quarta-feira, 31 de março de 2010

Theodor Adorno e a poesia depois de Auschwitz

Jorge Adelar Finatto


O filósofo alemão Theodor Adorno (1903 – 1969) perguntou, em 1949, se era possível escrever poesia depois de Auschwitz.

O pensador da Escola de Frankfurt falou em poesia, mas poderia ter dito música, artes plásticas, filosofia, cinema. Podia ter perguntado também se ainda seria possível comer, caminhar, estudar, ler, trabalhar, amar.

A imensa perda de sentido humano que ocorreu naquele campo de concentração nazista, localizado na Polônia ocupada por forças alemãs durante a Segunda Guerra Mundial, leva inexoravelmente ao silêncio.

Mais de um milhão de judeus foram assassinados ali. Como os demais campos, era fábrica de matar gente. Ciganos, homossexuais, Testemunhas de Jeová e dissidentes políticos também padeceram nesses territórios do inferno, construídos por Hitler e seus sanguinários acólitos.

Como seres humanos puderam fazer aquilo com outros seres humanos, é a pergunta que se impõe. Quando uma dor sem limites como essa toma conta de nós, não temos o que dizer.

Não se trata aqui, bem se vê, do silêncio produtivo, que nos leva para longe do ruído estéril e se faz ouvir através do fértil trabalho criativo.

Adorno, penso eu, referiu-se ao desencanto que nos assola e derruba. O mesmo que, hoje, nos invade diante da violência do mundo, nas ruas das nossas cidades.

A perda de sentido das palavras decorre também do trabalho de desvirtuar significados para manipular comportamentos. Essa perda é fonte de desumanização e está presente na sociedade agora como esteve no passado. Fala-se uma coisa, se diz outra e se faz o oposto disso tudo.

As palavras caem na sombra do sem-sentido.

Contudo, precisamos das palavras como o náufrago precisa da tábua.

A limpeza dos destroços resultantes das tragédias pessoais e coletivas passa pela palavra. Através da linguagem vamos tentar salvar o que pode ser salvo e elaborar uma nova maneira de viver.

A palavra é o único recurso disponível quando tudo em volta desmorona.

Necessitamos da palavra para procurar e construir sentidos onde eles se perderam.

Precisamos da palavra porque somos palavra e não podemos viver sem, seja ela poema ou outra linguagem.

O silêncio absoluto é o silêncio da morte.

Portanto, uma possível resposta à pergunta de Adorno será: não só é possível como imprescindível escrever poesia, apesar de tudo.

A aurora da palavra iluminará outra vez nossas vidas. Reconstruiremos sobre as cinzas.

________ 

Foto: Selo comemorativo do centenário de Theodor Adorno, Alemanha, 2003. Fonte: Wikipédia.

Sobre O aborto e o Papa, publicado em 09/3/2.010

Cláudio Accurso
Economista e Professor Universitário, Porto Alegre.

Há muitos ângulos para examinar-se a questão do aborto. Um é tratá-lo como questão individual, em que os múltiplos condicionantes para sua prática recaem apenas em valores pessoais. Outro é vê-lo como questão social, em que a inserção e as perspectivas dela decorrentes vão determinar os condicionantes definitivos para uma avaliação a respeito.

Para pelo menos um terço da população brasileira, cujo futuro de miséria e desamparo está traçado desde o primeiro dia do nascimento, a sua recusa a tal vilipêndio moral é um ato entendível e não pode ser reducionistamente tratado como imoral, pois se trata apenas de um confronto entre princípios abstratos de comportamento sugerido e de realidades cruas de sugestões objetivamente inviáveis. Visto por aí, o aborto é um gesto de acusação contra a falta de garantias sociais para a realização de uma vida digna.

Sou contra o aborto, mas observo não fazer parte desse estrato social sem futuro, o que mostra que não há individualidade sem contexto e que este é muito desigual para cada um, salientando também como é fácil julgar os outros quando se abstrai esse contexto. Na verdade, aborto é questão de foro individual, por isso não proibitível por uma sociedade sem credenciais sociais para tanto, quando aceita secularmente miséria inapelável e ultrajante.

As crianças que dormem nas ruas, os homens sem trabalho e o desamparo de milhões de pessoas testemunham o infortúnio que não foi evitado. Um país que vive do futuro não tem que reclamar de seu presente... é só esperar...

segunda-feira, 29 de março de 2010

A arte de ser juiz

Jorge Adelar Finatto



Ser um bom juiz resulta de um tipo de sabedoria que não se aprende somente em livros técnicos. Nem decorre de uma progressiva conquista de graus acadêmicos. É algo maior e mais profundo.

O juiz que fará bem a seus semelhantes e trabalhará pela dignidade da vida, ao contrário de complicar e piorar as coisas, será aquele capaz de ouvir e respeitar as pessoas nas suas intransferíveis circunstâncias.

A justiça começa nas relações mais simples do dia a dia, em casa, na rua, no ambiente de trabalho, em comportamentos éticos que são, na aparência, bastante prosaicos, mas que acabam construindo todo o resto.

Amar as pessoas e a justiça é a condição primeira para ser juiz.

Não se ingressa na magistratura pensando no status da profissão, no valor do subsídio, nas garantias que cercam o cargo - que visam a proteger a sociedade e não a pessoa do juiz. Esses atrativos são insuficientes para manter alguém que não é do ramo na função. Dedicação, capacidade de renúncia, entusiasmo, reflexão e estudo permanentes são algumas das exigências.

A magistratura é a típica atividade que se destina a mulheres e homens com vocação, que buscam no ideal de bem servir a sua realização.

Pelo menos três pilares são fundamentais na formação do juiz: ética, humanismo e técnica.

Quando é que alguém se torna juiz? Muitos acham que isso ocorre quando o candidato é aprovado no extenuante concurso público, é nomeado e toma posse no cargo. Mas não é elementar assim.

A pessoa torna-se magistrado muito tempo antes do concurso. O que realmente define quem se tornará juiz é a essência e a atitude de cada um diante da existência. A luta por uma vida mais justa e solidária está na alma do julgador. Existe uma imposição de ordem interna que o leva a decidir-se pela profissão, ainda que isto não esteja muito claro na adolescência e mesmo no início da vida adulta.

A gente se prepara para ser juiz uma vida inteira, pois todo dia é dia de viver e aprender.

Coisas como agressividade, excesso de vaidade, cinismo, indiferença e fanfarronice não combinam com a toga.

Um temperamento humilde, diferente de subserviente ou arrogante, disposto a respeitar, mais do que tolerar, as diferentes visões de mundo, é sempre muito importante. Ninguém é dono do conhecimento e da verdade.

Não existe modelo pronto de juiz. O magistrado terá de construir o seu. Por outro lado, não faltam exemplos de pessoas que dignificam o ofício.

Pensar de modo mais criativo e humanista o ingresso na magistratura, e a própria construção do Poder Judiciário brasileiro, é o desafio que temos em tempos tão difíceis.

A dura realidade exige magistrados mais participantes e comprometidos com o bem-estar da sociedade. Cada vez mais o Judiciário é chamado a decidir sobre situações que afetam a vida de todos. As dores e os dramas das pessoas chegam aos juízes a toda hora em todos os dias do ano.

A busca de uma existência mais feliz e harmônica é a razão de ser da atividade jurisdicional.

O que se pede ao juiz não é que seja um super-herói, mas que decida como um ser humano sensível, e saiba olhar com os olhos do coração, com a mesma empatia com que todos – juízes e não juízes - esperamos ser tratados nas horas difíceis.

Empatia, a sua dor no meu coração.

___________  
 
Foto: J. Finatto
 
jfinatto@terra.com.br

domingo, 28 de março de 2010

Uma certa inocência*

José Saramago



Durante muitos anos Jorge Amado quis e soube ser a voz, o sentido e a alegria do Brasil. Poucas vezes um escritor terá conseguido tornar-se, tanto como ele, o espelho e o retrato de um povo inteiro. Uma parte importante do mundo leitor estrangeiro começou a conhecer o Brasil quando começou a ler Jorge Amado. E para muita gente foi uma surpresa descobrir nos livros de Jorge Amado, com a mais transparente das evidências, a complexa heterogeneidade, não só racial, mas cultural da sociedade brasileira. A generalizada e estereotipada visão de que o Brasil seria reduzível à soma mecânica das populações brancas, negras, mulatas e índias, perspectiva essa que, em todo o caso, já vinha sendo progressivamente corrigida, ainda de que de maneira desigual, pelas dinâmicas do desenvolvimento nos múltiplos sectores e actividades sociais do país, recebeu, com a obra de Jorge Amado, o mais solene e ao mesmo tempo aprazível desmentido. Não ignorávamos a emigração portuguesa histórica nem, em diferente escala e em épocas diferentes, a alemã e a italiana, mas foi Jorge Amado quem veio pôr-nos diante dos olhos o pouco que sabíamos sobre a matéria. O leque étnico que refrescava a terra brasileira era muito mais rico e diversificado do que as percepções europeias, sempre contaminadas pelos hábitos selectivos do colonialismo, pretendiam dar a entender: afinal, havia também que contar com a multidão de turcos, sírios, libaneses e tutti quanti que, a partir do século XIX e durante o século XX, praticamente até aos tempos actuais, tinham deixado os seus países de origem para entregar-se, em corpo e alma, às seduções, mas também aos perigos, do eldorado brasileiro. E também para que Jorge Amado lhes abrisse de par em par as portas dos seus livros.


Tomo como exemplo do que venho dizendo um pequeno e delicioso livro cujo título - “A descoberta da América pelos turcos” - é capaz de mobilizar de imediato a atenção do mais apático dos leitores. Aí se vai contar, em princípio, a história de dois turcos, que não eram turcos, diz Jorge Amado, mas árabes, Raduan Murad e Jamil Bichara, que decidiram emigrar para a América à conquista de dinheiro e mulheres. Não tardou muito, porém, que a história, que parecia prometer unidade, se subdividisse em outras histórias em que entram dezenas de personagens, homens violentos, putanheiros e beberrões, mulheres tão sedentas de sexo como de felicidade doméstica, tudo isto no quadro distrital de Itabuna (Bahia), onde Jorge Amado (coincidência?) precisamente veio a nascer. Esta picaresca terra brasileira não é menos violenta que a ibérica. Estamos em terra de jagunços, de roças de cacau que eram minas de ouro, de brigas resolvidas a golpes de facão, de coronéis que exercem sem lei um poder que ninguém é capaz de compreender como foi que lhes chegou, de prostíbulos onde as prostitutas são disputadas como as mais puras das esposas. Esta gente não pensa mais que em fornicar, acumular dinheiro, amantes e bebedeiras. São carne para o Juízo Final, para a condenação eterna. E contudo…E, contudo, ao longo desta história turbulenta e de mau conselho, respira-se (perante o desconcerto do leitor) uma espécie de inocência, tão natural como o vento que sopra ou a água que corre, tão espontânea como a erva que nasceu depois da chuvada. Prodígio da arte de narrar, “A descoberta da América pelos turcos”, não obstante a sua brevidade quase esquemática e a sua aparente singeleza, merece ocupar um lugar ao lado dos grandes murais romanescos, como “Jubiabá”, “A tenda dos milagres” ou “Terras do sem fim”. Diz-se que pelo dedo se conhece o gigante. Aí está, pois, o dedo do gigante, o dedo de Jorge Amado.

_______________

*Publicado com autorização da Fundação José Saramago.
  O Caderno de Saramago. Texto de 14/10/2008
  http://caderno.josesaramago.org/.
  Fundação José Saramago
  www.josesaramago.org
  A grafia é a de Portugal.
  Foto: Jorge Amado (esquerda) e José Saramago.  Site da Fundação  José   Saramago.

sábado, 27 de março de 2010

O Segredo dos Seus Olhos

Jorge Adelar Finatto



Ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, O Segredo dos Seus Olhos nos mostra que sem justiça e sem democracia não há esperança, resta só a barbárie.

Sou admirador do cinema argentino há bastante tempo. Filmes como O Filho da Noiva e Clube da Lua, entre outros, dignificam qualquer cinemateca. Diria que podem figurar, sem favor, no que de melhor se fez na arte cinematográfica nos últimos trinta anos. Na minha visão, são muito melhores do que filmes como Bastardos Inglórios, êxito de bilheteria, que dá grande destaque ao espetáculo da violência e deixa no espectador um profundo desalento em relação à condição humana.

O que eu vejo de diferente no cinema argentino? Acho que é a capacidade de nos fazer sentir e pensar. São filmes que nutrem esperança no ser humano, sem esconder os dramas da realidade. Além de bem construídos tecnicamente, nos contam uma boa história.

Nessa semana assisti a O Segredo dos Seus Olhos (El secreto de sus ojos), dirigido por Juan José Campanella e interpretado pelos excelentes atores Ricardo Darín (foto), protagonista, Soledad Villamil e Guillermo Francella. Trata-se de mais um belo trabalho produzido por nossos vizinhos do Rio da Prata.

O filme leva-nos a refletir sobre muitas coisas, mal sentimos o tempo passar durante as duas horas e nove minutos. Me chamou a atenção a clareza com que mostra as graves consequências que resultam quando o estado se omite ou negligencia na tarefa de realizar justiça.

Fica muito claro em O Segredo dos Seus Olhos que sem justiça e sem democracia não há esperança, resta só a barbárie. A história nos remete ao período da ditadura militar na Argentina e ao acobertamento de um criminoso pelo regime. Mais um grande filme argentino, que por seus notáveis méritos ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro neste mês.

__________

Foto: Ricardo Darín. Divulgação do filme.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Calle de los suspiros

Jorge Adelar Finatto


De não ver os olhos estão vazios.

De não escutar os ouvidos estão surdos.

Um dia encontrei no mapa aquela cidade ao sul.
Nela havia uma rua chamada Calle de los Suspiros.
Um lugar que nasceu num tempo muito velho.

A rua dos suspiros está povoada de passos perdidos.

Os fantasmas ocupam as casas coloniais.

Quem mora na rua dos suspiros?
A moça na janela olha as buganvílias.
O homem que não sai de casa vê seres incorpóreos nos telhados.

A luz das luminárias é amarelo calmo.

À noite se ouve nas pedras a batida de cascos de cavalos que não existem mais.

A rua dos suspiros é um camafeu pregado na alma do tempo.

Os ventos se reúnem na calle antes de sair a galope pelo mundo.

A dor envelheceu nesta rua.

Neste lugar, todos sofrem pra dentro.

Há um salão de baile desabitado com mesas no escuro.

A orquestra foi embora carregando a música e os casais que dançavam.

A rua dos suspiros habita um retrato no oblívio.

Quem chora a essa hora na calle deserta?


__________ 

Foto: J. Finatto
Imagem de Colonia del Sacramento, Uruguai.

terça-feira, 23 de março de 2010

A volta do barco de papel

Jorge Adelar Finatto


 
Saí a navegar no meu barco de papel pra esquecer o mundo.

Eu, quando quero dar férias à realidade, entro no barco colorido e parto em viagem pelo Guaíba.

Dessa vez reforcei a embarcação. Tomei uma folha de papel mais resistente à intempérie, fixei melhor as dobras. Levantei mais a vela. Na parte interna, coloquei utensílios mais leves.

Um forte vento sul, porém, apanhou o barco no meio do rio. Agitou as águas de tal modo que as ondas começaram a jogar o barco pra cima. O pior era a queda livre na volta. O corpo ficou todo dolorido.

Pra piorar a situação, desabou uma tempestade.

Frágil, o barquinho foi se desmanchando. A vela foi a primeira peça a ruir.

Filipo, o papagaio que me acompanha nas navegações, achou que daquela não escaparíamos.

- Vamos morrer, capitán!

- Tenha fé, nobre Filipo -, disse-lhe eu. Não desanimemos numa hora dessas, amigo. As nuvens más haverão de dissipar-se.

O peixinho Moisés, nosso companheiro de aventuras, nadava aflito ao lado do pequeno veleiro.

Quando o barquinho, enfim, se transformou numa pasta branca de papel, eu respirei fundo antes de afundar no Guaíba.

Mas não era dia de morrer.

A ventania, na sua fúria, nos empurrara pra perto da margem.

Ao cair no rio, a água bateu na altura da cintura. Filipo, que estava encolhido e agarrado no meu esquerdo ombro, gritou animado:

- Conseguimos, capitán!

Moisés respirou aliviado, deu um salto de felicidade e voltou para o interior do rio.

A navegação em barco de papel é uma arte.

Como toda arte, tem sua ciência e seus segredos.

O que é preciso pra navegar desse jeito? Bem pouca coisa.

Uma folha branca, lápis de cor, imaginação e um coração quase feliz

 
____________

Imagem e foto: J. Finatto

segunda-feira, 22 de março de 2010

Apontamentos sobre os direitos das vítimas no Brasil

Jorge Adelar Finatto


A vítima, no Brasil, é aquela pessoa a quem coisas ruins acontecem ou por culpa dela ou por força do destino. Está mal na foto ao contrário dos que ainda não caíram e que se julgam protegidos no interior de uma cápsula indevassável que receberam ao nascer.

A vítima tem direito de saber que dificilmente será tratada como merece pelo Estado e pela sociedade, porque há poucos recursos disponíveis para dar-lhe a necessária atenção. O tempo é curto e a vida continua. No caso, a vida dos outros.

A vítima tem direito de ficar só com seu sofrimento.
 
A vítima tem o inalienável direito de respeitar, até o fim de seus dias, os direitos humanos de seu carrasco.

A vítima tem direito de ser informada que os presídios estão superlotados, não há mais vagas para quem comete crimes.

A vítima, real ou potencial, tem direito de viver aprisionada dentro de si e de sua casa, enquanto os criminosos andam soltos, sabendo que, agora ou num futuro próximo, farão outras vítimas.

A vítima tem direito de entender que aquilo que levou uma vida inteira para construir pode ser destruído em poucos segundos por alguém que não está nem aí para ela e sua família.

A vítima tem todo o direito de fazer um resumo do que lhe aconteceu, desde que evite maiores detalhes e, principalmente, controle sua emoção, porque as pessoas em geral, e autoridades em particular, têm um milhão de coisas para fazer e se chateiam com relatos emocionais. Às vezes, prefere-se acreditar que os fatos não aconteceram bem assim, ou são peças de ficção.

A vítima tem o indiscutível direito de carregar na alma o insuportável sentimento de invasão, impotência, fragilidade e tristeza pelo que passou.

A vítima tem direito de levar sozinha seu trauma pelo resto da vida, com poucos, raros seres humanos para dividir a angústia da violação sofrida.

A vítima tem também o direito de permanecer em silêncio para não importunar a indiferença dos outros.
 
A vítima tem direito de ouvir que seu caso não é o único e que, por isso, deve ter muita paciência. Dramas como o seu acontecem todos os dias. É melhor poupar-se de falar contra a ineficiência dos públicos poderes.

A vítima tem o irrestrito direito de ser informada que o principal direito humano que lhe assiste é o recato na dor.
 

Um claro outono

Jorge Adelar Finatto


Este é o primeiro outono do blog. O Fazedor de Auroras completa hoje três meses de vida. Um tempo muito pequeno, quase nada. Mas não deixa de ser um acontecimento pra quem não tinha ideia de permanência no ambiente virtual. De qualquer forma, tem sido uma boa experiência. Muito agradeço a quem tem visitado esta página da biblioteca infinita da internet. Observo que o blog é receptivo a críticas, sugestões e manifestações em geral. Um claro outono pra todos nós é o que eu espero!

______



jfinatto@terra.com.br

domingo, 21 de março de 2010

Refúgio

Jorge Adelar Finatto


Tudo tão frágil na vida
o mundo inteiro cabe num abraço

Medos povoam a insônia
a chuva lá fora é a infância
com seus tesouros submersos
no navio sem leme nem capitão
do tempo

Melhor me refugiar no teu corpo
fingir que tudo está tranquilo
arranjado e bom
como no útero

_______
21 de março - Dia Mundial da Poesia
Poema do livro O Fazedor de Auroras, J.Finatto. Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1.990.

sábado, 20 de março de 2010

Jogos Olímpicos de 2.016

Jorge Adelar Finatto


O cartão-postal vai brilhar intensamente outra vez, será um grande espetáculo visual para o mundo, o Rio é mesmo deslumbrante, o povo é acolhedor. Depois, tudo se apaga e volta a ser como antes, só que pior, porque dinheiro grosso foi gasto sem critério e sem sentido, perdendo-se uma grande oportunidade.

O amigo leitor está no justo descanso do fim de semana.

Desembarcou na ilha-refúgio de dois dias quase sem fôlego. A rude lida da sobrevivência leva ao limite nossa paciência e capacidade de resistência.

Tudo que se quer, nessa hora, é estar perto das pessoas amadas. E um bom descanso, no sofá ou na velha cadeira de balanço, um livro, uma revista.

Não deve o cronista importunar esse santo repouso. Os temas tratados hão de ter alguma leveza, trazer um pouco de ar fresco.

Contudo, quero hoje falar de um assunto que me atormenta e que gostaria de compartilhar.

Trata-se dos Jogos Olímpicos de 2.016.

Penso que a sociedade brasileira, você, eu, todos nós deveríamos ter sido consultados sobre a realização dos Jogos no Rio de Janeiro. Motivo principal: a extraordinária soma de dinheiro público que será utilizada no evento. Fala-se algo em torno de R$ 30 bilhões. Muito provavelmente será bem acima disso, como costuma acontecer.

A cidade maravilhosa foi escolhida sede da Olimpíada em Copenhague, na Dinamarca, no dia 02 de outubro de 2009, vencendo as concorrentes Madri, Tóquio e Chicago. Mas terá sido mesmo uma vitória ou, antes, um alívio para as cidades preteridas, porque não terão de gastar essa babilônia em meio a uma das piores crises econômicas que o mundo já conheceu ?

sexta-feira, 19 de março de 2010

Três poemas

Jorge Adelar Finatto

VERDE

Das minhas cinzas faço um verde
nesse verde nasce um menino
eu sou o menino que acompanha este menino

somos filhos da fome do dia
como os potros que morreram cedo
nossos irmãos

na nossa rua nenhum deus mora
eis porque choramos quando o dia acaba
ou brilhamos como duas adagas ao sol

nossa canção
a invasão dos dias
nossa matéria
o que está na sombra e não tem nome




EVOCAÇÃO DE RILKE

Quem tomará a minha mão
na noite de vermes
quando o asco me derruba
feito cão pela esquina

quem de coração amigo
chegará para beber a gota
de ternura estrangulada

quem me chamará de irmão
na dor imensa
quando o medo me acerta
com suas espadas de fogo




TODO VIVENTE CARREGA

Todo vivente carrega
seu fardo de solidão
nas entranhas
cheiros rudes no corpo
primaveras esquecidas
na caduquice da memória

se eu prossigo
no caminho
não se iludam
é pura teimosia

__________
Poemas do livro Claridade, de Jorge Finatto. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1983.
Ilustrações: Maria Izabel Carbunck Schissi

quinta-feira, 18 de março de 2010

O testemunho dos livros

Jorge Adelar Finatto



Os livros que nos acompanham pela vida são testemunhas da nossa história. De certa forma, somos feitos dos livros que lemos, e eles fazem parte do nosso ser.

O tecido das manhãs com que foi escrito Vagamundo ainda está presente nas suas páginas. O pequeno/grande livro está na minha estante há muitos anos, mas parece que chegou na semana passada. Difícil descrever o que senti ao ler os contos do volume de 96 páginas do uruguaio Eduardo Galeano. São contos, mas também podem ser chamados poemas. É uma dessas obras inesquecíveis.

Na parte interna da orelha esquerda, o registro do tempo em que o comprei: setembro de 1978. Um pedaço de mim está nesse livro como está nas páginas de tantos outros que me ajudaram a respirar naquele período sufocante, num país doente, num continente afundado em ditaduras, inclusive a de Cuba, que muitos de nós, naquele momento, víamos com outro olhar. Achávamos o sistema cubano justo e necessário.

Um engano, entre tantos, olhando com olhos de hoje. A ditadura cubana, que é uma tirania, está no poder desde 1959. O país não tem liberdade, a pobreza vive nas casas e nas ruas, e as pessoas que procuram mudar a realidade eram presas ou mortas, como no recente caso do dissidente político Orlando Zapata Tamayo, que morreu após 85 dias de greve de fome.

De qualquer modo, escritores como Eduardo Galeano alimentaram e alimentam nosso sonho e nosso ideal de uma sociedade mais humana, democrática e muito mais justa. Isto é inspirador em qualquer época, independente de nossos enganos.
 
_________

Vagamundo, Eduardo Galeano. Editora Paz e Terra, tradução de Eric Nepomuceno, 2ª edição, Rio de Janeiro, 1977. Com texto de apresentação de Otto Maria Carpeaux.
 

quarta-feira, 17 de março de 2010

Homem com naufrágio dentro

Jorge Adelar Finatto



O homem morava dentro do escafandro.
Os peixes o acompanhavam aonde quer que fosse.
Habitava o território de uma aquarela marinha.
As tardes povoadas de barcos, gaivotas, ventos, búzios.
Ela partiu certa manhã para um giro em torno da ilha onde viviam.
Gostava de ouvir o rumor azul do mar batendo nas pedras.
Nunca mais retornou.
O homem foi mirar os longes na beira do alto penhasco.
A barba cresceu, o tempo misturou as folhas do calendário, enquanto ele esperava.
A lágrima verteu cálida sobre a face fria.
Ele foi então morar no interior do escafandro.
Homem com naufrágio dentro.
Ela estava deitada no leito submerso do seu coração.
Nada em sua nudez lembrava a cálida presença.
O rosto parecia sereno, feliz.
Os cabelos flutuavam como anêmona.
Ele quis morar com ela no fundo das águas.
O irremediável abismo o chamava.
Muitas noites adormeceu com a esperança de não acordar.
Os peixes desenhavam coloridos traços ao redor do homem para despertá-lo.
Um dia ele acordou nas profundezas da manhã austral.
Uma força impressionante puxou o escafandro, ele enfim subiu,
arrastando suas correntes.
A praia vazia, as palmeiras, o horizonte.
A voz dela se distanciando na trompa dos búzios.
O homem saiu a andar na praia deserta da aquarela.
O que ele fez para suportar todas as manhãs que vieram depois? É um segredo que só os cavalos-marinhos e as anêmonas conhecem.

______________


Foto: J. Finatto. Escafandro utilizado por velhos marinheiros da Fragata Sarmiento, hoje museu naval, em Puerto Madero, Buenos Aires.
 

Vivo, vivíssimo*

José Saramago

Intento ser, à minha maneira, um estóico prático, mas a indiferença como condição de felicidade nunca teve lugar na minha vida, e se é certo que procuro obstinadamente o sossego do espírito, certo é também que não me libertei nem pretendo libertar-me das paixões. Trato de habituar-me sem excessivo dramatismo à ideia de que o corpo não só é finível, como de certo modo é já, em cada momento, finito. Que importância tem isso, porém, se cada gesto, cada palavra, cada emoção são capazes de negar, também em cada momento, essa finitude? Em verdade, sinto-me vivo, vivíssimo, quando, por uma razão ou por outra, tenho de falar da morte…

_______________
*O Caderno de Saramago.
Texto de 18/11/2008.
http://caderno.josesaramago.org/.
Fundação José Saramago
http://www.josesaramago.org/

terça-feira, 16 de março de 2010

Grupo Sanguinovo

Jorge Adelar Finatto


Estive em São Paulo pela primeira vez em 1979. O motivo da viagem era conhecer de perto os integrantes do Grupo Sanguinovo, que só conhecia por cartas. O poeta Antonio Carlos Lucena, o Touchê, foi um dos idealizadores do movimento. Era um querido amigo e parceiro. Morreu precocemente em 1985.

O Sanguinovo organizou passeatas poéticas em São Paulo, intervenções em lugares públicos, lançamentos de obras, leituras de poemas, e aproximou gente do Brasil inteiro. O Sanguinovo lutava pela democratização do país, queria a livre circulação da arte e da poesia.  O tempo difícil da ditadura exigia fé, coragem e criatividade. Era comum o pessoal mostrar e vender o trabalho do grupo na rua, em bares, festas, reuniões, eventos.  

Touchê criou, entre tantas coisas, os poemas do poste, que eram cartazes com textos de cinco ou seis autores cada um. Era um jeito diferente de mostrar a poesia. O suporte eram os postes de iluminação da cidade. A população gostou, a ideia fez sucesso. Na época, a imprensa ainda abria espaço a esse tipo de manifestação.

Participei do Poema do Poste nº 6, lançado em setembro de 1980. A publicação teve apoio da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, sendo impressa na Gráfica Municipal.

O meu primeiro livrinho de poemas, Viveiro, saiu pelo Sanguinovo em 1981, com noite de autógrafos (!) no Spazio Pirandello, o lugar cult da cidade na época. Na ocasião também foi lançado um livro da poeta Leila Míccolis, outra amiga  e incentivadora do grupo. Aliás, Leila fez uma das apresentações do Viveiro. A outra foi escrita por Heitor Saldanha.  O meu pequeno livro só foi possível graças à participação do poeta Touchê, que tinha um invulgar talento criativo e enorme capacidade de agregação.

Como não havia email, as comunicações entre os integrantes do grupo eram feitas por carta. Durante muitos anos eu tive uma caixa-postal na agência central do correio em Porto Alegre.

Havia muita vida naquelas cartas, muitas trocas, muita amizade. Notícias de sonhos e realidade chegavam e partiam nas malas postais.

Um tempo de esperança e pequenas gentilezas que fazia tão bem.

Cheguei, então, na rodoviária de São Paulo. Como não conhecia nada nem ninguém, saí andando, apenas com um endereço no bolso. Acabei na frente da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo.

Estava estacionada ali perto uma viatura da então muito temida Rota, da Polícia Militar de São Paulo. Havia nela dois policiais. Desceu um deles e veio em minha direção. Eu estava vestindo roupa de brim, tênis, o velho bornal ao ombro, uma mochila. Me perguntou se estava tudo bem, iniciou uma conversa. Eu fiquei frio, e fui sincero: preciso ir neste endereço e não sei como fazer. Expliquei que tinha acabado de chegar de Porto Alegre.

O soldado então me convidou a entrar na viatura. Disse que me levariam até aquele lugar. Entrei, embora desconfiado e estranhando tanta gentileza por parte de policiais, incomum ou inexistente em plena ditadura. Acho que andamos uns 20 minutos. A conversa foi agradável, amenidades. Os policiais me deixaram na frente da casa, que ficava em Vila Madalena, bairro de intelectuais e artistas. Nos despedimos com um aperto de mão.

Mais tarde contei o acontecido às pessoas da casa - artistas pásticos, músicos, escritores, professores - que não acreditaram na minha história. Onde já se viu aquele tipo de gentileza? Custei muito a convencê-los.

Num outro dia, durante aquela viagem, caminhava pela rua quando caiu uma forte chuva. Me abriguei sob o pequeno toldo de uma fruteira. A dona, uma senhora que parecia japonesa, veio lá de dentro e me convidou a entrar. Eu agradeci, disse que não, não queria incomodar. Ela foi lá dentro. Em seguida voltou e me entregou um guarda-chuva para me proteger melhor. Esperei uns quinze minutos até a chuva passar. Entrei, devolvi o guarda-chuva e agradeci. Me despedi. Ela sorriu e desejou tudo de bom.

Na noite em que retornei, caía uma garoa e havia uma leve neblina em São Paulo. Dentro do ônibus, olhando lá fora as ruas da cidade, tive a impressão de ver Mário de Andrade numa esquina, com os óculos redondos, terno e gravata. Segurava um guarda-chuva numa da mãos. Com a outra, me acenou sorrindo.

____________ 

Foto: J. Finatto. Poema do Poste nº 6. Grupo Sanguinovo, São Paulo, setembro, 1980.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Pharol de Santa Martha

Jorge Adelar Finatto


Um dos grandes fotógrafos brasileiros, Eduardo Tavares estará autografando seu livro Pharol de Santa Martha, na próxima quarta-feira, 17 de março, a partir das 19h30min, na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que fica na Rua Ramiro Barcelos, 2705, atrás do Planetário, em Porto Alegre.

A publicação resulta da conviência amorosa do autor com o antigo farol de 1890, cujo nome original era assim mesmo, com ph e th.  Desde 1982 Tavares frequenta o local, situado a 15 km de Laguna, Santa Catarina.

Sempre que pode, ele ocupa uma casinha do Morro do Céu e de lá observa a maravilha. São praias, lagoas, dunas, sambaquis, a flora e a fauna, a vila e seu povo, a pesca, o turismo, o farol iluminando tudo no inverno e no verão. Eduardo remete o leitor a esse ambiente único e também conta a história do lugar.

O livro  tem formato elegante, 264 fotos coloridas e texto do próprio autor. São 68 páginas de beleza e sensibilidade, em papel cuchê, pelo preço de R$ 35,00. Pedidos podem ser feitos pelo email ete@terra.com.br.

Jornalista com notável currículo, Eduardo lecionou na UFRGS e trabalhou em revistas como Veja e Manchete, entre outras.

____________  

Foto: Eduardo Tavares

A solidão segundo Heitor dos Crepúsculos

Jorge Adelar Finatto

 


Somos poucos e invisíveis. Habitamos os Campos de Cima do Esquecimento.
 
O outono amadurece nas ruas da velha cidade. É quando, no silêncio de antigos retratos, as imagens ganham vida própria e passam a viver outra existência. Um certo rumor habita o silêncio.

O fantasma-mor de Passo dos Ausentes diz que desistiu de aparecer e desaparecer no ar feito nuvem de neblina. Heitor dos Crepúsculos afirma que o motivo é simples: a canseira que isso lhe dá.

- Materializar-se, desmaterializar-se, não apenas cansa, como é parte de um formalismo que perdeu a razão de ser neste lugar, - declara.

- É um ritual desnecessário em Passo dos Ausentes, onde todos padecem do fenômeno da invisibilidade.  A cidade e seus habitantes nem ao menos figuram no mapa do Rio Grande do Sul, - constata Heitor.

O nosso lugar no universo é um mistério.
 
Somos personagens de um mundo em extinção.

A cidade não existe oficialmente, apesar dos inúmeros pedidos nesse sentido feitos ao Estado ao longo do tempo, todos denegados. E, no entanto, somos uma das cidades mais antigas da Província de São Pedro. Surgimos logo depois da destruição da Missão de São Miguel Arcanjo pelos exércitos de Espanha e Portugal. Essa história já abordamos no documento A cidade perdida: as origens, neste mesmo espaço.




As pessoas nada sabem da nossa cultura, das nossas origens, do nosso sentimento e da nossa história. Vivemos isolados. Em parte devido às difíceis condições de acesso pelas encostas das montanhas. Também influi o fato de sermos uma pequena comunidade com cada vez menos habitantes. Um outro aspecto tem a ver com a indiferença dos governantes e dos meios de comunicação, que só vêem o que lhes interessa.

Simplesmente não nos vêem, não nos conhecem, não nos sentem.

A Sociedade Histórica, Literária, Filosófica, Geográfica, Artística, Geológica e Astronômica de Passo dos Ausentes, presidida pelo filósofo Don Sigofredo de Alcantis, decidiu incluir Passo dos Ausentes na carta estelar da constelação de Atlântida, como forma de melhorar a nossa autoestima. É onde hoje figuramos no universo.

De certo modo Heitor tem razão de abandonar certas formalidades fantasmagóricas na Terra dos Ausentes. Anda pelas ruas como um de nós. Ninguém estranha.

A única norma fantásmica da qual Heitor não abre mão é a que diz respeito a jamais deixar-se fotografar. Isso, segundo afirma, seria expor-se demasiado, até mesmo para um fantasma com costumes e idéias liberais como ele.

O lugar preferido de Heitor dos Crepúsculos, na verdade, são dois.

Um deles é o Café Somos Poucos, um recanto aprazível, com gerânios nas janelas, perto da Praça do Esquecimento. Ali se pode tomar o delicioso cappuccino dos suspiros, acompanhado do inefável sonho do oblívio.

Heitor senta-se no fundo do café. A pequena mesa fica ao lado de uma janela que tem sempre metade da veneziana fechada, a seu pedido.

- Gosto de ficar aqui lendo, é o meu ponto de observação das palmeiras, da estrada de ferro e das ausências que povoam esse não-lugar - observa.
 
O outro lugar de Heitor dos Crepúsculos é a velha estação de trem abandonada. Está desativada desde 1951. A antiga maria-fumaça permanece na gare, como nos tempos dos trens de passageiros. Mas nunca ninguém mais viajou como antes.

Dos Crepúsculos aparece na estação, nas tardes cinzentas, pra conversar com seu amigo Juan Niebla, 86 anos, músico cego que toca bandoneón pra alegrar os invisíveis passageiros que não chegam mais. Niebla, apesar disso, não abandona o cargo público para o qual fez concurso e foi nomeado aos 15 anos, em 1927, ficando cego logo em seguida. Permanece no seu posto aguardando a volta do trem de ferro.
 
- No dia em que o trem voltar a nossa cidade, subindo as íngremes montanhas outra vez, estarei aqui para receber os viajantes - diz ele.

Às vezes, Niebla e Heitor saem a caminhar sobre os dormentes até desaparecer na névoa que aqui em Passo dos Ausentes é permanente. Em certas ocasiões, Heitor faz movimentar a maria-fumaça e eles saem em breves passeios pelo caminho dos pinheiros, na margem sinuosa do Rio da Ausência.
 



O trem, que nunca mais desceu os temerários paredões de basalto da Serra dos Ausentes, contorna perigosos peraus nas cercanias da cidade, descortinando ao longe uma das mais belas vistas do planeta. O trem fantasma depois volta para seu lugar na estação.

Numa de nossas conversas, Heitor dos Crepúsculos confidenciou o quanto a solidão lhe pesa no coração.

O fantasma gosta de me visitar vestindo o negro capote, nos dias de chuva, no escritório.

- Como já disse uma vez, um fantasma só se torna fantasma porque ama a vida e não aceita volatilizar-se em definitivo. Sonha a impossível permanência entre os vivos. Sempre me sinto sozinho, o que não é de espantar para alguém que se matou, num momento de bobeira, aos 27 anos. O anoitecer é o pior momento do meu dia. Queria ter sido uma pessoa mais leve, mais feliz, com mais fé. O que se há de fazer?
 
Continua Heitor:

- À noite é quando fica mais escuro dentro da minha alma. Saio a me procurar pelos corredores, escadas e sótãos do meu ser abandonado. Sinto essa falta de ser que sempre me acompanhou. Durmo por exaustão, é como cair num poço. É estranho como certas ausências nos acompanham pela vida e atravessam o umbral conosco.

- A noite me invade e me desconcerta. Esse frio e esse vento me habitam. Vivi, vivo (modo de dizer) no chapadão dos Campos de Cima do Esquecimento. Um tempo sem relógios.
 
- Os dias caem do calendário como as folhas no outono.

- Nasci em Passo dos Ausentes, aqui me criei.  O meu melhor amigo sempre foi Juan Niebla. Não me evita como os outros.

Niebla costuma dizer:

"Pra mim, nunca morreste, Heitorzinho. Não sei se és um fantasma como dizem, nessa altura pouco me interessa. Se fores, tanto faz. Sou músico e sou cego, moro nessa lonjura, um pouco fantasma também. O importante é que me visitas. Como vês, aqui na estação tudo é muito solitário. Sou eu, meu bandoneón e este banco. Ainda bem que estás por perto.
 
"Acho que somos todos uns desarraigados neste mundo, uns pobres coitados, cada um traz o irremediável dentro de si, só que uns escondem melhor o desamparo do que os outros".

______________________

A cidade perdida: as origens:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/06/cidade-perdida-as-origens.html

Um fantasma quer conversar:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2011/05/um-velho-fantasma-quer-conversar.html

A claridade do coração:
http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2012/04/claridade-do-coracao.html
 

sábado, 13 de março de 2010

O Clube da Esquina

Jorge Adelar Finatto




O que nos dizia o Clube da Esquina no vendaval das nossas vidas pequenas e massacradas na década de 1970? Dizia que era possível ir muito além da pobreza material e espiritual daqueles dias. Dizia que valia a pena acreditar na amizade, no encontro, na ousadia, na transgressão do ódio e da hipocrisia.

Mostrava que nada podia amputar nossos sonhos, nossa criatividade. A vida podia e devia ser bonita.

O Clube da Esquina não tinha carteirinha, nem endereço, tampouco piscina e sede campestre. Era um lugar espiritual onde as pessoas se reuniam em qualquer dia, qualquer hora, qualquer estação do ano. Os sócios espalhavam-se pelo Brasil.

A senha dos frequentadores do Clube estava no jeito, no olhar, no modo de ser, na amizade verdadeira, na busca.

Muitos construíram saídas existenciais frequentando o Clube da Esquina. Ali se cultivavam encontros, pomares de alegria, viveiros de afeto. Um modo diferente de olhar a vida num país que tinha perdido o encanto e a esperança.

Uma maneira diferente de traduzir essa coisa tão velha que é o indivíduo estar no mundo, mergulhado numa paisagem sombria, sob sol e chuva, e seguir adiante, apesar de tudo.

Construções melódicas e letras inusitadas, instigantes, sensíveis, tão diferentes do que tinha sido feito até então.

O fundo musical da minha adolescência foi inventado pelo Clube da Esquina, de Milton Nascimento, Lô Borges e companheiros de estrada. Estamos falando dos anos 1970. O famoso clube mineiro vinha dos anos sessenta, quando Milton tinha vinte e poucos anos e havia feito músicas eternas como Travessia (em parceria com Fernando Brant) e Morro Velho, que chamaram a atenção do mundo.

O Clube da Esquina, disco lançado em março de 1972, trazia um recado urgente. Era uma música nova, numa época difícil. As portas estavam fechadas para a juventude. Os ares das montanhas de Minas Gerais, o sertão, as veredas, as paisagens de concreto, vidro e aço das grandes cidades, a loucura da história, tudo vinha junto nas canções. O antigo e o moderno.

A impressão é que nada de importante escapava dos integrantes do Clube. Eram poetas lúcidos e líricos, profundamente brasileiros, latino-americanos, um canto universal.

Havia no trabalho daqueles jovens músicos e compositores muito de cinema, leitura de filosofia, literatura, conhecimento da arte em geral, que os levava a uma reflexão atual sobre a vida, a risco, a céu aberto. O paredão da censura e do medo não lhes caía bem, o grupo rejeitava com coragem esse tipo de interferência.

Eu estudava com meia bolsa numa escola particular de Porto Alegre, na qual havia filhos de famílias de classe média e alta. Quando vim a ter a minha primeira jaqueta Lee, americana, esse vestuário já saíra de moda.

Sempre estive fora de moda naquela escola. Ir todos os dias pra casa, no bairro distante, no ônibus velho e lotado, era de certa forma um alívio. As pessoas mais afortunadas não conseguem esconder certa estranheza diante dos pobres, quando eles entram no seu ambiente.

Mas a leitura e a música, duas coisas relativamente acessíveis, abrem caminhos ensolarados.

No Clube da Esquina não se barravam pessoas pela classe social ou qualquer outra. Aprendi a olhar nos olhos dos outros, sem ter vergonha de ser pobre e não ter as coisas materiais que, para muitos, são importantes. Havia outras riquezas.

Foi um amigo da escola, filho de militar de alta patente do Exército, quem comprou o primeiro Clube da Esquina. Me convidou para ouvir o disco. O cara tinha até um quarto só pra ele! Passamos muitas tardes de nossas vidas de adolescentes dentro do Clube.

Podíamos, então, sair em viagem com O tem azul (Lô Borges e Ronaldo Bastos):
Coisas que a gente se esquece de dizer
Frases que o vento vem às vezes me lembrar
Coisas que ficaram muito tempo por dizer
Na canção do vento não se cansam de voar
Você pega o trem azul
O sol na cabeça
O sol pega o trem azul
Você na cabeça
O sol na cabeça

O Clube da Esquina era a gente andando no meio do mundo. A gente vivendo numa realidade seca, mas com esperança.

Os militares ocupavam o poder de forma truculenta. Do outro lado, pessoas estavam na luta armada. O país se matava. Não havia conversa, não se encontravam saídas. Era o tempo dos assassinatos, dos sequestros, da tortura, dos banimentos, dos assaltos a bancos, das emboscadas, da violência como única forma de luta.

A luta encarniçada pelo poder.

A estética do Clube da Esquina era a da resistência e do rompimento com o atraso e a falta de imaginação. Em 1972, o antológico disco foi um enorme acontecimento. Entre os participantes estavam Fernando Brant, Ronaldo Bastos, Lô Borges, Márcio Borges, Beto Guedes, Toninho Horta, Wagner Tiso, Paulo Moura, Nelson Ângelo, Eumir Deodato, além, claro, do próprio Milton. Em 1978, veio à luz o Clube da Esquina 2, com nomes em acréscimo, como Tavinho Moura, Paulo Jobim, Joyce, Ruy Guerra, Novelli, Danilo Caymmi, entre outros.

As pessoas que participavam do Clube da Esquina tinham em comum a inquietação pelo novo, na vida pessoal e no espectro coletivo, sendo a música a via de chegada a este tempo futuro, que já se fazia presente nas letras e canções. Pessoas de diferentes classes sociais, com aspirações de justiça e fraternidade, se encontravam no Clube.

Em 1975, Milton Nascimento apresentou-se com seus amigos em Porto Alegre. Foi no Gigantinho, ginásio de esportes ao lado do Gigante da Beira Rio, do Internacional, à beira do Guaíba. Lembro-me que não ocupamos a arquibancada, o público era pequeno. Sentamos no chão mesmo, à vontade, diante do palco improvisado, a poucos metros dos músicos. Foi um grande e inesquecível show, Milton cantando os "clássicos" que faziam tremer nossos corações. Depois, generosamente, atendeu aos pedidos de músicas extras.

O pessoal do Clube da Esquina não assumiu pose de ídolo. Eram ao natural. Começando pelo primeiro, Milton Nascimento, reservado, com notável intuição, informação cultural e uma capacidade impressionante para decifrar os enigmas do tempo e ver adiante. Com suas músicas, esses artistas iluminaram o nosso duro chão de viver.

Ainda hoje escuto as músicas do Clube da Esquina com o mesmo arrepio, o mesmo alumbramento dos anos setenta do século passado. Como puderam fazer algo tão bonito e ao mesmo tempo tão presente na vida de tanta gente? O trabalho dos integrantes do Clube vinha de outra esfera de consciência, reservas espirituais.

Estavam perto de Deus, dos anjos, dos homens.

Com eles, num domingo qualquer, sem nenhuma perspectiva, aprendemos que Nada será como antes (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos):
Eu já estou com o pé nessa estrada
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes, amanhã
Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Alvoroço em meu coração
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite
Um gosto de sol


Num domingo qualquer, qualquer hora
Ventania em qualquer direção
Sei que nada será como antes, amanhã
Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Sei que nada será como está

Éramos urbanos, mas, nas canções do Clube, colocávamos os pés também no interior, em estradas de terra, conhecendo nosso país. Andávamos de carro de boi, atravessávamos vales e montanhas, tomávamos banho de rio e de mar.

Nenhum outro movimento musical nos disse tantas coisas, nos tocou tanto, nos projetou para o futuro, em um país que tratava - e ainda trata - seus jovens como marginais.

A obra visceral de Milton Nascimento e seus amigos nos alimentou com vida solidária e convivente.

Um sentido de partilha atravessou a escuridão.

Uma visão de transcendência espalhou-se no cotidiano.

Uma paisagem vista da janela mostrou-nos que a vida pode ser o que fizermos com ela.

Um pouco/muito da existência de muita gente no canto e na voz humana de Milton Nascimento.

No meu bornal de lembranças, lá está o trenzinho passando na frente das montanhas, com o sol atrás, como no desenho de Milton. Aquelas canções seguem dentro de nós pelas ruas vazias, nas salas de espera, nas filas dos ônibus, trens, barcos e aviões, nas calçadas, nos hospitais, praças, na volta do mercado público de Porto Alegre, nos difíceis ambiente de trabalho.

A vida nunca mais seria a mesma.

Milton gravou mais uma vez a amizade, no Clube da Esquina 2, na canção Que bom, amigo, de sua autoria:
Que bom, amigo
Poder saber outra vez que estás comigo
Dizer com certeza outra vez a palavra amigo
Se bem que isso nunca deixou de ser
Que bom, amigo
Poder dizer o teu nome a toda hora
A toda gente
Sentir que tu sabes
Que estou pro que der contigo
Se bem que isso nunca deixou de ser
Que bom, amigo
Saber que na minha porta
A qualquer hora
Uma daquelas pessoas que a gente espera
Que chega trazendo a vida será você
Sem preocupação

O Clube da Esquina, sem carteirinha de sócio e sem sede, nos acolheu e tratou como irmãos.
Como disse Milton, no excelente livro Os sonhos não envelhecem*, do poeta, escritor e autor de letras de canções Márcio Borges:

“E mais uma vez penso que o Clube não pertencia a uma esquina, a uma turma, a uma cidade, mas sim a quem, no pedaço mais distante do mundo, ouvisse nossas vozes e se juntasse a nós. O Clube da Esquina continua vivo nas músicas, nas letras, no nosso amor, nos nossos filhos e quem mais chegar”.

O Clube da Esquina, solto no espaço como nuvem, tem a porta de entrada no nosso coração.


________________

Foto: capa do disco Clube da Esquina, 1972.
*Os sonhos não envelhecem. Histórias do Clube da Esquina. Márcio Borges, p.358. Geração Editorial, São Paulo, 1996.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Cuba e os direitos humanos

Jorge Adelar Finatto

As ditaduras são feitas de cadáveres e prisões. Não existe a figura do bom ditador.

Sejam de direita ou de esquerda, ditaduras são igualmente infernais.

Após a morte do pedreiro e dissidente político Orlando Zapata Tamayo, 42 anos, em 23 de fevereiro de 2.010, em consequência de 85 dias de greve de fome, o psicólogo e jornalista cubano Guillermo Fariñas, 48 anos, também está em greve de fome, desde 24 de fevereiro. As informações mais recentes dão conta de que é muito preocupante seu estado de saúde.

Fariñas afirma que está pronto a sacrificar-se, se o governo de Cuba não libertar 26 presos políticos que estão com a saúde debilitada em prisões da ilha.

Os irmãos Fidel Castro Ruz, ex-presidente, e Raúl Castro Ruz, atual líder político de Cuba, não se mostram dispostos a permitir a democratização e nem a rever a forma de tratar os opositores do regime de partido único (Partido Comunista de Cuba).

A Revolução Cubana, vitoriosa em 1959, liderada por gente como Fidel Castro e Ernesto "Che" Guevara, combateu a ditadura do general Fulgencio Batista, que, entre outras violências, tratava com brutalidade os inimigos políticos.

Os atuais dirigentes cubanos repetem a intolerância contra os adversários. Dados do Departamento de Estado dos Estados Unidos informam a existência de 194 presos políticos em Cuba.

Informações divulgadas na imprensa mostram que a revolução trouxe avanços sociais a Cuba, principalmente em áreas como educação e saúde. É um país pequeno, que tem hoje cerca de 12 milhões de habitantes.

O embargo econômico imposto pelos Estados Unidos só tem colaborado para a falta de avanços políticos em Cuba. A posição americana é um obstáculo ao fim da ditadura e fortalece o discurso persecutório dos governantes cubanos.

Fidel Castro, seu irmão e sequazes cometem o erro essencial de todos os ditadores: acham-se insubstituíveis, e não admitem a transição democrática do poder. Consideram-se melhores e mais preparados do que todos os outros cidadãos e só eles sabem o que é bom para a sociedade.

O governo cubano não reconhece a existência de presos de consciência e afirma que o que há são mercenários a serviço dos Estados Unidos, alegação que não convence mais ninguém.

O que se pergunta é quantas prisões e mortes mais serão necessárias para que se estabeleçam o diálogo e o respeito aos que pensam diferente do governo em Cuba.

É uma violência aos direitos humanos um mesmo grupo manter-se no poder por tanto tempo, afastando a população da democracia, negando-lhe direitos políticos.

Não existe justificativa, do ponto de vista ético, político e social, para essa eternização, que só é possível mediante a eliminação da liberdade e, às vezes, da própria vida de quem é contrário ao sistema.

O que se espera do governo brasileiro é uma posição firme e clara contra a falta de democracia naquele país e contra a perseguição movida aos que se manifestam por mudanças. É incompreensível, aliás, o já longo silêncio das autoridades brasileiras em relação à escuridão política em Cuba.
 

quinta-feira, 11 de março de 2010

Discreta canção para um guarda-chuva perdido

Jorge Adelar Finatto

Se encontrares por aí 
um guarda-chuva perdido
toma-o na mão
e leva-o contigo

alguém distraído
perdeu-o
sem querer
na casa do vento

não o abandones
por favor
na neblina
do oblívio

acolhe esse amigo
que foi esquecido 
num banco de praça
na tarde vazia
de um domingo

oferece-lhe
afeto e abrigo

um dia talvez 
ele partilhará
a longa solidão
do inverno
contigo


















____________

Fotos: J.Finatto

quarta-feira, 10 de março de 2010

Breves anotações de um fantasma

Jorge Adelar Finatto

desenho a bico de pena, 1979, j.finatto
 
As dedicatórias, nos velhos livros dos sebos, me comovem.

Dói nelas a solidão de não mais pertencerem a alguém. Estão soltas no mundo como a mão que acaricia o vento. Caíram no alçapão do tempo, o afeto cobriu-se de pó.

Numa estante qualquer perdida no planeta, as velhas dedicatórias sofrem a tristeza da ausência.

                               &       &      &      & 

Abro ao acaso o volume das Elegias de Duíno*, poemas de Rainer Maria Rilke, livro que não visitava há muitos anos. Na orelha está a minha assinatura e o registro de um tempo: abril de 1977.

O primeiro verso da primeira elegia inaugura a perplexidade diante da existência, o recolhimento do ser, a transcendência:

Quem, se eu gritasse, entre as legiões dos Anjos me ouviria?

                               &      &      &      &

Tenho o costume de fazer pequenos apontamentos nos livros que leio. Não me constranjo de sublinhar trechos, tecer comentários nas margens, corrigir alguma coisa que me pareça fora de lugar. Faço isso sem remorso, hábito enraizado como o de cheirar os livros. Cada um tem seu aroma.

Nunca me incomodo de encontrar anotações nos livros comprados nos sebos da vida. Pelo contrário, me interessa saber o que o anterior proprietário escreveu, o que lhe chamou a atenção, as impressões que lhe ficaram da leitura, alguma observação curiosa.

                                     &     &        

Heitor dos Crepúsculos, o fantasma-mor de Passo dos Ausentes, costuma me visitar nos dias chuvosos como hoje, aqui no escritório onde leio, escrevo e, às vezes, desapareço em pleno ar.

Diz ele que os fantasmas são os grandes frequentadores dos sebos. À noite, no silêncio dos corredores desertos, entre estantes pesadas de volumes e o cheiro adocicado no ar, proveniente das páginas envelhecidas, os voláteis põem-se a vasculhar as histórias contidas nas dedicatórias e registros escritos. Sabem que existe vida ali.

Dos Crepúsculos afirma que os fantasmas amam a vida e só por isso são fantasmas.

Observa que eles procuram nos sebos o livro da vida perdida. Esse livro traz o perfume ressequido do tempo, e as marcas dos dias felizes.

- Costumo fazer anotações à margem das outras anotações. No futuro, quem sabe, ao lê-las, alguém vai se lembrar de mim com o mesmo carinho -, confidencia o volátil Heitor.

_______

* Elegias de Duíno, Rainer Maria Rilke, tradução de Dora Ferreira da Silva. Editora Globo, 2ª edição, Porto Alegre, 1976.

Ilustração em bico-de-pena (1979) e foto: J. Finatto

Coleção de clássicos

Jorge Adelar Finatto

A Editora Abril está lançando uma coleção de clássicos. O primeiro livro tem dois volumes e custa R$ 14,90. Não poderia ser melhor a escolha do título: Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski. Os próximos livros sairão pelo mesmo valor, cada volume, e estarão nas bancas semanalmente.

A coleção terá 30 obras nos gêneros romance, conto, poesia e teatro, com nomes consagrados da literatura mundial. As publicações trazem estudos sobre os autores e suas obras, têm capa dura e são revestidas de tecido. O acabamento é bonito. Um regalo pra quem gosta de livros.

Fiz uma coleção semelhante nos idos de 1980, também lançada pela Abril. São obras fundamentais. Comprava cada volume com dificuldade, apesar do preço acessível. Valeu o esforço.

A boa leitura é um patrimônio cultural e espiritual pra toda vida.

terça-feira, 9 de março de 2010

O aborto e o Papa

Jorge Adelar Finatto

 
 
A frase na parede de um prédio público, quase à beira do Rio da Prata, me fez parar sob um sol forte, a poucas quadras do belo e tradicional Teatro Solis, em Montevideo, em janeiro passado.
 
O Uruguai é um país de gente que lê, opina, discute, participa. O que me motivou a fotografar?
 
Primeiro, o argumento. Se o Papa fosse mulher, uma papisa, portanto, a questão do aborto teria mesmo outro tratamento? Será que a compreensão do problema do aborto é uma questão só de gênero?
 
Segundo, eu não tenho opinião definitiva sobre o assunto e não faço julgamento moral a respeito. O que eu queria é entender.
 
O grafite montevideano expressa a opinião de milhões e milhões de mulheres no mundo inteiro. O aborto é uma questão de gênero. Mas não só.
 
Gerar ou não uma vida no próprio ventre é, em boa medida, uma decisão da mulher, por diversas razões.
 
A rejeição da gravidez ou a omissão dos homens em relação ao fato é uma delas.
 
A legalização do aborto é uma das faces de um problema maior, mas está longe de ser a principal.
 
A afetividade, a sexualidade e a responsabilidade pela geração da vida estão intimamente ligadas. Fazer sexo, sexo casual, é diferente de fazer amor.
 
A indústria da propaganda, em geral, separa o corpo e o sexo do resto. Existem corpos lindos, mas não existe espírito nesses corpos.
 
Corpos maravilhosos de mulheres são utilizados para vender qualquer coisa. O mesmo também acontece agora com corpos masculinos.
 
A erotização começa na infância, através dos comerciais, filmes, programas, séries e novelas de televisão.
 
Coisas como compromisso nas relações, autoestima, estima e respeito pelo outro são tratadas de maneira  residual.
 
Em vários países o aborto foi legalizado.
 
No Brasil, a discussão permanece e sua prática ainda é crime, salvo nos casos em que não houver outro meio de salvar a vida da gestante e quando resultar de estupro (desde que precedido de consentimento da gestante ou de seu representante legal).
 
Dizem os defensores da legalização que mulheres pobres, que não podem mais ter filhos, muitas vezes são levadas a fazer aborto em condições sub-humanas, longe do sistema público de saúde, com elevado índice de letalidade, enquanto mulheres com boas condições econômicas pagam por procedimentos particulares e recebem melhor atendimento.
 
Informação do Ministério da Saúde estima em 1,4 milhão de abortos clandestinos no Brasil por ano, conforme dado colhido do site Themis, Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero, de Porto Alegre.
 
Dizem também os defensores do aborto que a mulher tem o direito de dispor do próprio corpo.
 
Os que são contra a legalização afirmam que a mulher não pode interromper uma vida que já não lhe pertence, mas é de outra pessoa depois da concepção.
 
Eu não sou especialista no assunto, mas também não sou hipócrita.
 
O aborto é um tema a ser tratado por toda a sociedade, mulheres e homens.
 
Tratado, sim, mas num espectro mais amplo do que a mera legalização, que, pelo que vejo, acabará acontecendo.
 
Está na hora de pensar a sexualidade humana de modo mais responsável, penso eu. Isso é mais do que simplesmente distribuir milhões de camisinhas no carnaval e achar que está tudo certo.
 
Este grafite na parede de um edifício, em Montevideo, sob o sol escaldante do Rio da Prata em janeiro de 2010, me fez parar e tentar entender.
 

segunda-feira, 8 de março de 2010

A hora do farelo

Jorge Adelar Finatto

photo: jfinatto
 
O coração do outono pulsa ao som dos Noturnos de Chopin.
Enquanto filósofos desvelam os insondáveis desígnios da condição humana, eu espero pelo pinhão cozido na chapa do fogão a lenha.
O vento roça os telhados e janelas.
A chegada da estação se adivinha na neblina, um pouco de frio, amarelo nas folhas.
Essas coisas me vêm na hora imprópria do farelo, olhando a estrela.
Espero que os pinheiros não se deixem morrer na crise cósmica que atravessamos.
O egoísmo e a maldade humana estão nos levando para o buraco.
Por cima vêm as catástrofes naturais como poucas vezes antes.
Existe alguma coisa que cala e sente quando vem o anoitecer, que olha a lonjura das estrelas, observa o mistério inumerável da vida, sabe que o tempo é curto pra conhecer e sentir tanta beleza.
Existe, na revelação do farelo, o sentimento de que faltam mais encontros com os amigos.
Faltam mais mesas pra ficar com as pessoas a quem amamos.
Há um excesso intolerável de realidade.
A beira da noite, no outono, impõe austeridades.
Ermos são os caminhos da hora do farelo.
As folhas amarelas do tempo caem em volta dessa hora descarnada.
A beleza da vida num voo de borboleta.
A impressionante leveza que a faz girar, levitar, divagar entre flores e ramos.
O ocre do outono deita sedas nos caminhos.
A palavra escrita recolhe nossa presença no mundo.
A palavra existe pra ser partilhada.
A hora do farelo traz a vontade de voar sobre os abismos e certezas.
Em que lugar enterraram o mistério, em que ilha de ausência no meio do oceano?
Talvez longe demais.
Se ao menos um anjo surgisse dizendo que nada foi em vão…


____________ 

Foto: J. Finatto