segunda-feira, 30 de julho de 2012

Mario Quintana, 106 anos

Jorge Adelar Finatto

photo: Moacir Gomes, 1966

Ser poeta é uma maneira de ser e não de escrever. O leitor de poemas é um poeta sem saber.¹
Mario Quintana

Atravessei o corredor que ligava a redação da Folha da Tarde com a do Correio do Povo, os dois jornais da Companhia Jornalística Caldas Júnior, hoje extinta. Contornei o vetusto elevador, cuja porta se abria que nem uma sanfona metálica, entrei no Correio em busca do meu entrevistado. Devia ser 3 da tarde, ele ainda não tinha chegado. A mesa do poeta estava coberta de livros, revistas, jornais, cartas. Em 1982 eu era um jovem repórter da Folha.

No alto da parede, à direita da ampla sala, a foto ampliada (acima) que eternizou o encontro daquele grupo de escritores, em 1966, na cobertura cultivada com plantas e pássaros do cronista Rubem Braga, no Rio de Janeiro. Da esquerda para a direita: Drummond, Vinicius de Moraes, Manuel Bandeira, Quintana e Paulo Mendes Campos.

Enquanto aguardava Mario Quintana, conversei com o jornalista Paulo Fontoura Gastal, outro notável daquela redação. O Correio da época era dos melhores jornais que havia no Brasil. A edição dominical (a principal da semana) muitas vezes superava em qualidade jornais do centro do país, como Jornal do Brasil, O Globo, Folha de São Paulo e Estadão. 

Quintana viveu a maior parte da vida em quartos de hotel, o mais lembrado deles Hotel Majestic (depois transformado na atual Casa de Cultura Mario Quintana), na Rua da Praia, não distante do portão do cais de Porto Alegre. Ele era um caminhante contumaz da cidade velha, junto ao Guaíba. Sempre me pareceu que andava como um veleiro no rio, a cabeça levemente erguida, olhar alheio ao movimento, deslizava calmamente, parecendo flutuar.

Naquele nevoeiro
Profundo profundo...
Amigo ou amiga,
Quem é que me espera?²

Nasceu em Alegrete em 30 de julho de 1906, há 106 anos, e morreu em 05 de maio de 1994, em Porto Alegre. É uma das principais vozes da poesia brasileira e um dos importantes tradutores que tivemos. Pela Editora Globo, verteu para o português obras do inglês e do francês, de autores como Marcel Proust, Virginia Woolf, Aldous Huxley, Honoré de Balzac, Voltaire, Guy de Maupassant, Somerset Maugham, entre outros.

O poeta chegou à redação trazendo a sacola que costumava carregar naquele tempo. Sentou-se e pediu-me que lesse as perguntas, cinco ou seis, que tinha feito. Pegou a anotação e começou a responder por escrito, à mão, solícito e bem-humorado, enquanto conversávamos. Com as respostas, voltei para a Folha e fiz a matéria. Infelizmente, tempos depois extraviei o manuscrito.

Em certas tardes perdidas, no café do jornal, vi Mario Quintana sentado diante da indefectível taça de café preto, com o quindim amarelo no pires. Lia alguma coisa, livro ou jornal, ou simplesmente olhava para algum ponto indefinido, caminhando dentro de si mesmo. Nunca me atrevi a interrompê-lo naqueles momentos, que podiam durar uma hora, às vezes mais.

Não tinha pressa de viver nem de escrever. Vivia, escrevia. O primeiro livro, A rua dos Cataventos, veio a lume em 1940, revelando um poeta senhor do ofício. O tempo foi seu aliado e concedeu-lhe numerosos dias para construir a rica obra que deixou.

Uma vez disse: O proletário é um sujeito explorado financeiramente pelos patrões e literariamente pelos poetas engajados. Achava que se um poeta quisesse mudar o mundo deveria candidatar-se a um cargo público, ao invés de escrever versos que os mais pobres não leriam por falta de tempo ou por não saber ler. É verdade que Castro Alves influiu na abolição da escravatura. Mas acontece que Castro Alves era genial e nós temos apenas algum talento

Um homem que viveu em estado de poesia, um hóspede solitário a vagar pelas ruas de Porto Alegre, cidade que tanto amou. Inquilino do mistério, a simples presença de Quintana, entre nós, foi um acontecimento luminoso. Um ser raro, desses que aparecem de vez em quando para nos fazer encontrar e sentir um pouco de beleza.

Não constituiu uma família tradicional, com mulher e filhos, viveu só. No entanto, conquistou uma numerosa e cálida família entre seus leitores e amigos. Nos últimos 20 anos de existência, foi celebrado como grande poeta no Rio Grande do Sul e no Brasil. Teve a merecida ventura de ser reconhecido em vida.

_______________

¹ Entrevista concedida a Vitor Edézio Borges, jornal MJ, da PUC/RS, em 1978.
² Primeiros versos do poema O cais, do livro O aprendiz de feiticeiro, incluído na antologia Poesias, Editora Globo, Porto Alegre, 1977.
³ Entrevista a Geneton Moraes Neto, publicada no caderno Ideias do Jornal do Brasil, em 30 de julho de 1988.

sábado, 28 de julho de 2012

A pátria da língua portuguesa

Jorge Adelar Finatto

Fernando Pessoa nos azulejos do Martinho da Arcada*. photo. j.finatto


Após um tempo sem falar português, num país distante, quando, enfim, entrei no avião da TAP, de regresso a Lisboa e, horas mais tarde, ao Brasil, disse aos tripulantes, na entrada da aeronave: a nossa pátria é a língua portuguesa.

Aquilo saiu assim, de repente, quase um desabafo, ao reencontrar pessoas que compartilham o mesmo idioma, depois de um período de exílio longe da língua.

Minha pátria é a língua portuguesa. A frase de Fernando Pessoa, do Livro do Desassossego, trecho 259, expressa essa verdade cósmica e sentimental: pertencemos à língua que nos viu nascer, essa que sussurrou aos nossos ouvidos, nos instantes inaugurais da vida, o som das primeiras palavras de acalanto e consolo.


Amanhecer no oceano perto de Lisboa. photo: j.finatto

Os membros da tripulação não se mostraram espantados com o palavroso passageiro, ao contrário, aderiram à minha saudação, talvez levados por um sentimento de saudades de Portugal e do Tejo, naquela tarde fria do norte europeu.

A maternal língua de Camões nos lambe desde o berço, como lambeu Pessoa, Vitorino Nemésio, Eugénio de Andrade, Carlos Drummond, Heitor Saldanha, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha, Henrique do Valle, entre tantos, da mesma maneira que lambe o vendedor de peixe do mercado público de Porto Alegre, a florista da Praça da Aurora, o homem da banca de jornais.

O português cultivado no Brasil enriqueceu-se dos sons e novos sentidos advindos das falas de origem africana, indígena, espanhola e de todos os povos que vieram ao continente brasileiro.

A língua portuguesa, amarga e doce, nos habita, e com ela tentamos nos comunicar no duro ofício de viver, sonhar e sofrer. Essa pátria nos carrega dentro de si aonde quer que nos levem os ventos oceânicos.

A língua é nosso território espiritual no mundo.

___________________

* Café Restaurante Martinho da Arcada, um dos mais antigos do mundo, em Lisboa. Patrimônio Nacional português. Nele Fernando Pessoa costumava beber, jantar e receber amigos no balcão do café (foto acima) e na sua mesa cativa. O proprietário de então, reza a lenda, amigo a admirador do poeta (pobre), não cobrava as suas despesas. Há no local cópias de manuscritos, de fotografias e outros documentos do poeta. Fica na Praça do Comércio (ou Terreiro do Paço), sob os arcos, quase à margem do Tejo.(Jorge Finatto)


quarta-feira, 25 de julho de 2012

A volta do barco de papel

Jorge Adelar Finatto

barco: j.finatto


Saio a navegar no meu barco de papel pra esquecer o mundo.

Eu, quando quero dar férias à realidade, entro no barco colorido e parto em viagem pelo Guaíba.

Dessa vez reforcei a embarcação. Tomei uma folha de papel mais resistente à intempérie, fixei melhor as dobras. Levantei mais a vela. Na parte interna, coloquei utensílios mais leves.

Um forte vento sul, porém, apanhou o barco no meio do rio. Agitou as águas de tal modo que as ondas começaram a jogar o barco pra cima. O pior era a queda livre na volta. O corpo ficou todo dolorido.

Pra piorar a situação, desabou uma tempestade.

Frágil, o barquinho foi se desmanchando. A vela foi a primeira peça a ruir.

Filipo, o papagaio que me acompanha nas navegações, achou que daquela não escaparíamos.

- Vamos morrer, capitán!

- Tenha fé, nobre Filipo -, disse-lhe eu. Não desanimemos numa hora dessas, amigo. As nuvens más haverão de dissipar-se.

O peixinho Moisés, nosso companheiro de aventuras, nadava aflito ao lado do pequeno veleiro.

Quando o barquinho, enfim, se transformou numa pasta branca de papel, eu respirei fundo antes de afundar no Guaíba.

Mas não era dia de morrer.

A ventania, na sua fúria, nos empurrara pra perto da margem.

Ao cair no rio, a água bateu na altura da cintura. Filipo, que estava encolhido e agarrado no meu esquerdo ombro, gritou animado:

- Conseguimos, capitán!

Moisés respirou aliviado, deu um salto de felicidade e voltou para o interior do rio.

A navegação em barco de papel é uma arte.

Como toda arte, tem sua ciência e seus segredos.

O que é preciso pra navegar desse jeito? Bem pouca coisa.

Uma folha branca, lápis de cor, imaginação e um coração quase feliz.

________________

Texto publicado em 20 de outubro, 2010.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Pergunta a ti mesmo

                               Atapoã Feliz

photo: j.finatto


Ao contrário do que muita gente pensa, todas as coisas, inclusive as inanimadas, têm muita serventia. Até uma simples samambaia de plástico serve para ornamentar uma sala.

Forçoso é concluir, então, que não estamos aqui à toa.

Fixado este ponto, pergunta a ti próprio a que vieste.

Indaga que legado de tua autoria ficará para a Humanidade...

Medita, procura descobrir quais são as tuas tendências, aversões e preferências.

Lembra que desenvolver nada mais é do que retirar o envoltório grosseiro, camada por camada, e com elas livrar-te-ás, em definitivo, das imperfeições, até ressurgir, deslumbrante, o verdadeiro Eu.

Anota que todos os bons pensamentos, convertidos em boas ações, farão a retirada das substâncias toscas sobrepostas, tornando cada vez mais leve o fardo que na tua invigilância colocaste no teu alforje.

Antes de criticares uma obra literária, científica ou artística do teu irmão, indaga a ti próprio se já fizeste algo semelhante. Se a resposta for negativa, não tens capacidade para criticar porque tu és inexperto. Se afirmativa, nem pensarás em censurar um trabalho do teu colega.

Observa que, segundo a Sabedoria Antiga, quanto mais desejares o bem ao próximo e menos para ti próprio, mais leve será o fardo e menor o número de vezes de peregrinação que repetes por insondável evo...

Verás que não será nenhum gesto magnânimo de tua parte; apenas estarás recompondo o que tiraste indevidamente.

Percebe que os obstáculos encontradiços aqui e ali já se repetiram por várias oportunidades e ainda não conseguiste transpor; caso contrário, não reapareceriam.

Não percas tempo com as recordações que te aborrecem; também não deixes os maus pensamentos povoarem a tua mente, verdadeiras âncoras que nos impedem de atingir a meta. Substitui por algo agradável. Sempre que ocorrer um mau pensamento, lembra daquela flor orvalhada ou da sombra de uma grande árvore, tantas vezes quantas forem necessárias, até cessarem as investidas do hóspede pernicioso. Dali para frente, a substituição será automática.

Se ainda não escreveste um livro, não plantaste uma árvore, não fizeste uma música, não pintaste uma paisagem, nem tiraste uma foto,

Dá um sorriso!

____________

O autor é Desembargador do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul.  Compositor, editor do site Omapala, de música:
http://www.omapala.mus.br/

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Violeta foi para o céu

Jorge Adelar Finatto

fonte: divulgação

A vida é mais forte que uma tela, um poema, uma canção. 
Violeta Parra

O filme Violeta foi para o céu, dirigido pelo chileno Andrés Wood, oferece-nos uma visão da história da cantora, poeta, compositora, folclorista e artista plástica Violeta Parra (Chile, 1917-1967). Acaba de entrar em cartaz em Porto Alegre e se trata de um ensaio muito bem elaborado sobre a vida da artista.

Impossível resumir uma vida num filme. Nenhuma vida cabe em tão pouco. O ser humano é muito mais rico, difícil, complexo e secreto. Violeta foi para o céu cumpre a missão de traçar um perfil humano da grande mulher e criadora, chamando a atenção para seu legado. A obra é baseada no livro homônimo (Violeta se fue a los cielos, 2006), do filho Ángel Parra.

O filme não é linear, aborda de forma fragmentada diversos períodos da trajetória de Violeta, com uma sintaxe interessante e ao mesmo tempo tensa. Não mitifica a personagem, mostra-a em diversas faces, como uma pessoa que experimentou o desamparo, a dor, a alegria, momentos de glória, amor, desamor.

Ela, que teve uma origem humilde, nascida em família pobre, desde muito cedo iniciou-se na arte. O pai, professor de primeiras letras e tocador de violão, morreu ainda jovem. Os laços de família, no entanto, eram fortes e amorosos.

photo: cena do filme Violeta foi para o céu. Divulgação

Tendo entre seus irmãos o poeta Nicanor Parra, Prêmio Cervantes de Literatura  2012, o mais importante de língua espanhola, a menina Violeta cresceu no interior chileno, no meio do povo, a tudo observando com curiosidade, dotada de espírito crítico e com uma intuição fora do comum. Além disso, possuía um imenso talento para a criação, na música e artes plásticas (chegou a expor seus trabalhos no Museu do Louvre, em Paris).

Entre as músicas de Violeta que ganharam o mundo, conhecidíssimas entre nós, encontramos Gracias a la vida e Volver a los 17, hinos de vida e sensibilidade. Como artista consciente, ela não ficou indiferente à injustiça contra os pobres e à falta de amor no mundo. Ao mesmo tempo, viu que o amor, às vezes, também pode ser fonte de grande sofrimento.

Destaque especial merece o desempenho de Francisca Gavilán, simplesmente notável no papel de Violeta, a tal ponto que nos leva para o lado de lá da tela, com sua envolvente e intensa interpretação. É como se estivéssemos junto de Violeta, nas trilhas da vida e de suas lindas canções.

sábado, 21 de julho de 2012

Os tempos da casa velha

Jorge Adelar Finatto


photo: j.finatto. casa em estilo enxaimel. Nova Petrópolis


A casa de madeira de pinheiro, onde vivi a infância, está de pé até hoje. Antes de mim, outras gerações viveram nela e outras vieram depois. Talvez, se encostar o ouvido naquelas vetustas paredes, ouvirei ecos das conversas sumidas no tempo.

O poeta Mario Quintana escreveu, em algum lugar, que o problema da arquitetura moderna é que ela não constrói casas antigas. Não é verdade?

Seria possível dizer, também, que o problema do presente é que não traz de volta as pessoas amadas e os dias que se foram. O leitor não deve levar em conta a melancolia da frase. Triste seria não ter tempos nem pessoas queridas para recordar.

Poucas coisas me passam um sentimento tão forte de permanência quanto as casas velhas, como essa aí da foto. Cada vez mais raras nas cidades brasileiras, quando vejo uma tenho a sensação de estar diante de um sobrevivente.

A ideia de perenidade, ilusória embora, está no pátio, na pérgula coberta de jasmim rosa, nas folhas de uma parreira ancestral, numa fonte em meio ao jardim. As casas em geral duram mais que seus construtores e moradores. E cada vez que se derruba uma um bocado de história afunda junto.

Vivemos uma época em que pouco olhamos as coisas que nos ficaram. Habitamos o eterno presente, como se nada de interessante pudesse haver nem antes e nem depois. Isso não apenas é um erro, como nos remete a uma imensa solidão.


quinta-feira, 19 de julho de 2012

Meus amigos

Jorge Adelar Finatto




Não esqueçam
de me visitar
nas noites
de inverno
quando o medo
cobra caro
e as feridas
não deixam mentir

insolúvel jogo
de espelhos
entre mim
e o que fui

ando bêbado
pela casa
meu coração
é operário
desempregado
com filho pra criar
mulher feia
sem crédito no armazém

me enrosco
em invenções
inúteis
pra repartir contigo
um espaço de ternura

sinto umas
coisas estranhas
caminharem atrás de mim
um cano de fuzil
um casal de velhos famintos
um câncer
e me desagrada não ser
como certos fantasmas

convoco o
silêncio e
suas raízes

inauguro a
manhã

não, eu não sou
uma estrela
um rio
um barco
nada se compara
ao que sinto

preciso todos
ao redor da mesa
principalmente
os desaparecidos
como certos crepúsculos
que a gente vê
fogem e nunca mais

__________________

Poema do livro Claridade, Jorge Adelar Finatto, co-edição Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Editora Movimento, Porto Alegre, 1983.
 

terça-feira, 17 de julho de 2012

Teatro de Brinquedo

Jorge Adelar Finatto

Eugênia Alvaro Moreyra, cerca de 1920

Sempre cismei um teatro que fizesse sorrir, mas que fizesse pensar. Um teatro de reticências...
                                                                                                   Alvaro Moreyra
 
O Teatro de Brinquedo, criado pelo casal Eugênia e Alvaro Moreyra, em 1927, é considerado o primeiro movimento importante de renovação da arte cênica brasileira. A experiência constituiu-se na criação de um teatro de arte em oposição ao que era feito até então. Integrado por pessoas que não dependiam do palco para sobreviver, o movimento abriu novos caminhos para a nossa dramaturgia.

O que se fazia em teatro até a iniciativa do gaúcho Alvaro (poeta, escritor, jornalista, teatrólogo, cronista {1888-1964}) e da mineira Eugênia (considerada a primeira repórter brasileira {1898-1948}), com poucas exceções, eram espetáculos de feição popular. Mas popular no mau sentido: pouca qualidade, desorganização, com o único intuito de distrair a plateia e faturar.

A respeito do que queria com o Teatro de Brinquedo, disse Alvaro semanas antes de estreia, em 1927: "Um teatro de ambiente simples, até ingênuo, bem moderno, para poucas pessoas cada noite (...) Representaríamos os nossos autores novos e os que nascessem por influência nossa. Daríamos a conhecer o repertório de vanguarda do mundo todo. Os espetáculos de uma peça seriam um gênero. Seria outro gênero a apresentação de programas com pantomimas, de lendas brasileiras, canções estilizadas, comédias rápidas, motivos humorísticos. Nesses programas, tomariam parte poetas dizendo os seus poemas, músicos tocando as suas músicas".

Para a época, era uma proposta avançada. E Alvaro tinha consciência disso. Por essa razão, não alimentou ilusões de que o público iria aderir de imediato à nova ideia. Segundo ele, o Teatro de Brinquedo era "da elite para a elite". Isto é, buscava chamar a si aquelas pessoas da pequena burguesia que não freqüentavam a plateia por falta de espetáculos de qualidade. Durante a década de 20, a elite só comparecia ao teatro para assistir a companhias estrangeiras, principalmente portuguesas, francesas e italianas.

Alvaro e Eugênia queriam ver no palco, também, trabalhos que pensassem a realidade e a cultura brasileiras. Naquela época, chegaram a fazer montagens na periferia do Rio de Janeiro.

Alvaro Moreyra, revista Para Todos, 1927

O casal Moreyra sabia que o projeto não poderia contar com atores profissionais, porque estes precisavam daquele outro espetáculo, com casa cheia. O grupo, portanto, seria integrado por gente amorosa do palco "senhoras e senhoritas da sociedade do Rio, escritores, compositores, pintores. Tudo gente de noções certas. O teatro da elite para a elite. Teatro para as criaturas que não iam ao teatro".

O nome Teatro de Brinquedo veio do fato de os cenários serem muito simples, imitando caixas de brinquedo, com muita graça e certo tom lúdico. A estreia aconteceu em 10 de novembro de 1927, no Salão Renascença do Cassino Beira-Mar, no Rio, com a encenação da peça Adão, Eva e outros membros da família, de Alvaro Moreyra.

A iniciativa contou, ao longo do tempo, com a participação de gente destacada no meio cultural, como Felipe D'Oliveira, Olegário Mariano, Antônio de Alcântara Machado, Di Cavalcanti, Lúcio Costa, Tarsila, Hekel Tavares, Aida Procópio Ferreira e muitos outros.

Em 1937, o casal criou a Companhia de Arte Dramática Alvaro Moreyra, contratada, após concorrência, pelo Ministério da Educação do Governo de Getúlio Vargas. O Ministro Gustavo Capanema criara, no ano anterior, a Comissão do Teatro Nacional, que tinha entre os objetivos desenvolver a atividade teatral e promover estudos sobre o teatro.

Durante as apresentações, que ocorreram em 1937 e 1938, a companhia Alvaro Moreyra encenou peças de Ibsen e Pirandello, entre outros autores, em Porto Alegre, Rio e São Paulo. Além das peças, Alvaro realizava as "tardes culturais", nas quais havia palestras e coversas informais com o público sobre a história do teatro.

No Rio, o trabalho foi realizado no Teatro Regina. Gustavo Dória, no livro Moderno Teatro Brasileiro, publicado em 1975 pelo Serviço Nacional de Teatro, observa que, por essa época, Eugênia aproveitou um grupo de atores afastados do palco e organizou, com o apoio da Casa dos Artistas, um conjunto que percorreu os subúrbios da cidade, apresentando-se em circos, pavilhões, cineteatros e clubes. No repertório, havia Mãe, de José de Alencar; O noviço, de Martins Pena; O Rio, de Carlos Lacerda; Hedda Gabler, de Ibsen (protagonizada por Eugênia); Magda, de Sudermann, e Uma mulher e três palhaços, de Achard.

O Teatro de Brinquedo e, depois dele, a Companhia de Arte Dramática Alvaro Moreyra cumpriram um valioso papel, colaborando para renovar a nossa dramaturgia e, ao mesmo tempo, para abrir espaço aos que vieram depois.

________________

Texto reproduzido do livro Alvaro Moreyra, Jorge A. Finatto, Editora Tchê, Porto Alegre, 1985.
Foto de Eugênia: fonte: Wikipédia. Autor desconhecido.
Leia também:
Alvaro Moreyra:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/03/alvaro-moreyra.html

sábado, 14 de julho de 2012

O cavaleiro invisível

Jorge Finatto


Dom Quixote e Sancho Pança, por Gustave Doré (1832 - 1883)


Um homem só, caseiro, beirando os cinqüentanos, cansado da vida pequena e vazia na qual nada acontece, resolve ir ao mundo em busca de aventura, justiça e amor.

A vida que vive não é a venturosa vida dos livros, é outra, enfadonha e triste. O melancólico senhor, habitante da região de La Mancha, na Espanha, mergulhou nas histórias de cavalaria, a elas dedicou seu tempo e sua alma, de tal modo que esqueceu o mundo real.

Vendeu até mesmo parte de suas terras para comprar volumes e mais volumes de livros de cavaleiros andantes.

O valoroso fidalgo, de modestas posses, alto e seco de carnes, revolta-se: é preciso espelhar o sonho na realidade, plantar uma flor no solo ressequido da realidade.

Alonso Quijano vai ao mundo à procura daquilo que mudará o imóvel destino, quer reviver em si as lendas da cavalaria, e tecer outras, delas extraindo glória, reconhecimeno e o amor de sua amada, a não menos inventada Dulcineia del Toboso.

O que nos diz o Quixote é que a vida cotidiana é insuficiente. Falta vida à vidinha.


Dom Quixote, por Gustave Doré
 

A figura imortal criada por Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1615)¹ é o resumo da alma humana em suas maravilhas, esperanças, desesperos, contradições e tragédias.

O Cavaleiro da Triste Figura saiu pelas estradas poeirentas e bosques da Espanha para resgatar os oprimidos, dar ânimo aos infelizes, levantar os desvalidos, socorrer os caídos, lutar contra todas as injustiças, e para salvar a si mesmo.

Montado no magro Rocinante ele vai, armado cavaleiro andante, com escudo, espada e lança, tendo por companheiro Sancho Pança, muito louco e meio sensato, um pouco mais ajuizado que o amo, montado em seu jumento.

A vida tal como é não basta. É necessário inventar outra, erguer a aurora da escuridão. É preciso viver intensamente os dias que passam velozes e irrecuperáveis.

Viver com a urgência de quem se despede. Viver como quem morre.

"Eu, Sancho, nasci para viver morrendo."²

Ninguém no mundo terá jamais autoridade para censurar Dom Alonso pelo desvario e fracasso da louca odisseia. Só os secos de espírito o fariam.

Não será essa busca o anelo secreto que habita o coração de tantos homens e mulheres na difícil jornada através do mundo hostil e trevoso, sonhando e lutando por uma outra existência, que faça valer a pena ter nascido?

Há talvez um Dom Quixote adormecido e invisível em cada um de nós, à espreita da hora da rebeldia.

"Cada qual é artífice de sua ventura"³, ensinou-nos o Quixote.

_________________

¹ Dom Quixote de la Mancha. Miguel de Cervantes Saavedra. Edição ilustrada por Gustave Doré, três volumes. Tradução de Almir de Andrade e Milton Amado. Ediouro Publicações S.A, Rio de Janeiro, 2002.
² idem, terceiro volume, p.307.
³ idem, ibidem, p. 379.
Fonte das ilustrações: Wikipédia.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Alberta de Montecalvino

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto


VENEZA é o sonho de toda Colombina.

Eu passei a vida em Passo dos Ausentes. O que é esse lugar? Um território sitiado pelo vento. A neblina, o frio e a chuva povoam a cidade o ano inteiro.

Habito com amargura e ironia esta estação de fim de mundo.

Casei-me aos 16 anos com Dom Alberto de Montecalvino, o Solitário da Biblioteca. Contrato de gaveta. Eu era de pobre origem. Estudava as primeiras letras e ajudava no serviço da casa. A mãe viúva de quatro filhos. 

Na época Dom Alberto contava 69 anos. Desde aquele quando, passei a viver neste austero castelo de basalto e vidro. Hoje tenho 70 anos, sou deveras viúva e, às vezes, me perco nos salões da memória. As intermitências.

Daqui de cima, na larga janela da biblioteca, avisto o Contraforte dos Capuchinhos. Gosto muito dessa visão porque por ali é que se vai embora de Passo dos Ausentes. Mas nunca passei naquela estrada. Dom Alberto me pediu que jamais o fizesse. Os medos. Atendi o bom homem. Passaram-se os anos.

O muito amado do meu coração é Pedrolino. Dom Alberto sempre soube, suportou, era como um pai pra mim. O meigo Pedrolino. Amoroso e fiel. Seu amor é casto e resignado. Tem as delicadezas e bosques de melancolia.

Arlequim é o senhor das labaredas.

Inconstante e fútil. Nunca vem ao meu coração. Tem meu corpo, jamais minha alma. Com ele muito me rio, é engraçado, leviano. Incapaz de amar alguém além de si mesmo. Não tem sentimento.

O corpo tem fome e a fome seus desejos.

Arlequim é malicioso, egoísta, por isso sabe agradar quando quer. Pedrolino é terno, quase um menino, vai direto ao assunto. Não conhece as sutilezas.

Quem pudera reunir, na mesma pessoa, as gratas virtudes. Mas o mundo humano foi costurado imperfeito, eu sei. Tal felicidade ninguém merece.

Ambos os dois, Arlequim, o devasso, e Pedrolino, o amado, são a minha devoção. Cada qual no seu momento.

Sou a Senhora da Biblioteca. Viúva mui constante em negras vestes de luto. Os respeitos a Dom Alberto. Tenho a minha idade, conheço os regulamentos, mas só os cumpro à minha vontade. Cultivo as devoções, no discreto.

Não me julguem tão depressa. Poupem-me da moral de almanaque.

De metafísica e solidão o cemitério está cheio. Conheço os reveses.

Eu vivo os enquantos.

____________

Texto publicado em 7 de julho, 2011.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Everything is fine

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto


A névoa passeia lá fora. O relógio de madeira, na calçada, marca quinze para as cinco da tarde. O termômetro aponta cinco graus.

Estou num café em Gramado. Uma pausa na viagem a Passo dos Ausentes. As luminárias começam a acender aos poucos. Flores de inverno povoam os vasos da rua. 

Converso com a taça de cappuccino, que sabe a canela. Contra a opinião do médico (que está bem longe), saboreio uma fatia de torta.

Afinal, neste breve momento, tudo está bem. Everything is fine, diz o cantor, na música ambiente que toca no café.

Há vida na violeta rosa que enfeita o vaso sobre a mesa. Há vida em mim, nas poucas pessoas das mesas vizinhas, em todos os que caminham na rua fria. Simplesmente estamos vivos.

As humanas marés do pequeno planeta azul.

Para que não se diga: vida é o que acontece numa galáxia distante.

Como diz a música, tudo está bem.

Uma espécie de leitmotiv da tarde de inverno.

Sou um peixe sob a fina garoa que agora cai. Um peixe feliz no aquário.

Uma manta xadrez cobre as pernas da moça na cadeira de rodas. Ela sorri ao posar para a fotografia ao lado do relógio de madeira.

Este momento de felicidade pertence à moça bonita da cadeira de rodas e ao peixe que a observa no aquário.

Ela fala com a menina que a acompanha, empurrando a cadeira. Tiram outras fotografias.

Entrementes (bonita palavra numa tarde assim), o cantor abre o coração: darling, i love you; baby, i want you; all is true.

As palavras são as mesmas de sempre. Mas o que dizer se o cantor está apaixonado e quer gritar isso ao mundo?

Afinal, tudo está bem na tarde de julho.

A moça da cadeira de rodas desaparece na névoa com seu sorriso.

sábado, 7 de julho de 2012

A busca, nos livros, do ora-veja da vida

Jorge Adelar Finatto


photo: j.finatto

Na tarde chuvosa e fria, entro na livraria. A procura persistente, e vã talvez, de encontrar, nos livros, o ora-veja que falta na vida. Essa busca renova-se a cada nova obra que levamos para casa.

Escritores e poetas são seres que habitam a nossa sensibilidade. Fazem parte do que somos e do que queremos ser. Ajudam-nos a caminhar na estrada em meio a tanta treva.

Costumo levar um livro na bagagem, para diminuir o banzo e a solidão das viagens. O livro traz, em si, um pouco da casa que ficou distante. O fato de sabê-lo por perto, ao alcance da mão, no quarto de hotel, proporciona o aconchego das coisas íntimas.

Hoje os meus livros estão mais sossegados nas estantes. Mas nem sempre foi assim. Eu, que detesto mudanças de endereço, perdi a conta de quantas vezes tive de mudar de casa neste mundo de Deus.

Nunca me acostumei a esses movimentos que trocam tudo de lugar. Um sofrimento sair da casa, da rua, da cidade. No meio do caos emocional que isso traz, os livros nos acompanham, passando um sentimento de permanência.

Os livros são nossos confidentes e amigos espirituais.
 ______________

Texto publicado em 19 de julho, 2011.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Caminhando na névoa

photo: j.finatto. Passo dos Ausentes, inverno, 2012.

_________________

jfinatto@terra.com.br

quarta-feira, 4 de julho de 2012

As intermitências da primavera

Jorge Adelar Finatto



photo: j.finatto

O amor - ou esse sentimento que aproxima pessoas solitárias e desamparadas como ele - inaugurou datas no calendário, pintou de lilás, azul e rosa o coração. O amor tocou músicas no som do carro e do apartamento. O amor tornou-o uma pessoa melhor para si e para os outros.

Um dia, talvez, ela, que gostava tanto de gatos, regressará da nuvem onde foi habitar. Virá buscá-lo, como sempre fazia, para irem juntos ao cinema, ao café, à livraria, ao Parque Harmonia ver o pôr-do-sol na beira do Guaíba.

Ela foi o único ser humano que conseguiu resgatá-lo da ilha. Morreu há três anos de uma doença que não vale a pena lembrar, foi embora depois de sorrir e dizer que ele não devia se preocupar, tudo ia dar certo. Perdeu-a pouco antes de irem morar juntos.
 
Sente-se um morto-vivo sem aquela que o resgatou da solidão de náufrago. Não consegue fazer o tipo leve, desses à vontade no mundo. Gosta de pensar, procurar sentidos.

Uma colega de trabalho disse-lhe que ele era muito certinho. A vida não era.

O fato é que, um dia, ele sonhou ser feliz para sempre. Mas a realidade disse que para sempre é tempo demais.

A família que, no passado, foi unida agora vivia dividida, os irmãos quase não se convivem.

A mãe, que em vida teceu com dedos de cristal os frágeis laços do afeto familiar, morreu antes do tempo. Ninguém a substituiu na rara arte de evitar e, sobretudo, de colar os cacos. Os laços se partiram.

Ele voltou a viver no fundo da ilha. Tornou-se um estrangeiro em sua própria cidade. Os antigos amigos transformaram-se em conhecidos, foram casando, criando filhos, separando, mudando de rua, bairro, cidade, país.

O seu mundo de náufrago reduziu-se ao apartamento, ao trabalho, às idas ao mercado, às leituras, a uma eventual saída aos sábados e aos impiedosos dias de domingo.

Teve poucos relacionamentos depois, coisas fatigantes, sem nenhuma importância.

O sexo de ocasião nunca foi pra ele. Tem receio das pequenas memórias, quando a dona delas vai embora. O que para muitos é pura diversão, pra ele é vertigem.

O lugar onde vive - a remota e inalcançável ilha - só não é uma tapera porque a velha empregada da família aparece duas vezes por semana, dá um ar doméstico ao deserto. Os únicos seres vivos ali, além dele, são as hortênsias que cultiva na sala, em dois vasos, um em cada lado da janela.

As hortênsias acendem as manhãs, iluminam a casa.

A janela é o ponto de referência dele no planeta.

Dali pode ver a praça e as pessoas, as árvores e a rua, o céu, os outros edifícios.

De qualquer parte do universo um observador pode tê-lo como objeto de estudos. Todos os dias, no fim da tarde, está na janela.

No fundo, nunca a perdoou por tê-lo abandonado no mundo.

O medo de amar afeiçoou-se a ele como as heras num túmulo de cemitério do interior.

A solidão o faz acariciar o gato invisível, na frente da televisão, até adormecer.

Se fez tratamento psiquiátrico sobre esse viver tão desolado? Sim. Mas continua o mesmo homem enclausurado, estranho a si mesmo, sem saber o que fazer com as mãos quando está sozinho.

O outono chegou com um cesto florido de lembranças.

Os dias chuvosos, frios, deixam as pessoas entocadas em casa.

A praça está vazia. Recorda-se dos dias em que caminhava com ela por ali.

A ausência da primavera faz o coração girar louco na ventania.

Se ao menos tivesse um gato de verdade.

______________

Texto revisto publicado em 17 de fevereiro, 2010.
 

terça-feira, 3 de julho de 2012

Ruy Castro e os discos de vinil

Jorge Adelar Finatto

Foto feita durante encontro dos amigos Ruy Castro (dir.) e Ivan Lessa no Rio
photo:Ruy Castro (à esquerda) e Ivan Lessa. Autora: Heloísa Seixas. Divulgação

Em belo artigo publicado domingo último, no caderno Ilustríssima, da Folha de São Paulo, o escritor e jornalista Ruy Castro recorda seu amigo Ivan Lessa, também jornalista e escritor, falecido em Londres, aos 77 anos, em junho passado.

O texto intitula-se Sonho de Ivan Lessa era estacionar no passado. Merece ser lido tanto pelo sabor literário que Ruy consegue dar ao que escreve como pelas informações que traz. Interessante, entre outras, a parte em que ele fala sobre a coleção de discos de vinil de Lessa. Começa assim:

"Quando os cds surgiram e tomaram a indústria fonográfica, em fins dos anos 80, todos os patetas do mundo nos desfizemos de nossas coleções de LPs. Era como se, de repente, aquele formato de disco que por 40 anos nos servira tão bem - e no qual nos habituáramos a ouvir a perfeição - se tornasse portador de lepra."

Eis o acesso:
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1112857-sonho-de-ivan-lessa-era-estacionar-no-passado.shtml

___________________

A photo acima, que ilustra o artigo, está creditada a Heloísa Seixas, escritora, mulher de Ruy Castro.

Mais sobre discos de vinil:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/07/musica-de-todos-os-dias.html

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A música de todos os dias

Jorge Adelar Finatto

photo: Edu da Gaita, 1959

Escrevi sobre o toca-discos que comprei para escutar meus velhos discos de vinil.* Agora estou na fase de limpar, organizar e, claro, ouvi-los. São todos elepês (long-play, disco grande), como se dizia, em oposição aos compactos. A experiência é uma feliz redescoberta.

Reencontro gravações primorosas. O som do vinil é o som original da gravação, com as nuances todas, os detalhes, a limpidez que não há no cd. Parece que existe mais transparência, como se estivéssemos na sala diante dos músicos. O som do cd soa mais abafado.

Talvez isso não passe de impressão, não sou expert no assunto. Mas como disse aquele velho filósofo grego, numa tarde de calor, sentado debaixo de uma oliveira, enquanto olhava o mar e os barcos, na beira do Mediterrâneo: o que é de gosto regala a vida. Acho mesmo um milagre que a simples passagem de uma agulha pelos microssulcos do vinil produza a maravilha.

Entre os discos que já organizei, estão Please, please me, Beatles, 1963; Minas, Milton Nascimento, 1975; Meus caros amigos, Chico Buarque, 1976; Feito em casa, Antonio Adolfo, 1977; Amoroso, João Gilberto, 1977; Sol do meio-dia, Egberto Gismonti, 1978; Edu da Gaita, Edu da Gaita, 1979; Roberto Sion, Roberto Sion, 1981; A música livre de Hermeto Paschoal, Hermeto Paschoal, 1985; Balãozinho, Eduardo Gudin, 1986; Canta, canta, minha gente, Martinho de Vila, 1988; Three windows, The modern Jazz Quartet, 1988; La grande réunion, Stephane Grappelli e Baden Powell, 1989; Grandes compositores, Dorival Caymmi, 1990; Cartola ao vivo, Cartola, 1991(gravação de 1978).

A arte das capas é, em geral, feita com capricho, havendo esmero na concepção e montagem de textos e imagens.

No disco do gaúcho Edu da Gaita (Eduardo Nadruz, 1916 - 1982), por exemplo, está reproduzida a página de sua carteira de trabalho onde, no campo profissão, foi registrado: músico excêntrico. O ilustre funcionário público escorregou no adjetivo. Desconhecia, talvez, que se tratava de um dos mais importantes e respeitados artistas brasileiros, senhor de uma carreira brilhante com seu instrumento, a harmônica de boca.

___________________

*Uma viagem sentimental
 http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/06/uma-viagem-sentimental.html

Foto de Edu da Gaita: site oficial do artista:
http://www.edudagaita.com.br/