em lugar, página em página.

Um observador amoroso do mundo é como me sinto. Calado embora, quase invisível.
 
Uma vez embarquei no trem que vai de Lisboa a Paris. Um trem do tempo antigo, que não é de alta velocidade (o que eu acho muito bom). Andar de trem é para olhar a paisagem, não voar.

A viagem começou às quatro da tarde, durou toda a noite e se estendeu pelo dia seguinte com troca de trem na Espanha. Como aquelas viagens que eu fazia, quando menino, de Passo dos Ausentes a Porto Alegre: uma eternidade, mas uma eternidade boa.

O comboio, como dizem os portugueses, pára em várias cidades lusitanas, espanholas e francesas. Eu não dormi a noite toda. Fui admirando as paisagens noturnas.

Chegar numa cidade estrangeira de trem, de madrugada, tem um gosto especial. As ruas dormem. Um ou outro vivente aparece na esquina, na calçada. Um cachorro atravessa a rua. As luzes dos postes iluminam as cercanias. Silêncio, vida recolhida. Realidade submersa.

As estações quase desertas. Nenhum sino toca. O relógio gira lentamente nas paredes das gares. A vida gira lentamente.


photo: j.finatto
  

Na condição de andarilho de livros e cidades, acabo de descobrir - ó felicidade - o poeta espanhol Salvador Espriu. Um encontro desses não se esquece.

A insônia, às vezes, verte luz na escuridão.

Um dia desses dias perdi o sono. Devia ser por volta das 4 da madrugada. Chovia. Últimos dias de dezembro que se arrastam feito uma carreta velha por estrada de chão.

Resolvi ligar a televisão no canal espanhol (acho que foi na tv educativa deles). Passava um programa sobre o poeta Salvador Espriu (1913-1985), de quem nunca ouvira falar, com depoimentos dele próprio, de leitores e estudiosos.

Um ator e uma atriz diziam poemas. Aqueles versos e as declarações do poeta produziram em mim tal encanto que lamentei muito não tê-lo conhecido antes.

Ouçamos algumas coisas que consegui anotar, ditas pelo catalão Espriu, que celebrou em sua obra a amada Arenys de Mar, cidadezinha a 40 quilômetros de Barcelona, de onde sua família era originária e que nos seus poemas se transfigura em Sinera, o nome da cidade escrito ao contrário:

 
"A principal qualidade de uma pessoa não é a inteligência, mas a bondade."

"Sou um artesão da linguagem, simples aprendiz."

No seu exílio interior, com suas memórias e seu existencialismo, partilhado com filósofos como Sartre, o poeta escreve visceralmente e nos comove.

Contemplo
calmos ciprestes no amplo
jardim do meu silêncio.

No outro dia, telefonei para a livraria e me disseram que o único livro de Espriu traduzido no Brasil (diretamente do catalão, que é bem diferente do espanhol) é a coletânea 4 poetas da Catalunha, com organização e tradução de Luis Soler (espanhol radicado em Florianópolis), publicado pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina em 2010. Uma breve mostra. Retirei da antologia os versos aqui transcritos. Os outros poetas são Joan Maragall, Carles Ribas e Joan Oliver (Pere Quart).
 
Ando agora atrás de livros de Salvador Espriu em espanhol. Um poeta rigoroso no viver e no escrever, que não usa falsos enfeites de poeta, e que tem tanto a dizer e disse. Grande, generoso, humilde. Um caso sério - mais um - de poesia e humanismo da velha Espanha.

Pois eu morro
sem nenhuma ciência,
rico somente em passos
de perdido andarilho.

___________________
 
 

domingo, 15 de dezembro de 2013

O silêncio de Van Gogh

Jorge Adelar Finatto
 
 
Ladeira que desemboca no campo onde Van Gogh pintou
o Trigal com Corvos, em Auvers-sur-Oise, e onde teria se suicidado.
photo: jfinatto
 

Não sei e provavelmente ninguém nunca saberá o que se passou na cabeça e no espírito de Vincent Van Gogh (1853-1890) enquanto subia,  vagarosamente, o íngreme caminho que termina no campo onde pintou, poucos dias antes, o Trigal com Corvos, na parte alta de Auvers-sur-Oise, pequena cidade perto de Paris. Naquela caminhada vivia seus últimos momentos neste mundo. Ainda hoje aquele lugar é um território de silêncio e mistério.
 
Era então um homem no vigor dos seus 37 anos, na plenitude de sua arte. Havia, é certo, as crises intermitentes da doença que o atormentava (até hoje não se sabe se esquizofrenia, epilepsia, melancolia mórbida, etc.). Hoje há médicos que acreditam que o pintor talvez sofresse de bipolaridade.

O fato é que Vincent sobe a ladeira e a morte o espera no alto da colina.
 
Que louco amor ou pura desilusão carrega no peito magro? Que cores o acompanham agora pelo caminho? Em que instante retirará do bolso do casaco o pequeno revólver e o segurará entre os dedos trêmulos? Quem, minutos após, terá apertado o gatilho em meio do campo, disparando a bala que o ferirá mortalmente?


Último quarto de Van Gogh. Last bedroom of Van Gogh. Auberge Ravoux.
photo: j.finatto

Escada que leva ao quarto de Van Gogh. photo: j.finatto


Auvers-sur-Oise é o cenário no qual Van Gogh viveu os últimos cerca de 70 dias de vida. Em 21 de maio de 1890, mudou-se para a cidade que tinha tradição em acolher pintores, muitos deles atraídos pelo médico Paul Ferdinand Gachet (que tem consultório em Paris e uma casa em Auvers). Hospeda-se no Auberge Ravoux*, onde é bem recebido pelo proprietário e sua família (hoje funciona no local a Maison de Van Gogh, que merece uma visita).

Gachet, que é pintor amador e amigo de artistas plásticos, aceita tratar Van Gogh nesta cidade, para onde o artista se dirige após um período de internação voluntária em hospital nas cercanias de Saint-Rémy-de-Provence.

Igreja de Auvers. photo: j.finatto


photo: j.finatto


Em Auvers Van Gogh experimenta um dos melhores períodos de sua breve existência. As coisas vão bem até o dia em que, sem razão aparente, desfere um tiro contra o abdômen, no campo, em 27 de julho de 1890. Morre dois dias depois, em 29 de julho, a uma e meia da manhã, tendo ao lado da cama, no quartinho pobre do modesto Auberge Ravoux, perplexo e devastado, o irmão Theo. 

Eu tenho dúvida quanto à versão do suicídio, embora os informes nesse sentido. Concordo com os que acham que alguém pode ter atirado no pintor.

O que aconteceu realmente quando chegou ao campo? Quem o esperava? Haveria uma disputa pelo amor de uma mulher que teria resultado numa briga e ele levou a pior? Quem sabe? Talvez só os corvos.

De qualquer forma, ele não fez qualquer revelação acerca das circunstâncias do tiro antes de morrer. A verdade morreu com ele. Não parece plausível que tenha se matado justamente num período de intensa felicidade e de profunda integração na vida e na arte, tendo produzido mais de 70 quadros no curto tempo em que ali esteve.

photo: j.finatto

Prefeitura de Auvers. photo: j.finatto

Edifício da Prefeitura, Auvers. photo: j.finatto

 
A absurda calma de Vincent, ferido e fumando seu cachimbo, deitado na desconfortável cama do quarto que nem janela tinha, pouco antes de morrer, viria do fato de antever na morte a libertação do sofrimento que o acompanhou pela vida toda?

"Fracassou" em quase tudo. Não teve um trabalho que lhe assegurasse o sustento, não constituiu uma família, não teve amizades duradouras, não encontrou uma companheira, não foi amado nem amou como esperava. Sempre dependeu do irmão mais novo, Theo, comerciante de quadros em Paris que lhe garantiu a subsistência. Personificou aquilo que hoje se denomina, de forma crua, asquerosa e grosseira, um perdedor.


photo: j.finatto. Túmulos de Vincent e Theo

Quem fracassou e perdeu o quê? Vincent libertou as cores e legou à humanidade uma das obras mais impressionantes que um artista já construiu. Com que régua se mede o perdedor? Quem é vencedor nesse teatro do absurdo que é viver?


photo: j.finatto
 

 
Sofreu a indiferença dos contemporâneos, a falta de reconhecimento, não fez quadros para agradar, não foi o queridinho da imprensa e dos críticos. Vendeu pouquíssimas obras em vida, fala-se em um, talvez dois ou três quadros. Mas sabia o que estava fazendo com suas mãos, viu o que ninguém mais conseguia ver.


photo: j,finatto
 


O "perdedor" foi o único que não se beneficiou da extraordinária obra que entregou ao mundo. Somos herdeiros da maravilha e nada fizemos por merecê-la. Que pelo menos haja, de nossa parte, em homenagem ao artista, um esforço para valorizar e respeitar os que andam pela vida sem eira nem beira, os solitários, os abandonados, os invisíveis, vários deles vivendo ao nosso lado. Como Van Gogh eles guardam tesouros.


Trigal com Corvos. Van Gogh
 
O que moveu Van Gogh nos últimos momentos de vida nós nunca saberemos. Mas temos motivos para acreditar que sua obra nasceu de um profundo sentimento de angústia e revolta diante da realidade, misturado a um incompreendido amor pela vida e pelas pessoas. Ele e Theo repousam no chão, entre heras, um ao lado do outro, no pequeno cemitério junto ao campo de trigo em Auvers.
 
Amarelo, silêncio, mistério.
 
 
photo: j.finatto
 
 ______________
 
*Maison de Van Gogh:
O último quarto de Van Gogh:
 

sábado, 14 de dezembro de 2013

A rua antiga me atravessa

Jorge Adelar Finatto
 

photo: j.finatto.Colonia del Sacramento, Uruguai


A vida se esconde na rua antiga.
A saudade mora aqui desde muito antes do mundo ser inventado.
Os passos dos seus habitantes se ouvem na longínqua estrela.
Quem nos vê, quem nos vale nesse labirinto?
A vida inteira no postigo.
Tantas coisas eu sonho.
Tantas coisas eu sinto.
As pedras da rua antiga são diamantes cravados no oblívio.
O tempo escorre nessas janelas feito lágrima.
Ninguém vê essa cicatriz aberta na face do planeta.
Calado observador do fim do mundo.
A rua antiga me atravessa.


_______________

Texto atualizado, publicado em 28/05/11.
 

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Domingo nas praias do Guaíba

Jorge Adelar Finatto 
 
Praia da Pedreira, Parque Estadual de Itapuã, sul de Porto Alegre.
Fonte: Wikipédia. Autor: Paulo RS Menezes
 

A função dos domingos de verão era pegar o bonde, ir até o centro da cidade e dali tomar um ônibus até uma das praias da zona sul de Porto Alegre. Era assim nos anos 1960.  As águas do Guaíba tinham a superfície pintada de azul e eram boas para banho.
 
Lembro que saíamos cedo de casa para aproveitar o dia. A galinha com farofa era o almoço que ia acondicionado na pequena panela dentro da sacola. Algumas bananas e fatias de pão com chimia eram reservadas para o lanche do meio da tarde. Junto iam duas garrafas de suco feito com pó artificial misturado com água (não havia dinheiro para refrigerantes).
 
Levávamos também uma bola de plástico, duas bóias (que inflávamos assoprando no bico), toalhas e a esteira para estender na areia.
 
A jovem mãe e os três filhos, todos com menos de 10 anos. Não havia pai. Cada um de nós carregava uma sacola. O trajeto de bonde até o centro era tranqüilo. Depois caminhávamos duas ou três quadras até chegar ao ponto de ônibus. E esperávamos de pé, sob o sol, numa fila grande, até que algum deles chegasse.

Parecia que todas as famílias pobres da cidade tinham a mesma idéia de ir à praia no domingo.
 
Quando enfim chegava o ônibus (que uns chamavam de navio negreiro), a fila andava. Claro que a maioria das pessoas ia de pé, apertada no corredor. Os assentos eram destinados aos poucos sortudos que entravam primeiro.

A viagem até as praias era animada, durava cerca de 50 minutos. As pessoas falavam alto, contavam causos, faziam piada, crianças corriam entre as pernas dos adultos. Afinal, era domingo, a alegria fazia parte do passeio e ajudava no desconforto.
 
Até que a porta se abria e descíamos na nossa praia, o Guarujá (havia várias outras). Corríamos para a beira do rio, para ver e respirar as águas. Em seguida, esticávamos a esteira, arrumávamos as sacolas ao lado, trocávamos de roupa num dos precários vestiários. Depois era correr e se jogar no Guaíba.
 
Aproveitávamos até as 5 da tarde. Depois era hora de arrumar as tralhas, ir para a fila do ônibus outra vez e fazer o caminho de volta. A gente vinha com a pele avermelhada, a areia grudada no corpo, as caras de cansaço e sono.
 
A aventura dominical terminava com um banho sonolento embaixo do fraco chuveiro elétrico. Antes de adormecer, a lembrança dos últimos reflexos do sol sobre as águas, o toque cálido da água, a visão dos barcos dos pescadores.

Até que algum navio passava ao fundo da aquarela e levava nossos sonhos com ele. 
 

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Hay vida antes de la muerte?

Jorge Adelar Finatto
 
 
photo: j.finatto
  
 
Em Montevidéu, até os grafites têm espírito. As inscrições públicas nas ruas montevideanas não perdoam a superficialidade. Uma vez lidas, não deixam o caminhante em paz.
 
Pressentindo que seria um absurdo virar simplesmente as costas e ir embora, resolvi fotografar e trazer comigo a inquietante frase. Na ocasião, eu andava caminhando nas cercanias do belo Teatro Solis.

Hay vida antes de la muerte? A pergunta me acompanha desde então, veio com a bagagem de volta para casa em Passo dos Ausentes.
 
Não bastassem as perplexidades e angústias de cada dia, acrescentei agora mais esta ao meu baú de assombros.

Afinal, haverá mesmo vida antes da morte ou seremos apenas tristes fantoches com a boca de pano rasgada e olhos opacos, às voltas com a indiferença, o anonimato, o desamparo, a solidão?

O que sei é que há dias em que me sinto muito vivo. Parece que a morte ainda não foi inventada. Em outros, contudo, viver não vale um caco colorido de vaso quebrado.

Hay vida antes de la muerte?
 
Sí, pero...
 
_________________
 
Texto atualizado, publicado antes em 14 de junho, 2011.

domingo, 8 de dezembro de 2013

Memória do vento

Jorge Adelar Finatto 


photo: j.finatto


Não posso
fechar a porta
às histórias
que o vento traz

o mundo esquecido
a vida pequena
seres e coisas
que têm em mim
a eternidade
possível


______________

Do livro Memorial da vida breve, Jorge Finatto. Editora Nova Prova, Porto Alegre, 2007.
 

sábado, 7 de dezembro de 2013

Fanicos e farfalhas

Jorge Adelar Finatto

photo: Wikipédia. Autor: Jon Sullivan
  


Quem viu alguma vez uma joaninha caminhando na página de um livro ou sobre uma folha verde sabe do que estou falando. É talvez o acontecimento mais importante do universo.

Nenhuma literatura e nenhuma filosofia do mundo valem os passos da joaninha.

Só que pouca gente percebe o engenho e a arte por trás da  construção da frágil joaninha.

Existem muitos outros assuntos importantes para se tratar, está bem. Um blog a sério não devia ignorar isso. Tudo bem.
 
O fato, contudo, é que me encanto com os farelos do mundo, com a coisa pouca ou nenhuma, como um raio de sol na janela. As coisas pequenas me atraem, me cativam, me elevam. As outras me enfadam, quando não revoltam.

Encontro beleza e claridade nos fanicos da existência.

Tudo que é breve e pequeno se parece com ser humano e com estar vivo e ser transitório, e isso me interessa sobretudo.

Os verdadeiros e últimos sentidos habitam além das aparências, é assim que eu vejo. E o que eu mais enxergo, quando penso profundamente na vida, é a pequenina joaninha. Talvez tudo isso não passe de mais um dos meus notórios enganos.
 
O mundo silencioso das migalhas me é, por isso, muito caro e diz muito mais sobre o que nós somos - ou o que sou eu, ao menos - do que um tratado ontológico.
 
Quando se perde a palavra, é como se perdêssemos a vida. Deus nos livre e guarde.
 
Na arte, ao menos, podemos voar, sonhar um pouco, levitar acima dos mausoléus e crematórios existenciais.

Mas sei também que ninguém pode viver entre as nuvens.

Deve haver um caminho de passagem entre as farfalhas da biblioteca e a copa das estrelas; entre a imensidão da Via Láctea e os passos humildes da joaninha.

____________________

photo de joaninha: fonte: Wikipédia. Autor: Jon Sullivan (PD-PDphoto.org]
Texto revisto, publicado antes em 25/11/2012.  

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

O último boêmio de Porto Alegre

Carlos Alberto de Souza
 
Darcy Alves
 

O último boêmio de Porto Alegre repousa às margens do Atlântico, em Capão da Canoa. Já faz algum tempo que o professor Darcy Alves, virtuose do violão e dono de voz rebuscada nas velhas canções, teve de abandonar os bares da Cidade Baixa, a Lapa porto-alegrense.

Longe das noitadas em que encantava os mais velhos e os jovens admiradores da música de seresta, ele recupera-se de um percalço de saúde na Clínica Geriátrica Melhor Idade. “Hoje não tem show”, brincou ao telefone quando do outro lado da linha eu disse que era um admirador querendo saber do ídolo. 
As informações da atendente são animadoras. Desde que chegou à clínica, o professor tem melhorado progressivamente. Sua esposa também está morando na cidade litorânea, além dos dois filhos, um deles médico neurologista, especialidade que tem a ver com o estado de saúde do pai. O velho boêmio, agora compulsoriamente afastado do cigarro e da bebida, está bem assistido. E recomeça a dedilhar o violão e cantar, para a alegria de todos na casa de repouso.
A cuca do professor está boa. Perguntei-lhe se lembrava de Emerson Rosa, meu tio, excelente saxofonista, que tocou com ele em algumas ocasiões, acompanhando Lupicínio Rodrigues e também homenageando postumamente o grande compositor, em um espetáculo histórico. “Claro, o Emerson, meu amigo”, disse o professor. Certa vez, quando se apresentava no bar São Jorge e o Dragão, mostrou-me um álbum com fotos de sua carreira.

Além de Lupi, acompanhou Alcides Gonçalves, outro expoente da velha boêmia porto-alegrense, Beth Carvalho, Ângela Maria, Sílvio Caldas, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, Francisco Egídio, Jamelão e Altamiro Carrilho, entre outros.

A noite de Porto Alegre segue viva, com mais bares do que no passado. Certamente, abrigam legiões de boêmios resistentes. Mas não têm o mesmo encanto sem o violão, a voz e a presença do professor Darcy Alves. Ele foi o último boêmio da cidade. E assim deve entrar para a história.  
 ____________

Carlos Alberto de Souza é jornalista em Porto Alegre.

smcsouza@uol.com.br


O crédito da foto será dado tão logo conhecido o autor. 

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

O que vale na escuridão

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto

 
Os gestos são os melhores professores, os mais autênticos, os que verdadeiramente podem ensinar algo de bom (ou mau) a alguém. Se queremos transmitir valores nos quais acreditamos, precisamos antes dar o exemplo.
 
Um gesto vale, não diria mil, mas um milhão de palavras. Palavras são feitas de ar e delas se ocupa o vento, levando-as. O que importa é o que se faz de concreto com as palavras que brotam sem parar da nossa boca. A teoria, isoladamente, não leva a lugar nenhum.
 
Nessas lucubrações não há nenhuma novidade. É assunto batido, velho (sempre atual embora), que mereceu inclusive tratamento na Bíblia.

Ouçamos o que diz Tiago, irmão de Cristo, na sua Carta: "Vedes que o homem há de ser declarado justo por obras e não apenas pela fé." E ainda: "Deveras, assim como o corpo sem espírito está morto, assim também a fé sem obras está morta." (A Carta de Tiago, capítulo 2, versículos 24 e 26).

Lembro essas coisas ao constatar (todos os dias, todos os lugares) o quanto estamos carentes de atitudes de bondade e civilidade, no dia a dia, nos relacionamentos, na rua, no trânsito, no trabalho, no interior das casas.

O quanto nos falta esse ato capaz de nos tornar mais humanos, mais fraternos, mais solidários, menos julgadores, mais em paz com o outro.

Chego sempre à invariável conclusão de que temos tudo para dar certo como pessoas, fazendo do mundo um lugar mais feliz, mas falta este passo que nos tornará melhores do que somos.

Nunca esqueço, a propósito, o ensinamento de Santo Agostinho, que certa vez ouvi, e que contém uma verdade pulsante como o sol:

"Os maus não são bons porque os bons não são melhores."

Como a maioria das pessoas, estou farto de tanta violência, de ver o sofrimento, a indiferença e o egoísmo tomarem conta.

O que vale é saber quem de nós vai acender a vela, o farol, a lanterna, o archote, a lâmpada para dissipar essa escuridão que nos cerca e que já vai longe demais.

É preciso se iluminar urgentemente.
 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Dizer com a ponta dos dedos

Jorge Adelar Finatto
 
photo: j.finatto
 
 
Despedida na primavera
 
dia após dia um pouco se envelhece
ano após ano volta a primavera
do vinho a alegria cabe a um copo
não chora a flor as pétalas que fogem
 
                                           Wang Wei

 
Para você que não está familiarizado com a poesia chinesa (como eu), tomo a liberdade de recomendar uma obra que chegou há pouco nas livrarias: Antologia da poesia clássica chinesa*. O livro foi traduzido diretamente do chinês para o português por Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao, igualmente responsáveis pela organização, introdução e notas.
 
A publicação é da Editora Unesp com participação do Instituto Confúcio na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.
 
Não posso avaliar os méritos da tradução, pois para mim o chinês é, literalmente, chinês, isto é, impenetrável. A obra traz os textos, também, em caracteres chineses.
 
Mas a julgar pela leitura em português, acredito que é um trabalho meticuloso e bem realizado. Se não conheço nada do idioma de partida, conheço razoavelmente o de chegada.
 
Os poemas vertidos revelam achados de sintaxe, além de estranhamento e beleza, essenciais na poesia.
 
Estamos falando de poemas escritos entre os anos 618 e 907 d.C., durante a Dinastia Tang, período considerado a época de ouro da literatura chinesa clássica.
 
Por se tratar de trabalho inédito (talvez a  primeira coletânea representativa daquele momento literário), certamente contribui para a aproximação cultural entre China e Brasil, o que não é pouco considerando o histórico distanciamento entre os dois países.
 
E o que encontramos neste conjunto de poemas produzido por vários autores chineses antigos?
 
Há uma delicadeza no dizer as coisas, um tocar com a ponta dos dedos, textos que muito mais sugerem do que nomeiam ou revelam. São criações verbais de pouca extensão e alta intensidade, que confiam na capacidade de desvelamento do leitor e na sua cultivada sensibilidade. Ricos em sugestões semânticas, os poemas são, por isso mesmo, abertos a interpretações e à participação criativa de quem lê.
 
_______________
 
*Antologia da poesia clássica chinesa. Dinastia Tang. Tradução, organização, notas e introdução por Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao. 312 páginas. Editora Unesp, São Paulo, 2013.

domingo, 1 de dezembro de 2013

De tudo restou o poema

Jorge Adelar Finatto
 
 
photo: j.finatto
 
 
 
De tudo restou o poema
espelho de muitas faces
solitário como um bicho
resfolegando no silêncio
da página
 
 
_______

Poema do livro Claridade, Jorge Finatto. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1983.
jfinatto@terra.com.br