domingo, 26 de dezembro de 2010

Convivência e livros na parada de ônibus

Jorge Adelar Finatto


O nosso erro é que temos delegado nossa felicidade para os governantes, para o time de futebol, para os espetáculos, para a loteria, para esse outro que fará por nós as indispensáveis e inadiáveis mudanças que precisamos construir.

 A rua é lugar muito perigoso.

Os espaços públicos, em Porto Alegre como em outras cidades brasileiras, são sinônimo de insegurança, violência, medo.

As pessoas acautelam-se de sair à rua. Esse território que era de todos passou a ser área de livre circulação de gente que comete toda sorte de atos contrários à vida em sociedade.

Ninguém, em sã consciência, sai à rua sem temer por sua segurança e pela segurança das pessoas que ama. Estar fora de casa, longe do abrigo provisório, significa entrar na zona de conflito. Vivemos lutas encarniçadas, no trânsito e na selva do cotidiano, que ferem e ceifam vidas todos os dias.

A nossa alegria de viver se empobreceu, porque não há viver que não seja conviver.

Antigamente, era comum ocupar as calçadas. As pessoas colocavam cadeiras na frente da porta e aproveitavam para conversar, saber do outro, as crianças brincavam, e todos conviviam. Festas juninas e carnaval aconteciam no meio da rua. Essas cenas urbanas desapareceram.

A cidade, porém, possui reservas de vida.

 Surge um oásis simbólico no corpo ferido da cidade.

Instalou-se em Porto Alegre, por esses dias, o projeto Estante Pública em paradas de ônibus. Criação de artistas do grupo Estúdio Nômade, a ideia foi premiada pela Funarte.*

A parada de ônibus - que costuma atrapalhar o bom humor das pessoas, pela espera em situação de desconforto, pelo movimento atordoante da rua, pela falta de educação dos condutores de veículos - ganha vida com a iniciativa.

Um lugar inóspito, sem atrativo, no qual, normalmente, as pessoas não têm face, transforma-se num recanto interessante. Os livros ali estão ao alcance da mão de quem quiser ler. Poemas, crônicas, contos, novelas e outros incorporam-se através de doações espontâneas.

A inusitada visão dos livros provoca emoção. Faz com que, anônimos passageiros em trânsito, nos sintamos melhor, conversemos, quem sabe até troquemos endereços de e-mail.

Muito além de ser uma pequena biblioteca ao ar livre, sem nenhum tipo de vigilância, a estante pública torna a parada de ônibus um lugar de convivência.

A incomunicabilidade do indivíduo abre-se para a possibilidade do encontro.

Surge um oásis simbólico no corpo ferido da cidade. Pura criatividade.

É preciso investir na convivência humana, numa cidade que vai perdendo gravemente a sua alma.

Penso no quanto precisamos voltar a ocupar calçadas, praças, parques, ruas. No quanto precisamos voltar a conviver e conversar, sem ter vergonha pelo fato de necessitarmos companhia, do olhar de quem está próximo, uma palavra, um sorriso talvez.

As pequenas estantes públicas são enormes em significado. Ensaiam um jeito de mudar as coisas e de sair da escuridão.

O nosso erro é que temos delegado nossa felicidade para os governantes, para o time de futebol, para os espetáculos, para a loteria, para esse outro que fará por nós as indispensáveis e inadiáveis mudanças que precisamos construir.

A cidade pode ser mais bela, mais humana. Ler e conviver faz bem ao coração e à mente.

Espero que permaneça e cresça entre nós essa beleza que é encontrar livros, convivência e consciência em meio à solidão instantânea da parada de ônibus.

A rua é lugar muito perigoso?

A rua é lugar do bem.

_______

*Estante Pública: http://estantepublica.com.br/site/sobre-o-projeto/

Foto: vista de Porto Alegre a partir do Guaíba. J.Finatto